Formação inicial em nível superior dos cursos de licenciatura: em perspectiva a gestão educacional e escolar a partir da resolução cne/cp nº 2/2015

Jeinni Kelly Pereira Puziol

Resumo


Este artigo discute possíveis impactos da Resolução CNE/CP nº2 de 01/07/2015 na formação inicial em nível superior dos cursos de licenciatura, de modo específico, problematiza a atuação e a participação dos profissionais do magistério na gestão e na organização das instituições de educação básica. O objetivo é destacar a dimensão da gestão educacional e escolar presente na referida resolução, de modo a refletir sobre a introdução desta especificidade formativa para todos os cursos de licenciatura, visto que na resolução anterior, CNE/CP nº1 de 18/02/2002, não era uma temática contemplada. Discute-se, assim, o Modelo de Gestão Autônoma da Escola, como fundamento do debate da política e da gestão educacional no Brasil, bem como possibilidades e dificuldades que as universidades poderão enfrentar, em específico, a Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Palavras-chave


Política Educacional; Gestão Educacional; Gestão Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ABU-DUHOU, Ibtsan. Uma gestão mais autônoma das escolas. Brasília: UNESCO/IIEP, 2002.

BALL, Stephen. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2012.

BARROSO, João. Exposição no II Congresso de Política e Administração da Educação. Universidade do Minho, Braga. Jan. 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Rideel, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 01, de 18 de fevereiro de 2002. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 18 de fevereiro de 2002. Disponível em: .

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 92, p. 11, 16 de Maio de 2006. Disponível em: .

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015. Disponível em:

pagina=8&totalArquivos=72>.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9394, 20 de dezembro de 1996.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004.

DOURADO, Luis Fernandes. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 131, p. 299-324, abr.-jun., 2015.

FONSECA, Marília; OLIVEIRA, João Ferreira; TOSCHI, Mirza Seabra. As tendências da gestão na atual política educacional brasileira: autonomia e controle? In: OLIVEIRA, João Ferreira de; BITTAR, Mariluce. Gestão e Políticas da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

PARO, Vitor Henrique. Administração escolar: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2007.

PARO, Vitor Henrique. Gestão Democrática da Escola Pública. São Paulo: Cortez, 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i2.8073

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ