Mulheres, clima e agenda 2030

narrativas verbais-imagética para não deixar ninguém para trás

Autores

  • Rachel Hidalgo Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande PPGEA/FURG
  • Ana Lúcia Ruiz Goulart Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande-PPGEA/FURG
  • Rita Silvana Santana dos Santos Faculdade de Educação da Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.12354

Palavras-chave:

Mulheres, Agenda 2030, Fotografia, Mudanças Climáticas, Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Resumo

este artigo apresenta a interpretação de fotografias como fonte de pesquisa para dialogar com mulheres em suas realidades, compondo tais linguagens com atenta escuta de suas histórias de vida, antes e depois do ato fotográfico. Junto à pesquisa e argumentação, com base nos princípios para territorialização da Agenda 2030, concluiu-se que as identidades reveladas por uma câmera, e pela subjetividade das autoras, produziu singularidades entre duas mulheres agricultoras na Ilha do leonídio, em rio grande-rs, que também são produzidas em outras localidades, frente aos impactos ambientais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rachel Hidalgo, Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande PPGEA/FURG

Graduação em Comunicação Social - Jornalismo, pela Universidade Católica de Santos (2010), segunda graduação, em andamento, de Licenciatura em Artes Visuais pela Universidade Paulista (2021), formação em Documentário pela Academia Internacional de Cinema - AIC/SP (2017), mestrado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande - CAPES/FURG (2019) e, atualmente, é doutoranda no mesmo programa CNPq/FURG, com pesquisa direcionada para Educomunicação Socioambiental (2022). Integra o Ribombo - Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação e Gestão Ambiental, Mudanças Climáticas e Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em áreas litorâneas, desenvolvendo pesquisa sobre zona costeira por meio do suporte audiovisual e fotográfico. 

Ana Lúcia Ruiz Goulart, Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande-PPGEA/FURG

Possui Graduação em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande (2006), com Especialização em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Anhanguera-UNIDERP (2012-2013). Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito do Trabalho (2009-2011). Cursou Pós-Graduação em Gestão Ambiental em Municípios na Universidade Federal do Rio Grande (2014-2015). É Mestre em Educação Ambiental, no Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA) da Universidade Federal do Rio Grande (2016-2018), na Linha de Pesquisa Fundamentos da Educação Ambiental (FEA). Estuda sobre Fundamentos da Educação Ambiental. É membro do Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação e Gestão Ambiental, Mudanças Climáticas e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em áreas litorâneas - RIBOMBO, que como perspectiva, busca estudar os fundamentos da EA, bem como sua articulação com o tema das mudanças ambientais globais e a questão dos objetivos do desenvolvimento sustentável. Atualmente, é Doutoranda em Educação Ambiental, no Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA/FURG), desde 2019.

Rita Silvana Santana dos Santos, Faculdade de Educação da Universidade de Brasília

Docente da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, atua em cursos de graduação e pós-graduação e como coordenadora de extensão. É líder do Grupo de Pesquisa Rede Experiência, Narrativas e Pedagogias da Resistência (REDExp) e integrante do Grupo de Trabalho ODS/UnB. Nos últimos anos atuou como consultora no Ministério da Educação, Ministério do Meio Ambiente e em instituições internacionais como Unesco, OEI e Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ). Desenvolve pesquisas e ações nas áreas de educação ambiental, currículo, formação docente, mudanças climáticas, Agenda 2030/ Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e suas interfaces com raça-etnia e gênero. Graduada em Pedagogia (Universidade do Estado da Bahia), mestra em Engenharia Ambiental (Universidade Federal de Santa Catarina) e doutora em educação (Universidade de Brasília).

Referências

AMORIM, Cristiano da Silva. As políticas públicas na agricultura familiar do Município do Rio Grande/RS. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Ciências Humanas e da Informação. Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande, p. 110. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 22de novembro de 2020.

BRUMER, Anita. Gênero e agricultura: a situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul In: Revista Estudos Feministas, v. 12, n. 1, p. 205-227, 2004. Disponível em:

https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2004000100011&script=sci_abstract&tlng=es Acesso em 25 de novembro de 2020.

CIAVATTA, Maria. Mediações do Mundo do Trabalho: a Fotografia como Fonte Histórica In: LOMBARDI et al (Orgs). Capitalismo, Trabalho e Educação. 3ª edição. Campinas-SP: Autores Associados, Histedbr, 2005. (Coleção educação contemporânea).

CIAVATTA, Maria; ALVES, N. (Orgs). A leitura de imagens na Pesquisa Social: história, comunicação e educação. São Paulo: Cortez, 2004.

CUNHA, Neide da Silva; QUEVEDO, Pedro de Souza Neto. A transformação da paisagem da Ilha dos Marinheiros em Rio Grande (RS) a luz da resiliência socioecológica. 3° Colóquio Ibero-Americano: paisagem cultural, patrimônio e projeto. Desafios e perspectivas: Belo Horizonte, 2014. Disponível em: http://www.forumpatrimonio.com.br/paisagem2014/artigos/pdf/185.pdf Acesso em 20 de novembro de 2020.

EDDLESTON, Michael et al. Management of acute organophosphorus pesticide poisoning In: The Lancet, v. 371, n. 9612, p. 597-607, 2008.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ ROESSLER - RS. Litoral Médio. Disponível em:

http://www.fepam.rs.gov.br/programas/gerco_medio.asp#:~:text=O%20Litoral%20M%C3%A9dio%20do%20RS,e%20de%20planejamento%20desta%20regi%C3%A3o. Acesso em 25 de novembro de 2020.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A POPULAÇÃO (UNFPA, sigla em inglês). Relatório sobre a Situação da População Mundial 2009. Disponível em: <http://www.unfpa.org.br/swop2009/swop2009.pdf Acesso em: 20 de novembro de 2020.

Grupo de trabalho da sociedade civil para a Agenda 2030. IV Relatório Luz da sociedade civil da Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável BRASIL. Disponível em https://brasilnaagenda2030.files.wordpress.com/2020/08/por_rl_2020_web-1.pdf. Acesso 24 nov.2020

GURAN, Milton. Linguagem fotográfica e informação. Rio de Janeiro: Gama Filho, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio Grande do Sul, 2017. Disponível em https://odsbrasil.gov.br/. Acesso em 21 de outubro de 2020

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades e Estados. Rio Grande do Sul, 2019.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change, 2007. AR4 Climate Change 2007: Synthesis Report. Disponível em:

https://www.ipcc.ch/report/ar4/syr// Acesso em 23 de novembro de 2020.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Brasília: Ipea, 2017.

KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

LEITE, Miriam Moreira. Retratos de família: leitura da fotografia histórica. Edusp, 1993.

LUZ, Tania Ferreira da. A representatividade da agricultura familiar no espaço agrário do Município do Rio Grande/RS. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Ciências Humanas e da Informação. Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande, p. 105. 2014.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia e história interfaces In: Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 73-98, 1996. Disponível em: https://www.academia.edu/download/31052117/Fotografia.pdf Acesso em 21 de novembro de 2020.

NEVES, Gabrielle Lopes das. “Esse lugar aqui é a ilha, é a Marambaia (...) eu tomo banho de praia, planto semente, um monte de fruta”: As infâncias e a Educação Ambiental na Escola de Ilha. (Dissertação). 144f. Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande - PPGEA/FURG, 2020. Disponível em: https://ppgea.furg.br/images/sampledata/0000013716.pdf Acesso em 25 de novembro de 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, 2020. Disponível em: <https://brasil.un.org/pt-br/sdgs >. Acesso em 25 de novembro de 2020.

Organização do Reino Unido Gender and the Climate Change Agenda, 2010. Disponível em: www.wen.org.uk .Acesso em 25 de novembro de 2020.

SANDILANDS, Catriona. The Good-Natured Feminist: ecofeminism and the quest for democracy. Minneapolis: University of Minessota Press. 244 p, 1999.

SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula G.; NUNES, João Arriscado. A. 2006. Conhecimento e Transformação Social: por uma Ecologia de Saberes. In: Hiléia: Revista de Direito Ambiental da Amazônia. ano 4, n.º 6. Manaus: Edições Governo do Estado do Amazonas / Secretaria de Estado da Cultura / Universidade do Estado do Amazonas, jan./ jun. p. 11 – 103

WHITE, Gwen; JARDIM, Conceição; NOGUEIRA, Eduardo Lúcio. Perspectiva: para artistas, arquitectos e desenhadores, 1981.

UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION. Estratégia Internacional para Redução de Desastres, 2012. O desastre sob o enfoque de novas lentes: para cada efeito, uma causa. São Paulo, CARE Brasil. Disponível em <http://www.bombeiros.go.gov.br/wpcontent/uploads/2012/06/o-desastre-sob-o-enfoque-de-novas-lentes1.pdf> Acesso em 25 de novembro de 2020.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Hidalgo Munhoz, R. A., Ruiz Goulart, A. L. ., & Santana dos Santos, R. S. (2021). Mulheres, clima e agenda 2030: narrativas verbais-imagética para não deixar ninguém para trás. Ambiente &Amp; Educação, 25(3), 140–167. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.12354

Edição

Seção

Dossiê: Fenômenos ambientais costeiros em tempos de mudanças ambientais globais