PADRÕES DE BELEZA, FEMINILIDADE E CONJUGALIDADE EM PRINCESAS DA DISNEY: UMA ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS

Autores

  • Ana Claudia Bortolozzi Maia Universidade Estadual Paulista JUlio de Mesquita Filho- UNESP https://orcid.org/0000-0003-4796-5451
  • Ana Beatriz Venturin Graduanda em psicologia. Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP. Bauru, São Paulo, Brasil.
  • Bianca Longhitano Graduanda em psicologia. Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP. Bauru, São Paulo, Brasil.
  • Márcia Gabriela Ribeiro Leite
  • Nathalia Macedo Gravalos

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8iEspeciam.9812

Resumo

Os contos de fadas, ao longo dos tempos, influenciam sobre os padrões sociais na infância. Esta pesquisa qualitativa documental, analisou a figura da mulher em princesas de três filmes infantis da Disney:  “Branca de Neve e os Sete Anões” (1937), “Mulan” (1998) e “Moana” (2017). A partir de uma análise de contingências de três termos, foram identificados três conjuntos de padrões: (1) beleza/estética, (2) feminilidade e (3) conjugalidade nas personagens femininas principais dos filmes. Os resultados mostram a mudança dos modelos, com a temporalidade: na década de 40, uma mulher submissa, cuja felicidade depende de um casamento com um príncipe; nos anos 90, uma mulher que questiona e luta para ser diferente e, atualmente, uma princesa sem um parceiro romântico. Conclui-se que as mudanças observadas nos filmes quanto aos padrões estéticos, femininos e conjugais indicam uma tendência importante no caminho da equidade de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Claudia Bortolozzi Maia, Universidade Estadual Paulista JUlio de Mesquita Filho- UNESP

Psicóloga. Doutora Educação. Livre Docente em Educação Sexual, Inclusão e Desenvolvimento Humano. Departmento de Psicologia. Atua na Pós-Graduação em Educação.

Márcia Gabriela Ribeiro Leite

Psicóloga. Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP, Bauru, São Paulo, Brasil

Nathalia Macedo Gravalos

Psicóloga. Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP, Bauru, São Paulo, Brasil

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. O feminino e o masculino nos contos de Perrault, uma questão a rever. In: 12º COLE - CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 1998, Campinas, SP. Anais... Campinas: Unicamp/FE;ALB, 1998. p. 9-14. Disponível em: <http://alb.org.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais12/12COLE_1CHLLB.pdf>. Acesso em: 03 de jan. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo (Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro). Lisboa: Edições 70, 2011.

CAMPOS, Luís Fernando. Métodos e Técnicas de pesquisa em Psicologia. Campinas, SP: Editora Alínea, 2000.

CHRISTOFOLETTI, Camila Fontanetti. Análise comparativa de duas versões do conto de Cinderela: a de Charles Perrault e a dos Irmãos Grimm. 2011. 78f. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura - Pedagogia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, Rio Claro, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/118674>. Acesso em: 03 de jan. 2020.

COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil. 5ª Edição. São Paulo: Amarilys Editora, 2010. 320 p.

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor: estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. (Gênero Plural).

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

MAIA, Ana Cláudia Bortolozzi. Inclusão e sexualidade na voz de pessoas com deficiência física. Curitiba: Juruá, 2011.

MARROQUIM, Angela María Rodríguez. Érase una vez muchas cenicientas: cómo leer el modelo femenino del siglo xx desde las películas norteamericanas de la Cenicienta. Memoria y sociedade, Bogotá (Colombia), v. 16, n. 33, p. 84-98, jul./dez., 2012.

MARTINS, Maria Cristina. “E a Bela dançou...”: subvertendo o belo feminino dos contos de fadas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n 1, p. 351-363, jan./abr., 2016.

MICHELLI, Regina Silva. Embates e enlaces do feminino em contos de Grimm. Darandina Revista eletrônica, v. 2, n. 1, p. 1-13, 2009. Disponível em: <http://www.ufjf.br/darandina/files/2010/01/Regina-Silva-Michelli.pdf>. Acesso em 03 de jan. 2020.

MOREIRA, Alberto da Silva. Cultura Midiática e Educação Infantil. Educ. Soc., Campinas, v. 24, n. 85, p. 1203-1235, dez., 2003.

OLIVEIRA, Mayara Monteiro Ezedin. Contos de Fadas e o Desenvolvimento da Imaginação. 2018. 43f. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Escola de Educação, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <http://www2.unirio.br/unirio/cchs/educacao/graduacao/pedagogia-presencial/MAYARAMONTEIROEZEDINDEOLIVEIRA.pdf>. Acesso em 03 de jan. 2020.

OLIVEIRA-SILVA, Milena. Corpo, Cultura e Obesidade: desenvolvimento de posicionamentos dinâmicos de si em mulheres submetidas à gastroplastia. 2017. 212f. Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil, 2017.

PARKER, Richard G. Corpos, prazeres e paixões: a cultura sexual no Brasil contemporâneo. São Paulo: Best-Seller/Abril Cultural, 1991.

PINHEIRO, Marta Passos; GOMES, Sabrina Ramos. Os “novos” contos de fadas: tradição e inovação em a Bela e a Adormecida, de Gaiman e Riddell. Ilha do Desterro, Florianópolis, v. 71, n. 2, p. 35-56, maio/ago, 2018.

SOUZA, Deisy das G. O que é contingência. In: BANACO, Roberto Alves. (Org.). Comportamento e cognição. Santo André, SP: Arbytes, 1997, v. 01, p. 82-87

SILVA, Ângela Gabriela Guedes da. Imagem corporal, conjugalidade e sexualidade: estudo comparativo entre mulheres com sobrepeso/obesas e não obesas. 2012. 136f. Dissertação (Mestrado). Universidade do Algarve, Algarve, Portugal. Disponível em: <https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/5767>. Acesso em 03 de jan. 2020.

XAVIER FILHA, Constantina. Era uma vez uma princesa e um príncipe: representações de gênero nas narrativas de crianças. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, maio/ago., p. 591-603, 2011.

WOLF, Naomi. O mito da beleza como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres (Tradução de Waldéa Barcellos). Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Downloads

Publicado

2020-03-08

Como Citar

Maia, A. . C. B., Venturin, A. B., Longhitano, B., Ribeiro Leite, M. G., & Macedo Gravalos, N. (2020). PADRÕES DE BELEZA, FEMINILIDADE E CONJUGALIDADE EM PRINCESAS DA DISNEY: UMA ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS. Diversidade E Educação, 8(Especiam), 123–142. https://doi.org/10.14295/de.v8iEspeciam.9812