Intenção e atenção nos processos de aprendizagem. Por uma Educação Ambiental “fora da caixa”

Autores

  • Isabel Cristina de Moura Carvalho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS.
  • Rita Paradeda Mhule PUCRS

Palavras-chave:

Fora da caixa, Educação da Atenção, Experiência

Resumo

Este artigo problematiza certos limites nos processos de aprendizagem. Em todos os níveis de ensino é possível identificar modos de encerrar a formação em estruturas disciplinares, espaciais, epistemológicas e curriculares pré-definidas. A partir da noção de educação da atenção de Tim Ingold discutiremos duas situações de aprendizagem que mostram os limites e, sobretudo, o reducionismo incorporado em nossas práticas de educação das quais as práticas de educação ambiental não são uma exceção. A fragilidade apontada diz respeito ao rebaixamento da experiência, da capacidade reflexiva e da criatividade, habilidades necessárias para a formação de sujeitos autônomos e críticos. Discutiremos também uma terceira situação pedagógica realizada no curso de pedagogia, como contraponto ao reducionismo anteriormente mencionado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Cristina de Moura Carvalho, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS.

Psicóloga, Doutora em Educação. Professora na Escola de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS

Downloads

Publicado

2016-11-04

Como Citar

Carvalho, I. C. de M., & Mhule, R. P. (2016). Intenção e atenção nos processos de aprendizagem. Por uma Educação Ambiental “fora da caixa”. Ambiente &Amp; Educação, 21(1), 26–40. Recuperado de https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/6090

Edição

Seção

Dossiê Temático Fundamentos da Educação Ambiental