A gestão da educação ambiental na Bahia

Autores

  • Rosane Meire Vieira de Jesus Universidade do Estado da Bahia
  • Márcia Andrade Oliveira Bello Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.8377

Palavras-chave:

Educação ambiental. Dialogicidade. Cartografia.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo compreender os contornos da gestão da educação ambiental, a partir da atuação da Coordenação de Educação Ambiental e Saúde (CEAS) nas escolas públicas estaduais do Ensino Fundamental II da Bahia. Na investigação, foi realizada uma cartografia dos estratos da temática sociopolítica e ambiental com coleta de informações documentais e observação direta, realizada com membros da equipe da CEAS. Essas percepções foram interpretadas a partir de um horizonte pós-moderno, sob o enfoque da filosofia deleuze-guattariana, na qual conexões e intensidade se multiplicam e se alastram, criando e instigando a formação de novos estratos para a re-territorialização de outros espaços da gestão da educação ambiental no sistema educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosane Meire Vieira de Jesus, Universidade do Estado da Bahia

Professora do Departamento de Educação, Campus XIV, Universidade do Estado da Bahia

Márcia Andrade Oliveira Bello, Universidade do Estado da Bahia

Mestre em Educação e Tecnologias pela Universidade do Estado da Bahia- UNEB/Gestec (2017); Bacharel em Direito pela Universidade Católica do Salvador (2005), Licenciada em Biologia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1990), Licenciada em Ciências pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1988).

Referências

ACSELRAD, H.; LEROY, J. P. Novas Premissas da Sustentabilidade Democrática. Rio de Janeiro: Projeto Brasil Sustentável e Democrático; FASE, 1999 (Cadernos de Debate 1).

ARAÚJO, M. I. O.; BIZZO, N. O discurso da sustentabilidade, educação ambiental e a formação de professores de Biologia. CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE

BAHIA. Lei nº. 13.204 de 11 de dezembro de 2014. Modifica a estrutura organizacional da Administração Pública do Poder Executivo Estadual e dá outras providências. Diário Oficial do Estado da Bahia, Salvador, 12 dez. 2014. Disponível em: http://www.secom.ba.gov.br/arquivos/File/LEI13204.pdf . Acesso em: 23 dez. 2014.

______. Secretaria da Educação. Programa de Educação Ambiental do Sistema Educacional da Bahia - ProEASE. 2. ed. Salvador: SEC, 2015.

______. Secretaria de Meio Ambiente. Informações sobre a CIEA. Salvador: Secretaria de Meio Ambiente, 2016. Disponível em: http://www.meioambiente.ba.gov.br/ modules/conteudo/conteudo. php?conteudo=58 . Acesso em: 27 ago. 2016.

BRASIL. Decreto nº. 4.281, de 25 de junho de 2002. Regulamenta a Lei nº. 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 13, 26 jun. 2002.

CARVALHO, I. C. M. O “ambiental” como valor substantivo: uma reflexão sobre a identidade da EA. In: SAUVÉ, L.; ORELLANA, I.; SATO, M. Textos escolhidos em EA: de uma América à outra. Montreal: Publications ERE-UQAM, 2002, Tomo I, p. 85-90.

CASTORIADIS, C. Instituição Imaginária da Sociedade. Tradução Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. v. 1. São Paulo: Editora 34, 2011a.

______. Mil platôs. v. 2. São Paulo: Editora 34, 2011b.

DIEGUES, A. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos anos novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 1 e 2, jan./jun., 1992. Disponível em: http://www.michaeljonas.com.br/meu%20trabalho/fca_grad/Economia%20II/Apo/Desenvolvimento%20Sustentavel.pdf . Acesso em: 08 dez. 2016.

FLICKINGER, H. G. Gadamer & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

GADAMER, H. G. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução Flávio Paulo Meurer. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

GRÜN, M. A Outridade da Natureza na Educação Ambiental. In: CARVALHO, I. C. M.; GRÜN, M.; TRAJBER, R. (Orgs.). Em busca da dimensão ética da educação ambiental. Campinas, SP: Papirus, 2007.

LAYRARGUES, P. P. Do ecodesenvolvimento ao desenvolvimento sustentável: evolução de um conceito? Proposta, Rio de Janeiro, v. 24, n. 71, p. 1-5, 1997.

LUCK, H. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro, 2006.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a15.pdf . Acesso em: 25 out. 2016.

MATURANA, H.; VERDEN-ZOLLER, G. Amor y juego. Santiago: Editorial Instituto de Terapia Cognitiva, 1993.

MÉSZÁROS, I. O desafio do desenvolvimento sustentável e a cultura da igualdade substantiva. Texto lido na conferência da Cúpula dos Parlamentares Latino-Americanos. Caracas, 2001. Tradução Paulo Maurício. Disponível em: https://resistir.info/mreview/desenvolvimento_sustentavel.html . Acesso em: 10 out. 2016.

VATTIMO, G. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Como Citar

Jesus, R. M. V. de, & Bello, M. A. O. (2019). A gestão da educação ambiental na Bahia. Ambiente &Amp; Educação, 24(2), 331–352. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.8377

Edição

Seção

Artigos