Cinderela, igreja e infância: produção de masculinidade e feminilidade numa escola rural

Graziele Corrêa Amorim, Rúbria de Cássia Magalhães e Silva, Heloísa Raimunda Herneck

Resumo


Como um projeto de “Cinema e Educação”, uma narrativa cinematográfica “A Cinderela (1950)” capturada pelos estúdios da Disney e os dogmas de uma igreja Evangélica poderiam se encontrar? Nos cotidianos de uma sala de aula. Tais encontros foram produzidos numa escola localizada numa área rural da Zona da Mata mineira e aqui caligrafamos as redes que atravessaram a produção do tornar-se menino e menina naquele espaço. Nesse sentido, mergulhamos nos fluxos que nutrem a produção de estar criança na escola. E para potencializar a reflexão, utilizamos as narrativas e os estudos nos/dos/com os cotidianos para a composição da cena tramada. Consideramos que os papéis masculinos e femininos são invenções que atravessam todo um sistema social, religioso e econômico e que a escola é um espaço potente para pensarmos nas multiplicidades de existências. Como também, de escapes as categorizações nas produções de vidas.

Palavras-chave


Cotidiano Escolar; Infância; Diferença.

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, G. M. A importância dos contos de fadas na educação infantil. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação em Pedagogia) – Universidade de Brasília, 2015. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/12925/1/2015_GabrieleMirandaBastos.pdf . Acesso em: 28 fev. de 2019.

BREDER, F. C. Feminismo e príncipes encantados: a representação feminina nos filmes de princesa da Disney. Monografia (Graduação em Comunicação Social/Jornalismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Escola de Comunicação – ECO, 2013. Disponível: https://literaturaexpandida.files.wordpress.com/2011/09/feminismo-e-prc3adncipes-encantados-a-representac3a7c3a3o-feminina-nos-filmes-de-princesa-da-disney.pdf.

Acesso em: 28/02/2019

COELHO, N. N. Literatura infantil: teoria, análise, didática. 1 ed. São Paulo: Moderna, 2000.

DELEUZE, Gilles. O ministério de Ariana. Lisboa: Veja, 1996.

HUSTON, N. A espécie fabuladora. Porto Alegre: L&PM, 2010.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. online, n. 19, p. 20-28, 2002.

LATOUR, Bruno. Reflexão Sobre o Culto Moderno aos Deuses Fe(i)tiches. Trad.

Sandra Moreira. Bauru: EDUSC, 2002.

LEITE, C. D. P. Infância, Experiência e Tempo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

LOPEZ, Maximiliano. Filmar a Escola: teoria da escola. In: Larrosa Jorge (Org.).

Elogio da Escola. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, v. 1, p. 225-233.

SANTOS, S. M. O. dos. Os contos de fadas e o processo de individuação das crianças. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Arteterapia) – ISEPE, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em:

http://www.arteterapia.org.br/v2/pdfs/oscontosdefadaseoprocessodeindividuacao.pdf. Acesso em: 10 jan. de 2019.

SIMONINI, E.; BOTELHO, C. R. P.; AMORIM, G. C. Cotidianos em devir. In: Alexandra Garcia; Inês Barbosa de Oliveira (Orgs.). Aventuras de conhecimento:utopias vivenciadas nas pesquisas em educação. 1. ed. Rio de Janeiro: DPetAlii, 2014, v. 1, p. 217-228.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v28i1.8802

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ