Escola de princesas: estratégias ficcionais e discursos androcêntricos

Andreia Aparecida Marin, Stheffany Cruvinel Martins

Resumo


A presente escrita gira em torno de representações a respeito da mulher veiculadas no discurso inerente ao currículo das Escolas de Princesas. A necessidade de uma análise de tais representações se justifica pela suspeita de que fazem retroceder amplas discussões críticas sobre a construção social do conceito de mulher, sua objetivação e as contenções nela fundadas. A argumentação se desenvolve no sentido de demonstrar que a pedagogia das referidas escolas oculta ou ignora discussões feministas, tanto amparadas em Beauvoir, quanto em Butler, duas importantes pensadoras que influenciam vertentes dos feminismos contemporâneos.

Palavras-chave


Mulher. Feminismo. Escola de Princesas. Representação. Androcentrismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Fatos e Mitos. 4ª ed. Difusão Européia do Livro, Paris: Gallimard, 1970.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALDIN, Clarice F. Vozes femininas nos contos de fadas: a experiência da fala falante. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.11, n.2, p. 283-296, ago./dez., 2006.

FREITAS, Hyndara. Escola de Princesas ensina etiqueta, culinária e organização de casa a meninas de 4 anos. Estadão, São Paulo, 12 de out. 2016. Disponível em: https://emais.estadao.com.br/noticias/comportamento,escola-de-princesas-ensina-etiqueta-culinaria-e-organizacao-de-casa-a-meninas-de-4-a-15-anos,10000081544. Acesso em: 13 jul. 2018.

GOMES, Anderson. “A quem interessar possa”: entrevista com Marina Colasanti. Uniletras, Paraná, v. 29, n. 1, p. 162-169, dez. 2007.

HARARI, Yuval N. Sapiens: uma breve história da humanidade. Trad. Janaína Marcoantonio. Editora J&PM, 2014.

KNUPP, Antonio J. F.; RIPOLL, Daniela. Lições dos concursos infantis de beleza e da escola de princesas. In: Seminário Brasileiro de Estudos Culturais e Educação, 7., 2017, Canoas. Anais [...]. Canoas, 2017.

MARTINS, Maria Cristina. Histórias que nossas Mães não nos Contaram: o revisionismo feminista dos contos de fadas. Em Tese, Belo Horizonte, v. 10, p. 157-163, dez. 2006.

RAMALHO, Christina. Mulheres, princesas e fadas: a hora da desconstrução. Revista Gênero. v. 1, n. 2. p. 47-56, 2001.

SILVA, Gabriela; SILVA, Izabele C.; MACHADO, Rafaella. Marias vão com as outras: projeto de empoderamento feminino para meninas entre 10 a 14 anos. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 13., 2017. Anais [...]. Florianópolis, 2017.

SMYL, Elaine B.O.; SANTOS, Marinês R. Cursos de "desprincesamento": estratégias feministas de resistência. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 13., 2017. Anais [...]. Florianópolis, 2017.

XAVIER Fl., Constantina. Gênero e resistências em filmes de animação. Pro-Posições, Campinas, v. 27, n. 1 (79), pp. 19-36, jan./abr. 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i3.8163

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ