Cinema Brasileiro, Cultura e formação: Um encontro na sala universitária de cinema

Cíntia Langie, Carla Gonçalves Rodrigues

Resumo


Neste artigo, busco investigar relações entre o cinema brasileiro independente e a educação na atualidade. O objetivo é pensar em possibilidades para uma formação singular, aqui materializada na ideia de experiência estética, a partir de sessões alternativas de filmes nacionais. Para isso, invoco o conceito de cultura como encontro (DELEUZE, 1997), considerando a produção de sentido a partir da fruição de obras cinematográficas. Pensando em circuitos paralelos, que oferecem repertório fílmico diversificado e permitem encontros mais potentes, invisto em uma breve análise de salas universitárias de cinema. Daí advém matéria para uma experiência singular com a personagem Clara do filme brasileiro Aquarius (Kleber Mendonça Filho, 2016), e os desdobramentos provocados por esse encontro.

Palavras-chave


Cinema brasileiro e educação; Sala universitária de cinema; Filosofias da diferença

Texto completo:

PDF

Referências


COMOLLI, Jean-Louis. Ver e Poder. A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

CORAZZA, Sandra Mara. O que se transcria em educação? Porto Alegre: UFRGS; Doisa, 2013.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução de Peter PálPelbart. São Paulo: Ed. 34, 1992.

________. A imagem-tempo. Tradução de Eloisa de Araujo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2005.

________. Diferença e repetição. São Paulo: Graal, 2009.

________. Dois regimes de loucos. Textos e entrevistas (1975-1995). São Paulo: Editora 34, 2016.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. L’ Abécédaire de Gilles Deleuze. Entrevista com Gilles Deleuze. Editoração: Brasil, Ministério de Educação, “TV Escola”, 2001. Paris: Editions Montparnasse, 1997. 1 videocassete, VHS, son., color.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Ed. 34, 1995.

________. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2010.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel. A ética do Cuidado de si como prática da Liberdade. (entrevista com H. Becker, R. Fornet-Betancourt, A. Gomez-Muller, em 20 de janeiro de 1984), Concordia. Revista Internacional de filosofia, n. 6, julho-dezembro de 1984, p. 99-116.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 1992.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

MIGLIORIN, Cezar. Inevitavelmente cinema: educação, política e mafuá. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2015.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

SILVA, João Guilherme Barone Reis. Exibição, crise de público e outras questões do cinema brasileiro. In: Revista Sessões do Imaginário. Porto Alegre, n. 20, 2008.

________. Assimetrias, dilemas e axiomas do cinema brasileiro nos anos 2000. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia v. 18, n. 3. Porto Alegre: 2011.

XAVIER, Ismail. Alegorias do subdesenvolvimento. São Paulo: Brasiliense, 1993.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v26i2.6839

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ