FORMAÇÃO DE MASCULINIDADES: ANÁLISE DAS RELAÇÕES PRESENTES EM UMA TURMA DE ESCOLA PÚBLICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11426

Resumo

No percurso escolar, o ser aluno se dá de forma diferente para meninos e meninas. Ser um bom aluno e se constituir como o menino esperado socialmente, pode ser muito improvável. Buscou-se analisar a formação de masculinidades no cotidiano de uma escola pública, Porto Alegre, RS, e seus efeitos na constituição identitária dos meninos. Considerando o caráter discreto da pedagogia da sexualidade, realizou-se uma pesquisa qualitativa com estudantes de uma turma de nono ano, objetivando contribuir aos estudos sobre formação de masculinidades. Os dados obtidos através de observação participante das relações escolares, e de entrevistas com professoras da turma observada, foram organizados em uma narrativa empírica, discutida e analisada sob pressupostos da análise de conteúdo. Teorizam-se algumas violências constituintes do ‘virar homem’ na escola e suas implicações na identidade, comportamento e saúde dos meninos.

PALAVRAS-CHAVE: Masculinidades. Escola pública. Identidade. Relações de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carol Corso von Eye, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora de Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especialização em Ecologia Urbana (em realização), UNINTER – Porto Alegre, RS, Brasil.

Heloísa Junqueira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação em Ciências, UFRGS; Professora Adjunta da Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ALVAREZ URÍA, Fernando; VARELA, Julia. Sociología de las instituciones: bases sociales y culturales de la conducta. Madrid: Editorial Morata, 2009. 237 p.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo/SP: Edições 70, 2011, 229 p.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Tradução: Maria Helena Kühner. 11. ed. Rio de Janeiro/RJ: Bertrand Brasil, 2012. 160 p.

BRASIL. Instituto Brasileira de Geografia e Estatística - IBGE. Síntese de indicadores sociais, 2002. Síntese de indicadores sociais confirma as desigualdades da sociedade brasileira. Rio de Janeiro, jun. de 2003. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv1882.pdf. Acesso em: 30 mai. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. Síntese e análise de dados do Censo da Educação Superior. Brasília, mar. 2009. Disponível em: http://inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/mulheres-estao-em-maior-numero-na-educacao-superior/21206. Acesso em: 30 mai. 2020.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como não-ser como fundante do ser. 2005. 339 p. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, 2005.

CARRIGAN, Tim; CONNELL, Bob; LEE, John. Toward a new sociology of masculinity. Theory and Society, v.14, n.5, p. 551-604, set. 1985. https://doi.org/10.1007/BF00160017

CARVALHO, Marília Pinto de. Quem são os meninos que fracassam na escola? Cadernos de Pesquisa, São Paulo/SP, v. 34, n.121, p.11-40. jan./abr. 2004.

CARVALHO, Marília Pinto de. Sucesso e fracasso escolar: uma questão de gênero. Educação e Pesquisa, São Paulo/SP, v.29, n.1, p.185-193, jan./jun. 2003.

COMIOTTO, Andressa Barbosa; GUIZZO, Bianca Salazar; Gênero E Sexualidade No Pne (2001-2010): Uma Articulação Possível com a Prática Docente? Revista De Iniciação Científica da Ulbra, Canoas/RS, n. 14, p.122-131, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/ic/article/view/1987/1970 Acesso em 30 mai. 2020

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: Uma perspectiva global. 3 ed. Tradução: Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos, 2015. 290 p.

CONNELL, Robert; MESSERSCHIMDT, James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis/SC, v.21, n.1, p. 241-282. jan./abr. 2013.

CONNELL, Robert. Políticas da masculinidade. Educação & realidade, Porto Alegre/RS, v.20, n.2, p.185-206. jul./dez. 1995.

DATAFOLHA. Mulheres: Violência e Feminismo. Instituto de Pesquisa Datafolha, Opinião Pública, dossiês. São Paulo, abr. de 2019. Disponível em: https://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2019/04/1987743-38-das-mulheres-brasileiras-se-consideram-feministas.shtml. Acesso em: 27 de maio de 2020.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Estudos culturais: uma perspectiva histórica. In: ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Cartografias dos estudos culturais. Belo Horizonte/MG: Autêntica, 2010. p. 27-64. Coleção Estudos Culturais, 8. Disponível em: https://www.academia.edu/8360626/Cartografias_dos_estudos_culturais_uma_vers%C3%A3o_latino-americana. Acesso em: 10 jun.2020.

FELIPE, Jane. Infância, gênero e sexualidade. Educação & Realidade, Porto Alegre/RS v.25, n.1, p.115-131. jan./jun. 2000.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Raquel Ramalhete. 20 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1999. 288 p.

GODOY, Arilda Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo/SP, v.35, n.2, p.57-63, mar./abr. 1995.

GUIZZO, Bianca Salazar; RIPOLL, Daniela. Gênero e sexualidade na educação básica e na formação de professores: limites e possibilidades. HOLOS, Natal/RN, v. 6, p.472-483, dez. 2015. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2945 Acesso em: 21 abr. 2020.

GUNDERLOY, Mike. Acronyms, Initialisms & Abbreviations Dictionary. Volume 1, Part 1. EUA: Gale Research Co, 1989. p.32–36.

HACKER, Helen Mayer. The New Burdens of Masculinity. Marriage and Family Living, v.19, n.3, p.227-233. ago. 1957

HALL, Stuart. A identidade na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11 ed. Rio de Janeiro/RJ: DP&A, 2006. p. 102.

LOURO, Guacira Lopes. A construção escolar das diferenças. In: LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 7. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1997, p. 57-87.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade: o normal, o diferente e o excêntrico. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 9 ed. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 2013, p. 43-53.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 ed. Belo Horizonte/MG: Autêntica, 2000, p. 07-34.

LOURO, Guacira Lopes. Segredos e Mentiras do Currículo: sexualidade e gênero nas práticas escolares. In: SILVA, Luiz Heron da (org.). A Escola Cidadã no Contexto da Globalização. Petrópolis/RJ: Vozes, 1998, p.33-47.

LYRA, Jorge; MEDRADO, Benedito. Gênero e paternidade nas pesquisas demográficas: o viés científico. Revista Estudos Feministas, Florianópolis/SC, v.8, n.1, p.145-158, 2000.

MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann; KLEIN, Carin; ANDRADE, Sandra dos Santos. Sexualidade, prazeres e vulnerabilidade: implicações educativas. Educação em Revista, Belo Horizonte/MG, n. 46, p. 219-239, dez. 2007.

MEYER, Dagmar Estermann; SOARES, Rosângela de F. Rodrigues. Corpo, Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares: um início de reflexão. In:

MEYER, Dagmar Estermann; SOARES, Rosângela de F. Rodrigues (orgs.). Corpo, Gênero e Sexualidade. Porto Alegre/RS: Mediação, 2004, p. 05-16.

MINAYO, Maria C. S. (org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2002. 80 p.

MOREIRA, Marco Antônio. Metodologias de pesquisa em ensino. 1 ed. São Paulo/SP: Livraria da Física, 2011. 242 p.

NASCIMENTO, Marcos. Essa história de ser homem: reflexões afetivo-políticas sobre masculinidades. In: CAETANO, Marcio; SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço da (orgs.). De guri a cabra macho: masculinidades no Brasil. Rio de Janeiro/RJ: Lamparina, 2018. Cap 1. p. 16-27.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo/SP, v.24, n.1, p.77-98, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/his/v24n1/a04v24n1.pdf Acesso em: 30 mai. 2020.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? 1 ed. Belo Horizonte/MG: Letramento Editora e Livraria LTDA, 2017. 96 p.

ROSENTHAL, Robert; JACOBSON, Lenore. Pygmalion in the classroom. The urban review, Nova Iorque, v. 3, n. 1, p.16-20, set. 1968.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, São Paulo/SP, v.2, n.2, p.46-71, mai./ago. 1998.

SEFFNER, Fernando. A virilidade vaza, o poder masculino oscila, os homens se inquietam: é crise, é hora de mudar a vida. Caderno Globo 12, Rio de Janeiro: Globo comunicação e participações S.A., p. 54-60, jun. 2017.

SEFFNER, Fernando; DA SILVA, Luciano Ferreira. Canetas coloridas ou mini-skates? coisas de meninas e coisas de meninos na cultura escolar. Métis: história & cultura, Caxias do Sul/RS, v. 13, n. 26, p. 31-60, jul./dez. 2014.

SEFFNER, Fernando; DA SILVA, Luciano Ferreira. “Mind the trap”: o menino, a escola e a folha de alface. Revista Educação, Porto Alegre/RS, v. 39, n. 3, p.393-403, dez. 2016.

SILVA, Cármen A. Duarte; BARROS, Fernando; HALPERN, Sílvia C; SILVA, Luciana A. Duarte da; Meninas bem-comportadas, boas alunas; meninos inteligentes, indisciplinados. Cadernos de Pesquisa, São Paulo/SP, v.29, n.107, p. 207-225, jul. 1999.

SILVA, Natanael de Freitas. Historicizando as masculinidades: considerações e apontamentos à luz de Richard Miskolci e Albuquerque Júnior. História, histórias, Brasília/DF, v. 3, n. 5, p. 7-22, dez. 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O adeus às metanarrativas educacionais. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis/RJ: Vozes, 1994, p. 247-258.

SKELTON, Christine. Schooling the boys. Buckingham: Open University Press, 2001. 224 p.

STREY, Marlene Neves. Apresentação. In: STREY, Marlene Neves; MÜHLEN, Bruna Krinberg Von; KOHN, Kelly Cristina (orgs.). Caminhos de homens: Gênero e movimentos. Porto Alegre/RS: EDIPUCRS, 2015, p.07-17.

STREY, Marlene Neves. Violência e gênero: um casamento que tem tudo para dar certo. In: GROSSI, Patrícia Krieger (org.). Violências e gênero: coisas que a gente não gostaria de saber. Porto Alegre/RS: EDIPUCRS, 2001. p. 47-69.

WILLIS, Susan. Cotidiano: para começo de conversa. Tradução: Elena Elizabeth Riederer e Guiomar Gimênez Boscov. Rio de Janeiro: Graal, 1997. 230 p

Downloads

Publicado

2020-08-16

Como Citar

Corso von Eye, C., & Junqueira, H. (2020). FORMAÇÃO DE MASCULINIDADES: ANÁLISE DAS RELAÇÕES PRESENTES EM UMA TURMA DE ESCOLA PÚBLICA. Diversidade E Educação, 8(1), 311–338. https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11426

Edição

Seção

Dossiê: Gênero, sexualidade e trabalho docente