Ambiente & Educação https://periodicos.furg.br/ambeduc <p>A Revista Ambiente &amp; Educação foi criada, em 1996 no modo impresso, como espaço de discussão no Programa de Educação Ambiental da FURG. Em 2006 a revista passou a ter artigos disponibilizados no formato digital e em 2007 a ter E-ISSN.</p> <p>Atualmente a Revista está disponível apenas no formato digital e aceita artigos científicos, resenhas e entrevistas em portuiguês e espanhol. A revista tem periodicidade semestral e possui conceito Qualis B2 pelos parâmetros atuais de avaliação de periódicos.</p> Universidade Federal do Rio Grande pt-BR Ambiente & Educação 2238-5533 Os (as) autores(as) que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: Os (as) autores(as) mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações (CC BY-NC-ND 4.0) que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista. Os (as) autores(as) têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista. Os (as) autores(as) têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) em qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. O que fazem os egressos do programa de pós-graduação em educação ambiental da Universidade Federal do Rio Grande – PPGEA-FURG https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/11499 O objetivo do trabalho foi identificar, analisar, compreender e descrever a atuação dos egressos do PPGEA, utilizando dados coletados no sistema acadêmico da FURG, Plataforma Lattes, Linkedin e outros. Até 2018 foram titulados 343 mestres e 104 doutores. O Setor Público é o principal empregador, absorvendo 66,18% dos mestres e 74,04% dos doutores, enquanto o Setor Privado absorve respectivamente 15,16% e 12,50%. A atuação no Terceiro Setor é inexpressiva. Entre os egressos do mestrado, 75,90% não indicam a Educação Ambiental como tema principal de atuação, o mesmo ocorrendo com 73,12% dos doutores. A reduzida oferta de conteúdos de Ciências Naturais, essencial à compreensão do meio ambiente em sua totalidade, é analisada como uma das causas desse fenômeno. Luiz Carlos Krug Dione Iara Silveira Kitzmann Copyright (c) 2021 Dione Iara Silveira Kitzmann https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 290 315 10.14295/ambeduc.v25i3.11499 “Você tem que estudar para ser alguém na vida?”: a educação do campo como estratégia para qualidade de vida na reserva extrativista marinha Caeté Taperaçu, Bragança-PA https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/11831 <p>O presente artigo analisa a necessidade de políticas educacionais voltadas para as populações do campo enquanto estratégias de melhoria para a qualidade de vida, considerando-se o cenário educacional de comunidades da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu-PA. Utilizou-se uma abordagem qualitativa, contando com uma revisão bibliográfica, entrevistas não diretivas e análises de experiências em desenvolvimento que promovem a educação ambiental e do campo como alternativas de melhorias para qualidade de vida. A análise educacional traz subsídios para promoção da qualidade de vida das comunidades e ressalta a necessidade de se compreender os limites da educação, os perigos da instrumentalização e a institucionalização como indicador e não como proposta de emancipação. O trabalho propõe reflexões no debate sobre educação do campo e ambiental como potenciais alternativas de organização e desenvolvimento coletivo do espaço rural, especialmente em Reservas Extrativistas.</p> Rafaela da Cunha Pinto Márcia Mariana Bittencourt Brito Angela Steward Copyright (c) 2021 Rafaela da Cunha Pinto https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 316 347 10.14295/ambeduc.v25i3.11831 Educação ambiental dialógico-problematizadora: uma análise do processo de empowerment de alunos jovens e adultos da casa-escola da pesca https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/10979 Neste artigo apresentamos uma análise sobre o processo de empowerment promovido com alunos jovens e adultos da Casa-Escola da Pesca por meio de ações de educação ambiental desenvolvidas em parceria com o Ecomuseu da Amazônia a partir de conflitos socioambientais relacionados à pesca artesanal. Realizamos entrevista com a Coordenadora Pedagógica da escola versando sobre alguns indicadores individuais e coletivos de empowerment construídos pelos alunos. Foi avaliado o desempenho dos mesmos durante exposição de trabalhos orientados pela equipe na III Mostra de Saberes, Fazeres e Sabores do Pescado. Os resultados alcançados indicaram a ocorrência de empowerment relacionados a conscientização e criticidade manifestada pelos participantes. Lucicleia Pereira Silva Carlos Hiroo Saito Copyright (c) 2021 Lucicleia Pereira Silva, Carlos Hiroo Saito https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 348 372 10.14295/ambeduc.v25i3.10979 Perceber para pertencer: uma reflexão sobre topofilia na Comunidade Tradicional Caiçara da Ilha Diana/Santos-SP https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/11628 O mundo de hoje nos pressiona por transformações. Neste sentido, até quando uma comunidade ainda reconhecidamente tradicional, conseguirá manter a transmissão da própria cultura e tradições para as futuras gerações? Dentro dessa perspectiva, o presente estudo teve como objetivo investigar a percepção ambiental dos moradores da comunidade tradicional caiçara da Ilha Diana, localizada próximo ao Complexo Portuário do município de Santos/SP. O trabalho envolveu crianças em idade escolar e adultos da região. Os resultados obtidos permitiram avaliar a presença ou não de sentimentos topofílicos entre os moradores, bem como avaliar qual o papel da escola neste processo de manutenção da cultura caiçara na Ilha Diana Victor Pinto Rajab Luciana Aparecida Farias Cristina Rossi Nakayama Copyright (c) 2021 Victor Pinto Rajab, Luciana Aparecida Farias, Cristina Rossi Nakayama https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 373 404 10.14295/ambeduc.v25i3.11628 A educação ambiental nos colégios estaduais do campo localizados nos assentamentos organizados pelo MST https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/10976 O presente artigo é um recorte de pesquisa que teve como objeto de estudo os projetos escolares em Educação Ambiental inseridos nos Projetos Políticos Pedagógicos dos colégios estaduais do campo localizados nos assentamentos rurais organizados no MST, no estado do Paraná. O objetivo geral foi investigar como se constitui a Educação Ambiental nos projetos escolares dos colégios estaduais do campo localizados em assentamentos rurais do Paraná. Os objetivos específicos foram assim definidos: compreender a Educação Ambiental no contexto dos projetos escolares; analisar os projetos escolares em Educação Ambiental a partir das concepções conservadora e crítica de Educação Ambiental; analisar os limites e possibilidades da presença da Educação Ambiental nos colégios estaduais dos assentamentos considerando as correntes da educação ambiental. Gerson Luiz Buczenko Copyright (c) 2021 Gerson Luiz Buczenko https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 405 425 10.14295/ambeduc.v25i3.10976 Sequência didática investigativa sobre nascentes urbanas para ensino fundamental https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/11202 O objetivo desse artigo foi investigar o potencial pedagógico de uma sequência didática investigativa (SDI) sobre nascentes urbanas para alunos dos anos finais do Ensino Fundamental, buscando sensibilizá-los a respeito da necessidade de preservação das nascentes. A metodologia utilizada teve enfoque na prática de ensino investigativo, de maneira participativa, informativa e dialógica com os alunos durante o processo. A SDI contemplou a tipologia de conteúdos e os seus módulos foram articulados e distribuídos em conceituais, procedimentais e atitudinais. A SDI apresentou resultado positivo no processo de sensibilização ambiental, pois esta aguçou a criticidade dos alunos, contribuindo para formação de cidadãos reflexivos e conscientes ambientalmente por meio do processo de Educação Ambiental. Vania Negri-Sakata Irene Yukiko Kimura Copyright (c) 2021 Vania Negri-Sakata https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 426 454 10.14295/ambeduc.v25i3.11202 Gestão de resíduos sólidos em serviços de saúde: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/9620 O presente artigo tem por objetivo demonstrar como a Educação Ambiental, em sua abordagem crítica, pode oferecer subsídios para a atuação do Técnico em Segurança do Trabalho, em Serviços de Saúde, que elaborarem e implementarem o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos. Parte-se da hipótese que a abordegam crítica trará uma compreensão e uma prática de Gerenciamento de Resíduos Sólidos em Serviços de Saúde que vá além do mero cumprimento da legislação ambiental, ao buscar a melhoria na qualidade dos processos de Gestão de Resíduos. Para tanto, considerou-se a legislação vigente e a literatura pertinente sobre o tema, a partir de uma pesquisa documental. Conclui-se que a partir do olhar da Educação Ambiental Crítica, o ser humano passa a ser visto como elemento central no que cerne a Saúde e Segurança do Trabalho, considerando a relação dele com a natureza e o ambiente produtivo. Patrícia Maria Pereira do Nascimento Copyright (c) 2021 Patrícia Maria Pereira do Nascimento https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 455 480 10.14295/ambeduc.v25i3.9620 Riscos e educação ambiental na bacia hidrográfica Dotucunduba: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/9788 Este artigo é resultado de uma pesquisa maior de Dissertação de Mestrado e procura discutir os riscos a inundação e alagamento no bairro Montese, Belém/PA, a partir de análises hidroclimáticas, geomorfológicas, de ordenamento territorial e vulnerabilidade social,apontadas como fatores que causam e potencializam esses riscos no referido bairro. Apresenta ainda, a Educação Ambiental em sua vertente crítica, entendida a partir de uma discussão dialética histórica e sob a abordagem sistêmica, interdisciplinar e holística, como um enfoque indispensável no atual contexto de políticas públicas integradas para a gestão dos riscos, no sentido de evidenciar suas potencialidades na construção do processo de sensibilização e racionalidade ambiental. Antonio Rodrigues da Silva Júnior Silva Júnior Marilena Loureiro da Silva Loureiro Silva Copyright (c) 2021 Antonio Rodrigues da Silva Júnior Silva Júnior, Marilena Loureiro da Silva Loureiro Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 481 510 10.14295/ambeduc.v25i3.9788 Apresentação do Dossiê Fenômenos ambientais costeiros em tempos de mudanças ambientais globais https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12529 <p>Apresentamos ao público o presente dossiê temático composto por 10 artigos e 1 Mostra Fotográfica que abordam as mudanças ambientais globais a partir de enfoques diversos, leque que nos proporciona a real dimensão do alcance das preocupações que o tema advoga. Foram acolhidos textos de pesquisadores(as) com diferentes níveis de experiência investigativa e oriundos de distintas áreas do conhecimento. Para nossa alegria e honra, a oportunidade do dossiê viabilizou a participação de especialistas dos dois lados do Atlântico, envolvendo pesquisadores e instituições brasileiros e portugueses, reforçando assim um espaço coletivo de trabalho que vem se constituindo pela Rede Braspor (Rede de Pesquisadores Brasileiros e Portugueses dedicados aos estudos costeiros).</p> José Vicente de Freitas Sandra Regina Lestinge Grupo de Pesquisa Ribombo Copyright (c) 2021 José Vicente de Freitas, Sandra Regina Lestinge, Grupo de Pesquisa Ribombo https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 3 8 10.14295/ambeduc.v25i3.12529 O caso ClimAdaPT.Local https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12478 <p><strong>Resumo</strong></p> <p>Numa época em que as alterações climáticas ganharam relevância e causaram níveis de apreensão social sem precedentes, o objetivo do projeto ClimAdaPT.Local valorizou a integração da dimensão climática nos processos municipais de planeamento. Com base num inquérito por questionário aplicado em três rondas consecutivas, este artigo centra-se nas respostas de um grupo de técnicos municipais que, em conjunto com a equipa promotora do projeto, desenvolveu Estratégias Municipais de Adaptação às Alterações Climáticas. Com foco principal na evolução dos respondentes, no que diz respeito à aquisição de conhecimentos e à mobilização e capacitação ao longo do desenvolvimento do projeto, as principais conclusões serão aqui apresentadas.</p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>In an era where climate change gained relevance and caused the highest levels of social awareness, the main objective of ClimAdaPT.Local project valued the integration of the climate dimension in municipal planning processes. Based on a questionnaire survey applied in three consecutive rounds throughout the project, this article focuses on the responses of a group of municipal officers who, together with the ClimAdaPT.Local team, developed Municipal Strategies for Adaptation to Climate Change. With the focus on the respondents' evolution concerning acquisition of knowledge, mobilization and awareness, and capacity building throughout the project, the main conclusions will be presented here.</p> Joao Guerra Luísa Schmidt Gil Penha-Lopes Copyright (c) 2021 Joao Guerra, Luísa Schmidt, Gil Penha Lopes https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 9 30 10.14295/ambeduc.v25i3.12478 Chuvas na cidade de Rio Grande (RS) https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12373 <p>Pouco explorado no campo da Educação Ambiental (EA), o conceito de Clima é apresentado a partir do viés da Cultura. Tal abordagem leva em consideração o trabalho desenvolvido por Michael Hulme, tendo como finalidade a interpretação e sugestão de uma alternativa para a inserção do tema das Mudanças Climáticas junto à EA. Isso é realizado através de um aporte teórico-metodológico construído para investigações sobre fenômenos climáticos, e aqui demonstrado a partir de um levantamento de dados coletados na cidade do Rio Grande (RS) e o impacto das chuvas nessa comunidade. Serão problematizados os resultados parciais da pesquisa, e o primeiro conjunto de interpretações que podem criar horizontes para o debate das Mudanças Climáticas em uma escala local.</p> Felipe Nobrega Ferreira Ticiano Duarte Pedroso Gabriel Ferreira da Silva Copyright (c) 2021 Felipe Nobrega Ferreira, Ticiano Pedroso, Gabriel Ferreira da Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 31 54 10.14295/ambeduc.v25i3.12373 E o clima deu à costa! Impacto do “Pequeno Ótimo Climático” e da “Pequena Idade do Gelo” na formação e evolução da laguna de Aveiro (Portugal) https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12286 À medida que recuamos no tempo histórico torna-se cada vez mais complexa a tentativa de reconstituição de climas passados e seu impacte nos ecossistemas. Neste estudo faz-se uma correlação entre a irradiação solar e o crescimento da flecha arenosa (restinga) que permitiu a formação da laguna de Aveiro. Sabendo-se da controvérsia em torno da utilização de um só indicador (proxy) para a definição de fenómenos tão complexos como são o das oscilações climáticas, sempre que possível, estabelece-se um nexo entre as taxas médias de progressão anual da restinga com os dados conhecidos da NAO (North Atlantic Oscillation) e dos grandes períodos climáticos. Detecta-se existir um ritmo mais intenso de desenvolvimento durante o “Pequeno Ótimo Climático” que é amortecido para uma velocidade de cerca de metade na Pequena Idade do Gelo. Olegário Nelson Azevedo Pereira Maria Rosário Bastos João Alveirinho Dias Copyright (c) 2021 Olegário Nelson Azevedo Pereira, Maria Rosário Bastos, João Alveirinho Dias https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 55 78 10.14295/ambeduc.v25i3.12286 A arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) 708/DF e o questionamento da gestão governamental relativamente ao Fundo Nacional sobre mudança do clima (Fundo Clima): https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12244 O presente estudo versa sobre o tema das mudanças climáticas e sobre a temática das litigâncias climáticas no Supremo Tribunal Federal. O objetivo geral consiste em apresentar um panorama, à luz da Educação Ambiental Crítica, da audiência pública convocada pelo Ministro Luís Roberto Barroso nos autos da ADPF 708/DF – ação ajuizada pelos partidos políticos PSB, PSOL, PT e REDE em face da União e em que questionaram a gestão governamental relativamente ao Fundo Nacional Sobre Mudança do Clima. A audiência pública em sede de controle de constitucionalidade concentrado revelou-se um importante instrumento democrático, mas sua estrutura é incompatível com a epistemologia da Educação Ambiental Crítica pois não propicia a emancipação dos sujeitos. Vanessa dos Santos Moura José Vicente de Freitas Copyright (c) 2021 Vanessa dos Santos Moura, José Vicente de Freitas https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 79 114 10.14295/ambeduc.v25i3.12244 Educação ambiental e sustentabilidade para problemas socioambientais em ambientes costeiros – uma contribuição para o Farol de Santa Marta, Laguna, SC. https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12245 Nas regiões costeiras encontra-se uma diversidade de grupos humanos que vivem em contextos socioambientais singulares. Estes remetem para demandas de estudos e pesquisas inerentes a sua cultura, às questões socioeconômicas, à sociobiodiversidade e o desenvolvimento. No sul de Santa Catarina, encontra-se a população tradicional do Farol de Santa Marta que enfrenta um conjunto de realidades e transformações complexas. A partir de uma incursão cientifica, o presente artigo oferece uma contribuição para a formulação de ações educativas ambientais visando à sustentabilidade de seus modos de vida e por extensão a melhoria da qualidade do ambiente local, sugerindo elementos teóricos e práticos que, respectivamente, subsidiem estudos futuros. Thoy Mordardo Damiani Becker Copyright (c) 2021 Thoy Mordardo Damiani Becker https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 115 139 10.14295/ambeduc.v25i3.12245 Mulheres, clima e agenda 2030 https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12354 <p><span style="font-weight: 400;">este artigo apresenta a interpretação de fotografias como fonte de pesquisa para dialogar com mulheres em suas realidades, compondo tais linguagens com atenta escuta de suas histórias de vida, antes e depois do ato fotográfico. Junto à pesquisa e argumentação, com base nos princípios para territorialização da Agenda 2030, concluiu-se que as identidades reveladas por uma câmera, e pela subjetividade das autoras, produziu singularidades entre duas mulheres agricultoras na Ilha do leonídio, em rio grande-rs, que também são produzidas em outras localidades, frente aos impactos ambientais.</span></p> Rachel Aline Hidalgo Munhoz Ana Lúcia Ruiz Goulart Rita Silvana Santana dos Santos Copyright (c) 2021 Rachel Hidalgo, Ana Lúcia Ruiz Goulart, Rita Silvana Santana dos Santos https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 140 167 10.14295/ambeduc.v25i3.12354 Mudanças climáticas e ações individuais mitigadoras dos impactos em ambientes aquáticos https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12238 As mudanças climáticas, com o aumento da temperatura do ar, afetam o funcionamento dos ecossistemas, principalmente dos aquáticos, que tendem a aumentar a eutrofização pela elevação da evaporação e dos processos metabólicos internos no sistema aquático. Sendo assim, ações que levem à melhoria da qualidade de água são essenciais, para poder-se manter os ecossistemas aquáticos e seus serviços ecossistêmicos. Para mitigar esses efeitos este trabalho visou duas ações e avaliar a percepção sobre o descarte e tratamento de esgoto de uma comunidade ribeirinha ao Rio Cuiá; para favorecer a sensibilização ambiental realizaram-se palestras e oficina de construção de fossa ecológica, um Círculo de Bananeiras, para diminuir a entrada de nutrientes no rio. Luiza Raquel Fernandes Lima Maria Cristina Basílio Crispim Copyright (c) 2021 Luiza Raquel Fernandes Lima, Maria Cristina Basílio Crispim https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 168 194 10.14295/ambeduc.v25i3.12238 Um pouco de lagarto, restinga e mudanças climáticas: conversando sobre conservação ambiental com a Educação Básica https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12285 Esta pesquisa é parte de uma tese de doutorado que buscou investigar a influência da crise climática e degradação ambiental na preservação de uma espécie de lagarto de restinga e a importância do fator social para a manutenção do ambiente. Visto que as restingas estão entre os ecossistemas mais ameaçados do país devido à sua localização costeira, discutimos aqui uma proposta de projeto de conservação desenvolvida com alunos do 6° ano de uma escola municipal da região litorânea do estado do Rio de Janeiro. Desenvolvemos um cronograma com atividades lúdicas que abordassem os principais impactos presentes neste ambiente e suas consequências para o ecossistema e população local, priorizando o debate a partir do conhecimento prévio dos alunos. Beatriz Cosendey Catia Militão Maira Figueira Copyright (c) 2021 Beatriz Cosendey, Catia Militão, Maira Figueira https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 195 223 10.14295/ambeduc.v25i3.12285 Contar histórias de dunas na escola: o litoral e as mudanças ambientais https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12473 <p>Na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, uma equipa interdisciplinar está a desenvolver um projeto europeu sobre dunas costeiras. Estes ambientes vistos geralmente como simples “montes de areias” são ecossistemas importantíssimos na dinâmica litoral e têm muitas histórias para contar. Com o objetivo de contribuir para a disseminação da ciência e fomentar a educação ambiental, foi proposto aos professores de uma turma do ensino básico a realização de um trabalho conjunto, para abordar o tema das dunas e desenvolver conteúdos que permitam a sua divulgação nas escolas. O que se apresenta neste artigo é justificação dessa proposta e os materiais que vão ser trabalhados. Espera-se que a experiência, depois de testada, possa ser replicada com outras turmas e grupos etários.</p> <p>At the School of Arts and Humanities of the University of Lisbon (Portugal), an interdisciplinary team is developing a European project on coastal sand dunes. These environments usually seen as simple “piles of sand” are very important coastal ecosystems and have many stories to tell. In order to foster science dissemination and environmental education, it was proposed to the teachers of a high school class to work together with researchers to develop content that allows the diffusion of dunes literacy at schools. This article presents the justification of this proposal and the materials that will be worked. This experience, once tested, is expected to be replicated with other classes and age groups.</p> Joana Gaspar de Freitas Copyright (c) 2021 Joana Gaspar de Freitas https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 224 250 10.14295/ambeduc.v25i3.12473 Mudanças climáticas globais no litoral do extremo sul do Brasil: indicadores socioambientais e estratégias adaptativas https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12239 De modo a facilitar a constatação dos efeitos das Mudanças Climáticas Globais ao nível regional, procedeu-se à seleção de um conjunto de indicadores socioambientais de tal processo, sobre a área da Planície Costeira do Rio Grande do Sul e se u Estuário da Lagoa dos Patos. Os indicadores selecionados (produtividade natural, através das áreas de pradarias submersas e da avifauna costeira; e as atividades socioeconômicas dela dependente, a pesca artesanal) mostraram inequívocos sinais de alterações frente às Mudanças Climáticas Globais. Diante disto, sugere-se um programa de monitoramento socioambiental destes indicadores, e um programa de Educomunicação, como estratégia de envolvimento/empoderamento social, que garanta a efetiva participação cidadã na (re) constituição de um sistema de educação e gestão socioambiental, para a prevenção e enfrentamento das Mudanças Climáticas Globais na região. Washington Ferreira Copyright (c) 2021 Washington Ferreira https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 251 283 10.14295/ambeduc.v25i3.12239 Mais além do fim do mar https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12243 A latência do tempo que é (temporariamente) envelopada em um tubo de negativo 35mm queimado em 2015, na Festa de Iemanjá, na Praia do Cassino. Fotografo estas comemorações à Orixá desde 2010, e em 2014 apresentei parte deste trabalho de documentação anual na exposição individual Mais além do fim do mar, na galeria do Art&stação. Na noite de abertura, projetamos parte do acervo de imagens do projeto, que a cada ano foi crescendo. Em 2015, fotografei a festa pela primeira e única vez em analógico. Os tubos permaneceram mais de um ano fechados, com os químicos sofrendo a ação do tempo, o que promoveu pequenas distorções de cor, micro-linhas e pontos de luz às imagens, pude perceber um tempo depois, quando os levei para revelar. Estes negativos já revelados passaram alguns anos sem serem mexidos/editados. Durante a pandemia, revisitei meus arquivos analógicos, e me deparei com estes filmes que decidiram o seu tempo de vir à público. O processo de positivar a imagem, com scanner caseiro de negativos, trabalhando com os acasos da imagem vista pela primeira vez, me trouxe a sensação do novo e também a memória do vivido, como se um filme estivesse passando pela minha tela mental. Acolhi os riscos na película há tanto tempo guardada, marcada em sua matéria por acasos que desapeguei de tentar controlar, ao longo do processo. São alguns dos profundos mergulhos no útero azul que o arquétipo da grande mãe, Iemanjá, tem me proporcionado. Beatriz Rodrigues Copyright (c) 2021 Beatriz Rodrigues https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 284 289 10.14295/ambeduc.v25i3.12243 Expediente https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12536 <p>Ficha catalográfica V25, n3, ano 2020.</p> Editor da Revista Ambiente e Educação Copyright (c) 2021 Editor da Revista Ambiente e Educação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 Editorial Revista Ambiente & Educação https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/12527 <p>Com satisfação trazemos o terceiro número do ano de 2020 da Revista Ambiente &amp; Educação com o “Dossiê: Fenômenos ambientais costeiros em tempos de mudanças ambientais globais”. A organização foi realizada pelo Grupo de Pesquisas e Estudos em Educação e Gestão Ambiental, Mudanças Climáticas e Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em áreas litorâneas – RIBOMBO, coordenado pelo Prof. Dr. José Vicente de Freitas (FURG) e pela Prof. Dra. Sandra Lestinge (UFPI).&nbsp;. Esse Dossiê reúne a partir de artigos pesquisas e práticas abordar a natureza costeira em sua própria historicidade, reconhecendo seus fenômenos, a partir das singularidades que compõem tal biodiversidade; como também um horizonte da ação antrópica sobre esses ecossistemas, fator que colabora para o acirramento de conflitos, que vão desde a ocupação humana da costa, como suas formas de uso ao longo das últimas décadas e suas possíveis implicações no cenário das mudanças ambientais globais. O presente debate ganha ainda mais relevância quando visa subsidiar o campo da Educação Ambiental dentro de uma discussão que, até então, permanece restrita ao universo das ciências naturais. É nesse contexto que esse dossiê visa destacar a produção acadêmica em ambos os campos e em suas conexões, qualificando o debate acadêmico e fortalecendo ações.</p> <p>Além disso, após o Dossiê trazemos nesse número, como sempre, uma série de artigos submetidos ao fluxo livre da Revista com diferentes temas, enfoques, escopos teórico-metodológicos de pesquisa sobre a educação ambiental no Brasil. Além disso, destaca-se a diversidade regional dos autores e estudos apresentados que abarcam do sul ao norte do país.</p> Carlos Roberto Machado Gisleine Cruz Portugal Sérgio Botton Barcellos Copyright (c) 2021 Editor da Revista Ambiente e Educação; Carlos Roberto Machado, Gisleine da Cruz Portugal https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-01 2021-02-01 25 3 1 2 10.14295/ambeduc.v25i3.12527