‘Rematriar’ as brasilidades da água

por um diálogo com as cosmologias de povos e comunidades tradicionais

Autores

  • Franklin de Paula Júnior Universidade de Brasília - UnB
  • Profa. Dra. Sinara Polom Zardo Universidade de Brasília - UnB

Palavras-chave:

Política de Águas, Povos e Comunidades Tradicionais, Participação Social, Educação Ambiental

Resumo

O debate público sobre a água no Brasil, em particular, e no mundo ocidental e ocidentalizado, no geral, é operado por uma racionalidade instrumental hegemônica, fundante da modernidade ocidental e de sua dupla e obscura face colonial, que expropriou, historicamente, os sentidos outros da água. O presente artigo objetiva analisar a problemática da água a partir de enunciados extramodernos e contra-hegemônicos, oriundos de entrevistas narrativas com representantes de povos e comunidades tradicionais. Os resultados da pesquisa indicam que é preciso ‘rematriar’ as suas brasilidades afro-ameríndias, o que requer a construção de outros imaginários, outras subjetividades e horizontes de sentido, pressupondo outras maquinações e outras modelagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franklin de Paula Júnior, Universidade de Brasília - UnB

É pesquisador, Especialista em Filosofia pela Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ), Especialista em Democracia Participativa, República e Movimentos Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília (UnB). Com trajetória de ativismo ambiental, atuou como educador (no ensino médio e superior e em processos latino-americanos de formação em matéria de águas), e, ainda, na administração pública e em consultorias para autarquias e organismos internacionais.

Profa. Dra. Sinara Polom Zardo, Universidade de Brasília - UnB

Graduada em Pedagogia, Especialista em Gestão Educacional e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutora em Educação pela Universidade de Brasília (UnB). É professora do Programa de Pós-Graduação em Educação – linha de pesquisa Estudos Comparados em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Cidadania – linha de pesquisa Educação em e para os Direitos Humanos e Cidadania.

Referências

ABERS, Rebecca Neaera e KECK, Margaret E. Representando a Diversidade: Estado, sociedade e “relações fecundas” nos conselhos gestores. Caderno CRH, Salvador, v.21, n. 52, p. 99-112, Jan/Abr. 2008.

ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1995.

ALVES, Maria Thereza. Dicionário Krenak-Português – Português-Krenak. MAUMAUS - Escola de Artes Visuais - Lisboa, 2010

ANDRADE, Oswald. Do Pau-Brasil à Antropofagia e às Utopias - Obras completas. Coleção Vera Cruz. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1970.

ARROJO, Pedro. El reto ético de la crisis global del agua. Relaciones Internacionales, núm. 12, octubre de 2009 – GERI-UAM.

BAUER, Martin W.; e GASKELL, George. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis-RJ: Vozes, 2002.

BRUCKMANN, Monica. La geopolítica del agua y los desafios de la integración sudamericana. Cartografías del Sur, nº 4, octubre/2016.

CARDOSO, José Álvaro de Lima. Eletrobrás, privatização humilhante. Outras Palavras, 04/08/2020. Disponível em: https://outraspalavras.net/direita-assanhada/eletrobras-privatizacao-humilhante/

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da invenção do outro. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas.Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. Disponible en la World Wide Web: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/.

CATALÃO, Vera M. Lessa. A crise da água é a turvação do espírito. Correio Braziliense. 10/02/2004.

DANOWSKI, Déborah; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie: Instituto Socioambiental, 2014.

DOWBOR, Ladislau. A era do capital improdutivo: Por que oito famílias tem mais riqueza do que a metade da população do mundo? Ladislau Dowbor. São Paulo: Autonomia Literária, 2017.

ESCOBAR, Arturo. Autonomía y diseño: la realización de lo comunal. Popayán: Universidad del Cauca. Sello Editorial, 2016.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. 1ª edição: São Paulo, Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Douglas. Borun Krenak: 200 anos de resistência à Guerra Justa. Revista Educação Pública – CECIERJ. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/8/20/borun-krenak-200-anos-de-resistecircncia-agrave-guerra-justa

LEMES DE SOUZA, Ana Paula. A diáspora da água: ensaio sobre contingências. Clamor das águas: a busca por nova identidade para as águas minerais do Brasil. In: VALADÃO, José de Arimatéia Dias, SOUZA, Ana Paula Lemes de... [et al.]. Dados eletrônicos – Florianópolis: CAXIF/UFSC, 2018.

PEREIRA, Dulce Maria. Perdas Ecossistêmicas: Barra Longa atingida pela ruptura da barragem de Fundão da Samarco/Vale/BHP Billiton. Cartografia socioambiental crítica de territórios atingidos por barragens e por grandes obras. Universidade Federal de Oro Preto (UFOP) – Volumes I e II - Ouro Preto: Gráfica da UFOP, 2020.

MALVEZZI, Roberto. Hidronegócio: privatização da Eletrobras, privatização das águas. Eco Debate, 14/09/2017. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2017/09/14/hidronegocio-privatizacao-da-eletrobras-privatizacao-das-aguas-artigo-de-roberto-malvezzi-gogo/

MAMANI, Fernando Huanacuni. Vivir Bien/Buen Vivir: filosofia, políticas, estrategias y experiências regionales. Convenio Andres Bello/Instituto Internacional de Integración. Primera Edición en Bolivia, La Paz, 2010.

MANDARINO, Ana Cristina; e GOMBERG, Estélio. Água e ancestralidade jeje-nagô: possibilidade de existências. Textos de História, vol. 17, nº 1, 2009.

MARRAS, Stelio. Por uma antropologia do entre: reflexões sobre um novo e urgente descentramento do humano. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros-IEB, Brasil, n. 69, abr. 2018.

MIRANDA, Lujan. O banco BIS e o sistema da dívida. Auditoria Cidadã da Dívida, 31/08/2020. Disponível em: https://auditoriacidada.org.br/nucleo/o-banco-bis-e-o-sistema-da-divida-por-lujan-miranda/ Acesso 02 set. 2020

PERES, João. Qual o interesse de Coca-Cola e Ambev na privatização da água da torneira? Site “O joio e o trigo”, 13/06/2019. Disponível em: https://ojoioeotrigo.com.br/2019/06/qual-o-interesse-de-coca-e-ambev-na-privatizacao-da-agua-da-torneira/ Acesso 07 set. 2020

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. O Desafio Ambiental. In: SADER, Emir (Org.). Os porquês da desordem mundial. Mestres explicam a globalização. 2ª edição, Rio de Janeiro: Ed. Record, 2011.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

ROLNIK, Suely. ESFERAS DA INSURREIÇÃO: notas para uma vida não cafetinada. N-1 edições, 2ª edição, Junho de 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, Outubro 2002.

______________. Da Ilha da Maré a outro mundo possível. IDEIAS, p. 27, Jornal de Letras-JL, Portugal, 11 a 24 de abril de 2018. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/Da%20Ilha%20da%20Mar%C3%A9%20a%20outro%20mundo%20poss%C3%ADvel_JL_11Abril18.pdf

SCHÜTZE, Fritz. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicole. Metodologias da pesquisa qualitativa em educação. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 210-222.

SOARES, Luís Eustáquio. O ultraimperialismo dos EUA e as duas Guerras Frias. Outras Palavras, 19/01/2021. Disponível em: https://outraspalavras.net/geopoliticaeguerra/o-ultraimperialismo-dos-eua-e-as-duas-guerras-frias/

________________. Por que estudar o imperialismo hoje. Outras Palavras, 10/12/2020. Disponível em: https://outraspalavras.net/crise-brasileira/por-que-estudar-o-imperialismo-hoje/

STENGERS, Isabelle. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 69, p. 442-464, abr. 2018.

VALENCIO, Norma Felicidade. A disputa pelas águas no Brasil: para além da ideologia da governança. Cronos, Natal-RN, v. 10, n. 2, p. 57-76, jul./dez. 2009.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 14, n. 18, p. 225-254, sep. 2004. ISSN 0104-6675. Disponível em: http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/197. Acesso em: 24 jan. 2020.

ZHOURI, Andréa. A Ideologia da Mineração está em cheque. Entrevista concedida para Luciana Tonelli. Outras Palavras, 13/09/2019. Disponível em: https://outraspalavras.net/crise-civilizatoria/a-ideologia-da-mineracao-esta-em-xeque/

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

de Paula Júnior, F., & Polom Zardo, S. . (2021). ‘Rematriar’ as brasilidades da água: por um diálogo com as cosmologias de povos e comunidades tradicionais . Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 193–216. Recuperado de https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/13246

Edição

Seção

Dossiê "Educação Ambiental pós-colonial e comunidades tradicionais"