Educação infantil, governamento da infância e produção de capital humano

Lutiane Novakowski, Karla Saraiva

Resumo


O artigo tem como propósito problematizar, através de uma análise de sites de instituições privadas que oferecem a Educação Infantil, os objetivos dessa etapa educacional. Partimos da hipótese de que na Contemporaneidade a infância ainda é entendida como um investimento para o futuro, sendo sua escolarização uma estratégia biopolítica para produzir sujeitos alinhados às necessidades da governamentalidade atual. A partir das análises, foi possível afirmar que as instituições de Educação Infantil que compuseram o corpus da pesquisa estariam voltadas para o crescimento do capital humano de seus alunos, orientando-os para que se portem como empresários de si mesmo, o que potencializa suas chances futuras de sucesso profissional, justificando o investimento das famílias.

Palavras-chave


Educação Infantil; Infância; Capital Humano.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Rita. Teoria do capital humano e a qualidade da educação nos estados brasileiros. 2010. 75f. Trabalho de conclusão (Graduação em Economia) – Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS-Porto Alegre, 2010.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo. A transformação das pessoas em mercadoria. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Capitalismo parasitário e outros temas contemporâneos. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil. Resolução CNE/CEB nº 20/2009. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2013. p. 80-101.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Infância e maquinarias. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CARVALHO, Rodrigo Saballa. O investimento na formação do cidadão do futuro: a aliança entre economia e educação infantil como estratégia da governamentalidade contemporânea. Educação em Revista. Belo Horizonte. v. 32, n. 2, abril/junho 2016.

COSTA, Marisa Vorraber. Ensinando a dividir o mundo - as perversas lições de um programa de televisão. Revista Brasileira de Educação. Anped. Rio de Janeiro: Autores Associados, n. 20, maio/junho/julho/agosto. 2002.

COSTA, Sylvio de Sousa Gadelha. Governamentalidade neoliberal, teoria do capital humano e empreendedorismo. Educação & Realidade. Porto Alegre: UFRGS, v. 34, n. 2: p. 171-186, maio/agosto. 2009.

FERNANDES, Cinthia Votto. A identidade da pré-escola: entre a transição para o ensino fundamental e a obrigatoriedade de frequência. 2014. 248f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. UFRGS-Porto Alegre, 2014.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O estatuto pedagógico da mídia: questões de análise. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 22, n. 2, 1997, p. 59-79.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. In:_____. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1993. p. 277-293.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GUTIÉRREZ, Aurora; ALARCÓN, Paloma. Historia de la infância: itinerarios educativos. Madrid: UNED, 2004. p.265-295.

HONORÉ, Carl. Sob pressão. Trad. José Gradel. Rio de Janeiro: Record, 2009.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LÓPEZ-RUIZ, Osvaldo. A técnica como capital e o capital humano genético. Novos Estudos. São Paulo: Cebrap, ed. 80, 2008. p. 127-139.

MARQUEZ, Christine Garrido. O banco mundial e a Educação Infantil no Brasil. 2006. 213f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação. Universidade Federal de Goiás. UFG-Goiás, 2006.

Ó, Jorge Ramos do. A governamentalidade e a história da Escola Moderna: outras conexões investigativas. Educação & Realidade. Porto Alegre: UFRGS, v.2, n.34: p.97-117, maio/agosto 2009.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002 (Coleção Docência em Formação).

ROCHA, Daiana Garibaldi. A comodificação da educação continuada. 2013. 146f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Luterana do Brasil. ULBRA-Canoas, 2013.

SARAIVA, Karla. A aliança biopolítica educação-trabalho. Pro-posições. Campinas: Unicamp, v.25, n.2: p. 139-156, maio/agosto 2014.

SARAIVA, Karla. Aprender matemática para desenvolver o Brasil. Reflexão e Ação, v. 20, n. 2, p.136-153, jul./dez.2012.

VARELA, Julia. ALVAREZ-URÍA, Fernando. A maquinaria escolar. Teoria & Educação. Porto Alegre, n. 6, 1992, p.68-96.

VIANA, Iara Azevedo Vitelli. Investimento produtivo em educação no Brasil: Educação Infantil para crianças pobres. 2012. 122f. Dissertação (Mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais) - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Escola Nacional de Ciências Estatísticas. ENCE-Rio de Janeiro, 2012.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v28i2.8107

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ