Mulheres e docência na ebtt : espaço para homens?

Eliane Quincozes Porto, Vantoir Roberto Brancher

Resumo


Este artigo discute a pesquisa realizada na Educação Básica Técnica e Tecnológica de um Instituto Federal, a partir do Mestrado Acadêmico em Educação Profissional e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Maria. Buscamos perceber como foram constituídos seus trajetos formativos e seus saberes docentes nos Cursos Técnicos, as possíveis implicações do ser mulher na construção profissional e significações de docência. Nossa escolha metodológica foi a pesquisa qualitativa com narrativas orais de vida, sob as lentes do Imaginário Social. Os dados foram produzidos com entrevistas individuais e a análise dos mesmos organizou-se com a Análise de Conteúdo Categorial Temática. A pesquisa apontou significações instituídas no contexto sócio-histórico, bem como relações de poder que aparecem imbricadas nesses espaços de formação e de trabalho.

Palavras-chave


Trajetos formativos; Docência e Gênero; Imaginário Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L. G. C. Docência como profissão no Ensino Superior e os saberes científicos e pedagógicos. Revista Univille Educação e Cultura, Santa Catarina, v. 7, n. 1, jun. 2003.

BALDIN, N.; MUNHOZ, E. M. B. Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4398_2342.pdf. Acesso em: 15 jun. 2017.

CASTORIADIS, Cornelius. A Instituição Imaginária da Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto. Vol. 1. São Paulo: Paz e Terrra, 1987.

CASTORIADIS, Cornelius. Uma sociedade à deriva: entrevistas e debates, 1974 - 1997. São Paulo: Ideias e Letras, 2006.

CLANDININ, D. Jean.; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Uberlândia: UDUFU, 2015.

CUNHA, Maria Isabel. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 23, n. 1-2, jan. /dez. 1997.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Abordagem metodológica na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, 523-740, set./dez. 2012.

DEWEY, John. Experiência e educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1991.

JOSSO, Marie Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

MEIHY, José Carlos Sabe Bom. Guia prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto, 2011.

MEYER, Dagmar. E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, G. L. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MOURA, Dante Henrique. Educação Básica e Educação profissional e Tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Holos, Rio Grande do Norte, Ano 23, v. 2, 2007. p. 4 - 30.

NÓVOA, António Sampaio. A Formação Contínua Entre a Pessoa-Professor e a Organização- Escola. Inovação: Revista do Instituto de Inovação Educacional, Lisboa, v. 4, n.1, 1991.

NÓVOA, António Sampaio. Professores imagens do futuro presente. Lisboa: EDUCA - Instituto de Educação/Universidade de Lisboa, 2009.

OLIVEIRA, Valeska Fortes de. Narrativas e saberes docentes. Ijuí: UNIJUÍ, 2006.

PERROT, Michelle. Mulheres públicas. São Paulo: UNESP, 1998.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i3.8308

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ