“Ave Maria, chegou a macumbeira!”: tensões no ensino da história e cultura afro-brasileira na escola.

Roniel Santos Figueiredo, Marcos Lopes de Souza

Resumo


As discussões sobre história e cultura africana e afro-brasileira entraram no currículo escolar de maneira mais enfática após a lei 10639/2003. Contudo, tendo em vista o contexto histórico eurocêntrico que faz parte da constituição simbólica das escolas brasileiras, os agentes que se arriscam a dialogar sobre essas questões podem ser desaprovados. Portanto, esse trabalho apresenta e discute o processo de estigmatização vivenciado por Santos, uma professora, mulher negra e umbandista ao discutir história e cultura afro-brasileira na educação básica por meio do resgate dos aspectos culturais e de luta do povo negro. Nesse sentido, é perceptível que os discentes utilizam da religiosidade da professora para colocar em xeque a sua docência, gerando conflitos e abjeções.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. N. R; GOMES, N. L. Contribuições da lei 10.639/03 no autorreconhecimento quilombola: estudo de caso na comunidade de Barro Preto (MG). In: OLIVEIRA, J. M. de (org). Interfaces das africanidades em educação nas Minas Gerais. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013, p. 121-138.

BRANDÃO, C. R. Identidade e Etnia. Editora Brasiliense, 1986.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Ético-Raciais e para o Ensino de Historia e cultura Afro-brasileira. Brasília: MEC, 2003.

BUTLER, J. Críticamente subversiva. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida. Sexualidades transgressoras. Una antología de estudios queer. Barcelona: Icária editorial, 2002.

DUQUE, T. Religiosidades e Educação Pública. In: MISKOLCI, R. JÚNIOR, J. L. (org.) Diferenças na Educação: outros aprendizados. São Carlos: EdUFSCar, 2014, 253 p.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 8ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989, pp. 179/191.

LOURO, G. L. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed., 3ª reimpressão, Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 35 – 82.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 2.ed.Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

MOTOMURA, M. Por que tem tanto “Silva” no Brasil?. Disponível em: http://mundoestranho.abril.com.br/cultura/por-que-tem-tanto-silva-no-brasil/. Acesso em 07 de dezembro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/de.v6i1.8254

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


E-ISSN: 2358-8853

Indexadores
  

PROPESQ

PROPESQ

PROPESQ PROPESQ PROPESQ