Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) e trabalho docente: desafio pedagógico

Pierre André Garcia Pires, Liziany Lopes da Silva

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo geral analisar os desafios pedagógicos frente às tecnologias de informação e comunicação. Também apresenta como objetivos específicos situar o leitor nas mudanças organizacionais da sociedade, da educação e das tecnologias, fazendo uma análise sobre a mediação pedagógica e o uso das tecnologias; por fim, verificar os impactos da informatização das escolas. A metodologia utilizada nesse artigo foi a bibliográfica e empírica. A educação na forma institucionalizada assumiu grandes responsabilidades com o tempo, que além de ser a responsável por transmitir os conhecimentos produzidos socialmente, elas têm uma responsabilidade social profunda. Educadores precisam, para garantir que essa educação atenda as exigências de qualidade vigente, compreender seu contexto histórico-social, econômico e ideológico; aos professores entender sua responsabilidade como mediador pedagógico, ter bem estabelecido suas metodologias no uso das tecnologias de informação e comunicação, além de discutir a importãncia da formação continuada para o processo educacional. Assim, as discussões realizadas neste trabalho estão embasadas em Frigotto (2006), Moran (2015), Lima e Moura (2015), Heller (2004), Meirieu (2005), Moran, Macetto, e Behens (2007), entre outros.

Palavras-chave


Tecnologias de informação e comunicação; Mediação pedagógica; Formação Docente.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BRASIL. Lei nº 9394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3 e 4 ciclos, Ensino Médio. Brasília: DF: 1997.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Editora Loyola, 2010.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1984.

HELLER, Agnes. O Cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2004. 7ª ed.

LIMA, Leandro Holanda Fernandes de, MOURA, Flavia Ribeiro de. O professor no ensino híbrido. In: BACICH, Lilian, NETO, Adolfo Tanzi e TREVISANI, Fernando Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 90-102.

MEIRIEU, Philippe. O cotidiano da escola e da sala de aula: o fazer e o compreender. Porto Alegre: Armed, 2005.

MORAN, José Manoel. MACETTO, Marcos T. BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 19. ed. Campinas, SP. Papirus, 2007.

MORAN, José. Educação híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, Lilian, NETO, Adolfo Tanzi e TREVISANI, Fernando Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 27-45

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v28i3.7766

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ