Interpretantes dinâmicos de estudantes das relações dos animais humanos e não humanos: uma leitura Peirceana a partir de uma intervenção didática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.8988

Palavras-chave:

ensino, Peirce, interpretantes dinâmicos, relações humanos e animais, biologia.

Resumo

O presente trabalho apresenta perspectivas de estudantes quanto às formas de relação dos seres humanos com os animais, no contexto da disciplina de Biologia no segundo ano do ensino médio. Por meio de uma intervenção didática que abordou os conteúdos de animais vertebrados segundo um enfoque relacional e de discussão de tais formas de relação, foram produzidas informações baseadas em uma leitura da tríade dos interpretantes dinâmicos de Peirce gerados pelos estudantes. Dentro desse referencial semiótico, observou-se ser possível discriminar os interpretantes emocional, energético e Lógico e que os mesmos se estruturaram distintamente do interpretante dinâmico inicial possuído pelos aprendizes após intervenção didática. De fato, o trabalho mostra a qualidade alterada dos interpretantes, desejada em razão de um processo de debate e aprendizagem acerca do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Ribeiro Ferreira Rodrigues, Rede pública de Ensino do Estado do Paraná

Docente da Rede pública de Ensino do Estado do Paraná. Ponta Grossa, PR. Doutora em Educação Científica e Matemática pela UEL.

Carlos Eduardo Laburú, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

PROFESSOR DO DEPTO DE FÍSICA DA UEL. DOUTOR EM EDUCAÇÃO

Osmar Henrique Moura Silva, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

DOUTOR EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA PELA UNESP/BAURU. DEPTO DE FÍSICA DA UEL

Referências

ANDERSON, D. R. Peirce’s horse: a sympathetic and semeiotic bond. In: McKENNA, E.; LIGHT, A. (Ed.). Animal pragmatism: rethinking human-nonhuman relationships. Bloomington: Indiana University Press, p. 86-94, 2004.

BRÜGGER, P. Nós e os outros animais: especismo, veganismo e Educação Ambiental. Linhas Críticas, Brasília, v. 15, n. 29, p. 197-214, 2009.

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, Braga, ano 16, v. 2c p. 221-236, 2003.

DESCOLA P. Estrutura ou Sentimento: a relação com o animal na Amazônia. MANA, 4 (1): 23-45, 1998.

EPSTEIN, I. O signo. São Paulo: Ática, 1985.

FIDALGO, A.; GRADIM, A. Manual de Semiótica. Portugal: UBI, 2004-2005.

FERREIRA, A. R.; LABURÚ, C. E. O admirável na educação ambiental e no ensino de biologia: o valor à vida é um summum bonun? X Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias, Enseñanza de las Ciencias, n. Extraordinário, p. 3387-3392, 2017a.

FERREIRA, A. R.; LABURÚ, C. E. Os multimodos no ensino e aprendizagem de biologia com abordagem ambiental para os conteúdos de animais vertebrados. X Congresso Internacional sobre Investigación en Dicáctica de las Ciencias, Enseñanza de las Ciencias, n. Extraordinário, p. 1367-1373, 2017b.

HART, P. Environmental Education. In: ABELL, S. K.; LEDERMAN, N. G. Handbook of research on Science education. New York, p. 689-728, 2012.

LEFF, E. (Coord.). A Complexidade ambiental. Tradução de Eliete Woff. São Paulo: Cortez, 2003.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

PEIRCE, C. S. Obra filosófica reunida. Editores Nathan Houser e Christian Kloesel. Fundo de Cultura Econômica, 2012. t. 2 (1893-1913).

PEIRCE, C. S. Collected Papers. Cambridge: Harvard Univ. Press. 1978.

PEIRCE, C. S. Escritos Coligidos. São Paulo: Nova Cultural. 1989.

REIGOTA, M. A. dos S. Meio ambiente e representação social. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2001a.

REIGOTA, M. A. dos S. Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001b.

SANTAELLA, L. Contribuições do pragmatismo de Peirce para o avanço do conhecimento. Revista de Filosofia, Curitiva, v. 16, n. 18, p. 75-86, 2004.

SANTAELLA, L. A eloquência das imagens dos vídeos de Educação Ambiental: uma análise semiótica. In: COSTA, L. B. da; TRAJBER, R. (Orgs.). Avaliando a Educação Ambiental no Brasil: materiais audiovisuais. São Paulo: Peirópolis, 2001.

SHOOK, J. R. Os pioneiros do pragmatismo americano. Tradução. F. B. Said. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SOUZA, R. T. Ética e animais – reflexões desde o imperativo da alteridade. Veritas, Porto Alegre, v. 52, n. 2, p. 109-127, 2007.

SCHÖPKE, R. A psicopatia e os animais. In: DENIS, L. (Org.). Educação & Direitos animais. São Paulo: Libra Três, 2014.

TURRISI, P. O papel do pragmatismo de Peirce na educação. Cognitio, São Paulo, v. 3, p. 122-135, 2002.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Como Citar

Rodrigues, A. R. F., Laburú, C. E., & Silva, O. H. M. (2019). Interpretantes dinâmicos de estudantes das relações dos animais humanos e não humanos: uma leitura Peirceana a partir de uma intervenção didática. Ambiente &Amp; Educação, 24(2), 399–419. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.8988

Edição

Seção

Artigos