O trabalho como princípio educativo ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.11505

Palavras-chave:

Educação do Campo, Educação Ambiental, Relação Sociedade-Natureza, Movimentos Sociais, Ecologia Política

Resumo

Este artigo se propõe a refletir o princípio educativo do trabalho ao longo das experiências de Educação do Campo. Nesta trajetória foi possível verificar a centralidade do trabalho na ontologia do ser social e no metabolismo sociedade-natureza, a conexão entre educação e trabalho e os conceitos e categorias do trabalho como princípio educativo. Pode-se sintetizar que o trabalho como princípio educativo apreendido nas experiências de Educação do Campo se identifica com um importante conceito de Educação Ambiental, a práxis, isto é, a ação e reflexão transformadora, com intuito de construir uma compreensão complexa e crítica da realidade socioambiental em que os grupos sociais estão envolvidos. Labour as an environ-mental education principle This article aims to reflect the educational principle of labour throughout the Rural Education experiences. In this trajectory it was possible to verify the centrality of labour in the ontology of the social being and in the metabolism of society-nature, the connection between education and labour and also the concepts and categories of labour as an educational principle. It can be summarized that labour as an educational principle apprehended in the Rural Education experiences is identified with an important concept of Environmental Education, the praxis, that is, transformable action and reflection, in order to build a complex and critical comprehension of the socio-environmental reality in which social groups are involved. Keywords: Rural Education; Environmental Education; Society-Nature Relationship; Social Movements; Political Ecology

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emilio Romanini Netto, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (2013). Atualmente é doutorando e bolsista CAPES do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal do Paraná. Atua principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar e povos e comunidades tradicionais, movimentos sociais do campo, agroecologia e educação do campo

Referências

ACSELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais – o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, n.24 v.68, p. 103-119, 2010.

ALTIERI, Miguel. Agroecologia bases científicas para uma agricultura sustentável. São Paulo: Expressão Popular. 3ª ed. 400p. 2013.

ARÁOZ, Horacio Machado. O debate sobre o “extrativismo” em tempos de ressaca. A Natureza americana e a ordem colonial. In: DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; PEREIRA FILHO, Jorge. Descolonizar o imaginário. Debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, p. 444-468, 2016.

BARBOSA, Lia Pinheiro; ROSSET, Peter Michael. Educação do campo e pedagogia camponesa agroecológica na América Latina: Aportes da La Via Campesina e da CLOC. Educação & Sociedade, v. 38, n. 140, p. 705-724, 2017.

BRANDENBURG, Alfio. Os novos atores da reconstrução do ambiente rural no Brasil: o movimento ecológico na agricultura. Estudos Sociedade e Agricultura, v.19, n. 1, p.126-148, 2011.

BORSATTO, Ricardo Serra; CARMO, Maristela Simões do. A construção do discurso agroecológico no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 51, n. 4, p. 645-660, 2013.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental popular e extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 2, n. 2, 2001.

CALDART, Roseli Salete Sobre educação do campo. In Santos, C. A. (Org.). Educação do Campo: Campo–Políticas Públicas – Educação. Brasília: INCRA/MDA/NEAD, pp. 67-86, 2008.

_______. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. São Paulo: Expressão Popular, 4ed. 2012.

_______. Trabalho, agroecologia e educação politécnica nas escolas do campo PIRES, João Henrique, NOVAES, Henrique T., MAZIN, Angelo e LOPES, Joyce (orgs). Questão agrária, cooperação e agroecologia, vol. III. Uberlândia: Navegando Publicações, p.263-328, 2017.

ENGELS, Friedrich. A dialética da natureza. São Paulo: Paz e Terra. 1979

_______. Anti-Dühring. São Paulo: Boitempo. 2015.

ESCOBAR, Arturo. En el trasfondo de nuestra cultura: la tradición racionalista y el problema del dualismo ontológico. Tabula Rasa, n. 18, p. 15-42, 2013.

FERNANDES, Bernardo Mançano; MOLINA, Mônica Castagna. O campo da educação do campo. MOLINA, MC & JESUS, SMS (comp.). Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo, p. 53-89, 2004.

FOLADORI, Guillermo. O metabolismo com a natureza. Crítica marxista, v. 12, p. 105-117, 2001.

_______. Bases marxistas para la educación ambiental. Ambiente & Educação, v. 23, n. 3, p. 159-169, 2018.

FOSTER, John Bellamy. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FREITAS, Luiz Carlos. A luta por uma pedagogia do meio: revisitando o conceito.

In Pistrak, M. M. (Org.). A escola-comuna. São Paulo: Expressão Popular. p. 9-101 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

_______. Extensão ou Comunicação? 8ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GUIMARÃES, Mauro. Educação ambiental crítica. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier. (Coord) Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p.25-34, 2004.

GUHUR, Dominque Michèle Perioto; LIMA, Aparecida do Carmo; TONÁ, Nilciney; TARDIN, José Maria; MADUREIRA, João Claudio. As práticas educativas de formação em Agroecologia da Via Campesina no Paraná́. Cadernos de Agroecologia, v.11, n.1, 2016.

________; TONÁ, Nilciney. Agroecologia In: CALDART, Roseli Salete, et al (orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro/São Paulo: EPSJV/Expressão Popular, p. 57-64, 2012.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgard. (org) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur. Buenos Aires: CLACSO. 2005.

JAPIASSU, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 3ed. 2001.

LEITE, Valter de Jesus. A categoria pedagógica do trabalho socialmente necessário nas escolas itinerantes do MST Paraná. Revista Trabalho, Política e Sociedade, v. 3, n. 4, p. 19-46, 2018.

LÖWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. São Paulo: Busca Vida. 1987.

_______. O marxismo na América Latina: uma antologia de 1909 aos dias atuais. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo. 2007.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em educação ambiental. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 94, p. 131-152, 2006.

_______.; TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Teoria social crítica e pedagogia histórico-critica: contribuições à educação ambiental. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, p. 68-82, 2016.

LUKÁCS, Györg. Os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Humanas, 1972.

LUTHER, Alessandra; GERHARDT, Tatiana Engel. Educação obrigatória, êxodo rural e fechamento das escolas do campo no brasil. Revista Saberes da Amazônia, v. 3, n. 07, p. 281-310, 2018.

MARIANO, Alessandro Santos; SAPELLI, Marlene Lucia Siebert. Fechar Escola é Crime Social: causas, impacto e esforços coletivos contra o fechamento de escolas no campo. In: 6° Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais, Anais... Toledo: 6° Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais, 2014.

MARX, Karl. Diferença entre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro. Lisboa: Presença, 1972.

_______. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural. v. 1, t. 1. 1983a.

_______. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural. v. 1, t. 2. 1983b.

_______. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

_______; ENGELS, Friedrich. A ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo. 2007.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST). O que queremos com as escolas dos assentamentos. Caderno de Formação n.18. São Paulo, 1999.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A ecologia política na América Latina: reapropriação social da natureza e reinvenção dos territórios. Revista Interthesis, v. 9, n. 1, p. 16-50, 2012.

ROLO, Márcio. A natureza como uma relação humana uma categoria histórica. In CALDART, R. S; STEDILE, M. E.; DAROS, D. (Orgs.). Caminhos para a transformação da escola: Agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo. São Paulo: Expressão Popular. 2015 pp. 139-176

ROMANINI NETTO, Emilio. A Educação do Campo e Agroecologia à luz dos movimentos sociais populares do campo. Monografia (Especialização em Questão Agrária, Educação do Campo e Agroecologia na Amazônia). IALA Amazônico - Universidade Federal do Pará, Marabá. 2015.

_______. Ciências da Natureza e materialismo histórico-dialético: encontros e desencontros na formação de educadores do campo. Rev. Bras. Educ. Camp., v. 3, n. 3, p. 1009-1036, 2018.

SAPELLI, Marlene Lucia Siebert. Ciclos de formação humana com complexos de estudo nas escolas itinerantes do paraná. Educação & Sociedade, v. 38, n. 140, p. 611-629, 2017.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v.12 n.34. p. 152-165, 2007.

SEVILLA GUZMÁN, Eduardo; MOLINA, Manuel González. Sobre a Evolução do Conceito de Campesinato. Da nova tradição dos estudos camponeses à Agroecologia. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

SILVA, Julio Carlos Bittencourt Veiga; BRANDENBURG, Alfio; LAMINE, Claire. Relação entre ecoformação e ecologização da agricultura familiar. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, v. 39, n. 2, p. 313-329, 2019.

TAFFAREL, Celi Zulke; MOLINA, Mônica Castagna. Política educacional e educação do campo. In: Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro/São Paulo: EPSJV/Expressão Popular, p. 571-576, 2012.

_______; MUNARIM, Antonio. Pátria educadora e fechamento de escolas do campo: o crime continua. Revista Pedagógica, v. 17, n. 35, p. 41-51, 2015.

TARDIN, José Maria. Cultura camponesa. In: CALDART, Roseli Salete, et al (orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro/São Paulo: EPSJV/Expressão Popular, p. 178-186, 2012.

_______; GUHUR, Dominique Michèle Perioto. Agroecologia: uma contribuição camponesa à emancipação humana e à restauração revolucionária da relação metabólica sociedade natureza. In: MOLINA, Mônica Castagna; MICHELOTTI Fernando; VILLAS BOAS, Rafael Livtin; FAGUNDES, Rita. (Orgs) Análise de práticas contra-hegemônicas na formação dos profissionais das Ciências Agrárias: Reflexões sobre o Programa de Residência Agrária. 1.ed. Brasília: Ed. Da UnB, p.44-94, 2017.

_______; _______. Caderno da ação pedagógica. Diálogo de saberes no encontro de culturas. Maringá: Mimeografado. 31p. 2012.

_______; _______; REZENDE, Simone Aparecida. Diálogo de saberes no encontro de culturas contribuição à formação do militante técnico pedagogo-educador em agroecologia nas escolas técnicas do MST e CLOC – VIA CAMPESINA no Paraná. In: Anais... Cascavel: VII Encontro estadual das educadoras e educadores da reforma agrária do Paraná, 2015.

TONÁ, Nilciney; GUHUR, Dominique Michèle Perioto. O diálogo de saberes, na promoção da agroecologia na base dos movimentos sociais populares. Cadernos de Agroecologia, v. 4, n. 1, 2009.

TONET, Ivo. Educar para a cidadania ou para a liberdade? Perspectiva, v. 23, n. 02, p. 469-484, 2005.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Romanini Netto, E. (2020). O trabalho como princípio educativo ambiental. Ambiente &Amp; Educação, 25(2), 176–206. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.11505

Edição

Seção

Dossiê: Pesquisas e Práticas em Educação Ambiental e Educação do Campo