Relações de gênero em sala de aula: compartilhando experiências do pibid interdisciplinar de petrolina

Janaina Guimarães da Fonseca Silva

Resumo


Levando em consideração as novas diretrizes para os cursos de licenciatura, de julho de 2015 e também a tentativa de reação aos diversos projetos que pretendem limitar as discussões de gênero em sala de aula, nosso projeto, aqui apresentado, utilizou o PIBID-Programa de Iniciação a Docência da CAPES, para trabalhar as relações de gênero, em escolas públicas de Petrolina, no ano de 2016. O projeto foi coordenado por Janaina Guimarães e desenvolvido pelas alunas e alunos dos cursos de Licenciatura em História e Biologia da Universidade de Pernambuco, Campus Petrolina, numa perspectiva interdisciplinar. Nossa proposta teve como objetivo trabalhar os a construção histórica dos conceitos de sertaneja e sertanejo por meio das relações de gênero, focando a realidade das/os alunas/os e seu papel enquanto agentes históricos, estimulando-as/os a desenvolverem um olhar crítico sobre os estereótipos e preconceitos machistas e misóginos presentes nas práticas cotidianas. As atividades desenvolvidas ao longo do ano, bem como o material que utilizamos como base, produzidos pela Ação Educativa e pelo instituto Sou da Paz, serão descritas e analisadas, bem como a recepção por parte das/os licenciadas/os, tutores e estudantes do Ensino Médio à abordagem das relações de gênero em sala de aula.

Palavras-chave


Gênero, Educação, Interdisciplinar

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA, Brasil. STF suspende lei que instituiu o Programa Escola Livre. Disponível

em:http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-03/stf-suspende-lei-que-instituiu-oprograma-escola-livre-em-alagoas. Acesso em: 21 jun. 2017.

ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: buscando rigor e qualidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113. p.51-64. jul. 2001.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 1977.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte, Minas Gerais: Autêntica Editora, 2013.

BRASIL, Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Distrito Federal: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 1 de julho de 2015, define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Conselho Nacional de Educação: Conselho Pleno, 2015a. Brasília: Ministério da Educação, 2015. Disponível em: https://www.ead.unb.br/arquivos/geral/res_cne_cp_002_03072015.pdf. Acesso em: 13 set. 2016.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). Plano Nacional de Educação 2014-2024: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras

providências. 2ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015b. Série Legislação n. 193. Disponível em: bd.camara.gov.br/bd/.../bdcamara/.../plano_nacional_educacao_2014-2024_2ed.pdf. Acesso em: 10 set. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2004. Ministério da Educação. Programa Mulher e Ciência. Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero. 2016a. Disponível em: http://www.igualdadedegenero.cnpq.br/igualdade.html. Acesso em: 20 ago. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Medida Provisória nº 726, de 12 de maio de 2016, altera e revoga dispositivos da Lei no 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios. Brasília: Casa Civil, 2016e. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-018/2016/Mpv/mpv726.htm. Acesso em 15 set. 2016.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2016b. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/retrato/apresentacao.html. Acesso em: 10 set. 2016.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: orientação

sexual. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei do Senado, de 2016, que inclui as diretrizes e bases da educação nacional, de que trata a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, o “Programa Escola Sem Partido”. Brasília: Congresso Nacional, 2016f. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=125666. Acesso em: 19 set. 2016.

BRASIL. Portal da Transparência. Convênio 603408. Fundo Nacional de Desenvolvimento da

Educação. 2016c. Brasília: Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União, 2016. Disponível em:

http://www.portaltransparencia.gov.br/convenios/DetalhaConvenio.asp?TipoConsulta=5&CodConvenio=603408. Acesso em: 21 set. 2016.

BORTOLINI, Alexandre. Diversidade sexual e de gênero na escola. Revista Espaço Acadêmico, Paraná, n.123, Ago., p. 27-37, 2011.

BRITTO, Carlos. Sem ‘ideologia de gênero’, Plano Municipal de Educação é aprovado pela Casa Plínio Amorim. Blog do Carlos Britto. Petrolina, 23 jun. 2015. Disponível em:

http://carlosbritto.ne10.uol.com.br/sem-ideologia-de-genero-plano-municipal-de-educacaoeaprovado-pela-casa-plinio-amorim/. Acesso em: 21 set. 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed., São

Paulo: Paz e Terra, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. Perspec, São Paulo,, v..14, n.2, p.03-11, 2000.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16 ed. Petropólis, RJ: Vozes, 2014.

MENEZES, Marília Gabrielle; SANTIAGO, Maria Eliete. Contribuição do pensamento de Paulo

Freire para o paradigma curricular crítico-emancipatório. Pro-Posições, Campinas, v. 25, n. 3 (75), set./dez., p.45-62, 2014.

MINAYO, Maria Cecília. O desafio do conhecimento pesquisa qualitativa em saúde. Editora Hutec, São Paulo. 2004.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. Nota pública, Às Assembleias Legislativas, à Câmara Legislativa do Distrito Federal, às Câmaras de Vereadores, aos Conselhos Estaduais, Distrital e Municipais de Educação e à Sociedade Brasileira. Brasília: 1 set. 2015. Disponível em: http://www.spm.gov.br/noticias/conselho-nacional-de-educacao-emite-notasobreideologia-de-generonosplanosdeducacao/nota_publica_sobre_ideologia_genero_01_09- 1.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 5ª ed. São Paulo, Brasília DF: Cortez / UNESCO, 2002.

ONU, Mulheres. Gênero na Escola e na Universidade. 13 abr. 2016. Disponível em:

http://www.onumulheres.org.br/programasemdestaque/genero-na-escola/. Acesso em: 15 jun. 2017.

RAGO, Margareth. As mulheres na historiografia brasileira. In: SILVA, Zélia L. (Org.). Cultura Histórica em Debate. São Paulo: UNESP, 1995.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana; GROSSI, Miriam. (Org.). Masculino, Feminino, Plural. Florianópolis: Editora Mulheres, 1998. p. 1-17.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 24. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

SCOTT, Joan. Experiência. In: SILVA, Alcione L.; LAGO, Maria C. de S.; RAMOS, Tânia R. O. Falas de gênero: teorias, análises, leituras. Florianópolis: Editora Mulheres, 1999. p.21-55.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SCOTT, Joan. Os usos e abusos do gênero. Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012.

TIBURI, Márcia. Como conversar com um fascista. Rio de Janeiro: Record, 2016.

UNESCO. UNESCO no Brasil se posiciona sobre questões de violência de gênero. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/singleview/news/unesco_in_brazil_stands_against_gender_violence_issues/#.V2LkNrsrKUn. Acesso em 10 jun. 2017.

VIANNA, Cláudia Pereira. Estudos sobre gênero, sexualidade e políticas públicas: das ações

coletivas aos planos e programas federais. São Paulo. Tese de livre docência. 2011.

VIANNA, Cláudia; UNBEHAUM, Sandra. Gênero na Educação Básica: quem se importa? Uma análise de documentos de políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 95, p. 407-428, maio/ago. 2006.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i3.7049

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ