PERFORMATIZAÇÕES DA LINGUAGEM PARA QUEER(CUIR)IZAR AS MASCULINIDADES NO VOLEIBOL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v11i2.16141

Resumo

Este artigo busca discutir enunciações subversivas proferidas por jovens atletas de voleibol, que se identificavam como homens cisgêneros homossexuais e bissexuais, e os seus efeitos performativos no contexto esportivo pesquisado. Como referencial teórico mobilizei os estudos queer/cuir em textos de Judith Butler, Paul Preciado, Eve Sedgwick, entre outros, além do pensamento da desconstrução de Jacques Derrida. Os caminhos metodológicos também foram conduzidos pela perspectiva queer/cuir, por meio de observações participantes, conversas informais e entrevista narrativa. Entre os resultados, as enunciações performatizadas pelos jovens atletas desestabilizaram a identificação unívoca da masculinidade normalizadora naquele espaço, visibilizando, ainda que dentro de um contexto restrito, possibilidades alternativas de performatizações das masculinidades em um contexto esportivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Teofilo de Brito, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Downloads

Publicado

2024-01-26

Como Citar

Brito, L. T. de. (2024). PERFORMATIZAÇÕES DA LINGUAGEM PARA QUEER(CUIR)IZAR AS MASCULINIDADES NO VOLEIBOL. Diversidade E Educação, 11(2), 412–434. https://doi.org/10.14295/de.v11i2.16141

Edição

Seção

Dossiê: Diversidade, gênero e sexualidade nas práticas corporais e esportivas