Edições anteriores

  • Dossiê Realidades da Educação Ambiental em Universidades Latino-Americanas
    v. 39 n. Especial (2022)

    Há várias décadas, os atores envolvidos com a questão ambiental vêm passando por uma grande luta dentro das Universidades para posicionar a questão ambiental em todas as suas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão. É preciso um ato imerso numa educação crítica, inclusiva e de qualidade para uma formação profissional que não responda a um modelo de desenvolvimento insustentável. Mas sim, uma formação de profissionais capazes de enfrentar a crise de civilização causada por problemas ambientais e injustiças sociais.

    A humanidade precisa de profissionais com consciência ambiental, capazes de atuar com responsabilidade em seus campos de trabalho e como cidadãos que tenham o compromisso de superar as injustiças ambientais. As Universidades têm sido convocadas, desde a década de 1970, a incorporar a dimensão ambiental em suas funções substantivas. No entanto, apesar dos avanços, ainda há um longo caminho a percorrer para atender a essas aspirações.

    As Universidades têm se concentrado em questões de gestão ambiental, certificações ambientais, bem como ativismo ambiental por atores específicos em projetos de sucesso. O meio ambiente, a sustentabilidade e temas afins estão presentes na atividade docente, nas ofertas de pós-graduação. Em algumas outras universidades existem programas de formação específicos nestas matérias e, em casos específicos, a oferta de uma disciplina em todos os programas de formação. No entanto, o impacto destas iniciativas na formação dos profissionais egressos é, sem dúvida, insuficiente, como afirmam alguns autores. Nesse cenário, é preciso reconhecer que existe um compromisso generalizado com a sustentabilidade e o desenvolvimento sustentável em resposta às políticas institucionais e posições políticas do governo e do setor financeiro privado.

    Em geral a Educação Ambiental é pouco discutida ou praticada dentro das Universidades, estando a mesma presente em planos de manejo, projetos específicos e programas de pós-graduação. Porém, é preciso que a Educação Ambiental, como um campo interdisciplinar de educação transformadora, esteja mais presente, a fim de contribuir para a constituição de profissionais críticos e ambientalmente sensíveis. Mas como garantir isto?

    Muitas teses surgem sobre esses argumentos, e este Dossiê visa gerar a discussão e respostas às seguintes questões:

    ✓ Qual Educação Ambiental está sendo desenvolvida nas Universidades?

    ✓ Como as diferentes funções universitárias – ensino, pesquisa, extensão e gestão – dialogam com a Educação Ambiental?

    Então, em um sentido crítico, possivelmente autocrítico, como pensamos sobre a Educação Ambiental que flui em nossas instituições? Essa crítica tem que passar por nossa própria compreensão do meio ambiente, nossa futura aproximação com a realidade na qual estamos inseridos, além de conversar com os autores que se dedicaram a categorizar as diferentes abordagens da Educação Ambiental. É um diálogo com as funções de currículo, extensão, pesquisa e gestão, que precisa avançar para transformar as realidades ambientais para um possível futuro de bem-estar.

    Com tudo isso, é um convite a pensar e discutir a Educação Ambiental presente nas instituições por meio de um artigo crítico que dialoga com a realidade acadêmica, onde cada pesquisador(a) desenvolve seus esforços, apontando a Universidade como um contexto complexo de múltiplos atores.

    Nossas produções podem ser referências importantes dentro e fora de nossas Universidades para repensar as tarefas do futuro, tendo em vista a necessidade de avançar na formação ambiental de profissionais que pretendem enfrentar os desafios do futuro.

  • Um jovem negro segura um cartaz onde se lê o pedido de: Pelo ensino da história e cultura negra

    Edição Especial IMAGENS: RESISTÊNCIAS E CRIAÇÕES COTIDIANAS
    v. 37 n. 2 (2020)

    Neste momento, vivemos no Brasil inúmeras tentativas que reiteram ataques contínuos à democracia e aos direitos conquistados por populações historicamente subalternizadas, a exemplo de mulheres, negros, LGBTI, quilombolas e indígenas. Assim, mais do que nunca, o direito ao pensamento crítico, à elaboração científica e à poética da existência torna-se imprescindível à vida. Mais do que transformar a imagem em apêndice ao campo empírico, a cultura visual encontra sentido nas táticas políticas e questionamentos cotidianos feitos pelos Movimentos e Mobilizações Sociais Populares às desigualdades ambientais. Desse modo, ao problematizar a dimensão visual, este dossiê se propõe a reunir artigos que abordem, amparados nas múltiplas possibilidades teórico-metodológicas de estudos, a cultura visual e seus usos políticos, éticos e estéticos aos enfrentamentos cotidianos encampados pelos Movimentos e Mobilizações Sociais Populares aos ataques à democracia e aos direitos conquistados na atualidade pelas populações historicamente subalternizadas.
  • Edição Especial: Educação Ambiental e Movimentos Sociais Populares na América Latina
    2019

    2º Congreso Nacional de Educación Ambiental para la Sustentabilidad Universidad del Caribe | Cancún, Q.R., México
  • v. 36 n. 2 (2019)

    Esta edição é um presente para todos os leitores e leitoras. Apresenta além de textos com excelência em fundamentação e pesquisas qualificadas que enriquecem os estudos em Educação Ambiental, uma notícia espetacular para toda equipe da REMEA que é a elevação do qualis de nossa revista para A4. Gratidão!
  • Edição especial XIX Fórum de Estudos: Leituras de Paulo Freire - Reinventando Paulo Freire na atualidade: pedagogias na luta contra as opressões
    2017

    O “Fórum de Estudos: Leituras de Paulo Freire” é um evento que dá continuidade ao trabalho de várias instituições de ensino superior no RS, tendo a obra do autor Paulo Freire como fonte inspiradora para desenvolver uma educação de qualidade e socialmente comprometida com a transformação social. Esta edição foi realizada em Rio Grande-RS na Universidade Federal de Rio Grande (FURG).
  • Edição especial: Educação Ambiental na experiência escolar
    2016

    Disponível também impressa, com recursos da premiação 0012014/FUNAPE/UFG/MEC/SECADI, de periódicos brasileiros da área de educação classificados como B no atual Qualis periódicos da CAPES. O presente edital é decorrente de convênio firmado com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização Diversidade e Inclusão/MEC, Universidade Federal de Goiás e Fundação de Apoio a Pesquisa em parceria com a Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação - ANPED.
1-25 de 60