Biomonitoramento Participativo, com insetos aquáticos como bioindicadores de qualidade da água, realizado com alunos da Escola Municipal José Pedro Gonçalves, Comunidade do Parauninha, Conceição do Mato Dentro, MG

Autores

  • Luiza Hoehne Mattos Oliveira
  • Miguel Ângelo Andrade
  • Henrique Paprocki

Palavras-chave:

Atividades sustentáveis, Educação Ambiental, Organismos macroinvertebrados

Resumo

A região da sub-bacia do Parauninha e suas comunidades estão inseridas na Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, ambiente caracterizado por destacada biodiversidade e por aspectos sócio-culturais de valor inestimado. Tal cenário sofre impactos de diversas atividades antrópicas. Para que o atual quadro sofra alterações benéficas, é essencial que as comunidades locais participem ativamente do processo de implantação de atividades sustentáveis. Com programas de Educação ambiental nas escolas de ensino básico, é possível atingir jovens e crianças, público potencial para compreender novas críticas e conceitos em torno de problemas e questões ambientais vigentes na sociedade. Nesse contexto, o usufruto da técnica de identificação de organismos macroinvertebrados para a detecção de ações antrópicas é de importância relevante, pois a presença ou a ausência de certas espécies serve como indicador, em longo prazo, da qualidade da água.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-05-10

Como Citar

Oliveira, L. H. M., Andrade, M. Ângelo, & Paprocki, H. (2012). Biomonitoramento Participativo, com insetos aquáticos como bioindicadores de qualidade da água, realizado com alunos da Escola Municipal José Pedro Gonçalves, Comunidade do Parauninha, Conceição do Mato Dentro, MG. Ambiente &Amp; Educação, 16(2), 57–74. Recuperado de https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/1941

Edição

Seção

Artigos