Oceanografia socioambiental: O que queremos com isso?

Autores

  • Caio Floriano dos Santos Observatório dos Conflitos do Extremo Sul do Brasil http://orcid.org/0000-0003-0229-4869
  • Mariana Santos Lobato Martins Universidade de São Paulo (USP)
  • Marcela de Avellar Mascarello Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.9462

Palavras-chave:

decolonialidade, justiça ambiental, conflito ambiental, epistemologias do sul

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o que queremos com a Oceanografia Socioambiental. A ideia não é dar uma resposta pronta, mas buscar iniciar uma reflexão que possa culminar, no futuro, em uma construção coletiva. Para tanto, entendemos como necessário refletir sobre o papel da ciência na conformação da realidade do mundo atual. E, nesse sentido, refletir sobre a Oceanografia enquanto ciência e a necessidade de pensar a sua decolonização para caminhar no sentido pós-abissal orientado desde o sul global. Para isso, entendemos que os conceitos de conflito ambiental, justiça ambiental e educação ambiental para a justiça ambiental podem servir como princípios suleadores para este campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Floriano dos Santos, Observatório dos Conflitos do Extremo Sul do Brasil

Oceanógrafo (UNIVALI), licenciado em Geografia (FURG), mestre em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental (UDESC) e doutor em Educação Ambiental (FURG). Pesquisador do Observatório dos Conflitos Urbanos e Socioambientais do Extremo Sul do Brasil (FURG).

Mariana Santos Lobato Martins, Universidade de São Paulo (USP)

Oceanóloga (FURG) e Mestranda em Oceanografia na Universidade de São Paulo (USP). Bolsista CNPq.

Marcela de Avellar Mascarello, Universidade Federal do Rio Grande

Oceanógrafa (Univali) e Discente do curso de Direito (FURG).

Referências

ACSELRAD, Henri. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume- Dumará: Fundação Heinrich Böll. 2004a. p. 13 - 34.

ACSELRAD, Henri. Apresentação: De ―bota foras e ―zonas de sacrifício – um panorama dos conflitos ambientais no Estado do Rio de Janeiro. In: ACSELRAD, H. (Org.). Conflito Social e Meio Ambiente no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004b. p. 07-18.

ACSELRAD, Henri; HERCULANO, Selene, PÁDUA, José Augusto. A justiça ambiental e a dinâmica das lutas socioambientais no Brasil- uma introdução. In: ACSELRAD, Henri; HERCULANO, Selene, PÁDUA, José Augusto. Justiça Ambiental e Cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. p. 9-20.

ACSELRAD, Henri; MELO, Cecilia Campelo; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond. 2009.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental e a formação do sujeito ecológico. 6 ed. São Paulo: Editora Cortez. 2012. 255 p.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Descolonizar la Universidad: La hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago & CROSFOGUEL, Rámon. El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica mas allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombres Editores. 2007.

FREIRE, Paulo, P.; GADOTTI, M.; GUIMARÃES, S. Pedagogia: diálogo e conflito. 3 ed. São Paulo: Cortez, 1989.

GUIMARÃES, Mauro. Educação Ambiental crítica. In: LAYRARGUES, Philippie Pomier (Coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 2004. p. 25 - 34.

KRUG, Luis Carlos. A Expansão do Ensino de Graduação em Oceanografia no Brasil. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental. Rio Grande: FURG. 2018. Disponível em: http://www.oceano.furg.br/sistema/upload_php/news/ensino-de-oceanografiaexpansao.pdf

INQUÉRITO, Renan; SANTOS, Boaventura de Sousa. Linha Abissal. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=AlHnMgu_Hys.

LAGO, Luciana Corrêa. Desenvolvimento “social”: precisamos qualificar o desenvolvimento? In: HENRIQUES, Flávio Cheid; ADDOR, Felipe; MALINA, André; ALVEAR, Celso Alexandre Souza. Tecnologia para o desenvolvimento social: diálogos Nides-UFRJ. Marília: Lutas Anticapital. 2018. p. 157 - 164.

LANDER, Edgardo. ¿Conocimiento para qué? ¿Conocimiento para quién? Reflexiones sobre la universidad y la geopolítica de los saberes hegemónicos. Revista de Estudios Latinoamericanos, n. 12-13. 2000. p. 25-46.

LAYRARGUES, Philippe Pomier; LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Mapeando as

macro-tendências político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. In: Anais VI Encontro em "Educação Ambiental". Ribeirão Preto. 2011. p. 1-15.

LOSEKANN, Cristiana. Para pensar a pesquisa-extensão - Apresentando a Arena Itinerante Grandes Empreendimentos e o Desastre da Samarco realizada com os atingidos pelo desastre. In: LOSEKANN, Cristiana; MAYORGA, Claudia (Orgs.). Desastre na Bacia do Rio Doce: desafios para a universidade e para instituições estatais. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra Imagem. 2018. p. 13-46.

MACHADO, Carlos RS. Base conceitual e teórica das políticas públicas. In: MACHADO, Carlos RS (Org.) A (in)sustentabilidade da qualidade e da democracia na educação e no ensino em Rio Grande e São José do Norte (RS, Brasil). Rio Grande: Editora da FURG, 2013. p. 15-65.

MATAREZI, José; BONILHA, Luiz Eduardo Carvalho. Educação ambiental comunitária e a conservação do litoral brasileiro: a experiência do Laboratório de Educação Ambiental em Áreas Costeiras - Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar - CTTMar / UNIVALI. NOTAS TÉC. FACIMAR,n. 4. 2000. p. 103-120.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Caderno de Letras da UFF. n. 34. 2008. p. 287-324

MOURA, Gustavo Goulart Moreira. Introdução: Avanços em Oceanografia Humana e o socioambientalismo nas ciências do mar. In: MOURA, Gustavo Goulart Moreira Avanços em Oceanografia Humana - O socioambientalismo nas Ciências do Mar. Jundiaí: Paco Editorial. 2017a. p. 7-48.

MOURA, Gustavo Goulart Moreira. Manejo de mundos e gerenciamento costeiro na Amazônia: reflexões a partir de um diálogo entre etnooceanografia e etnodesenvolvimento. In: COSTA, Jodival Mauricio (Org.). Amazônia: olhares sobre o território e a região. Rio de Janeiro: Autografia, 2017b, p. 257-296.

NADER, Laura. Harmonia coerciva: A economia política dos modelos jurídicos. In: RBCS. 1996.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Perú Indíg. v. 13, n. 29:. 1992. p. 11-20. Disponível em: https://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano.pdf .

QUIJANO, Aníbal. Des/colonialidad del poder: el horizonte alternativo. Estudios Latinoamericanos: nueva epoca. vol. 25. 2010. p. 27-30.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso. 2005. p. 117-142. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia.2 e. São Paulo: Ed. 34. 2018. 160 p .

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. 2ed. São Paulo: EXO experimental org; Editora34. 2009. 72 p.

RANCIÈRE, Jacques? Comunistas sem comunismo?, In. BADIOU, Alan [et.al.] Sobre la idea del comunismo. Buenos Aires: Paidós, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes. 2012. 128 p.

Rede Brasileira de Justiça Ambiental. Declaração de Princípios da Rede Brasileira de Justiça Ambiental, 2001.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 3 ed. São Paulo: Cortez Editora. 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 8 ed. São Paulo: Cortez Editora. 2018a.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte: Autêntica editora. 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENDES, José Manuel. Prefácio. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENDES, José Manuel (Orgs.). Demodiversidade: imaginar novas possibilidades democráticas. Belo Horizonte: Autêntica editora. 2018a. p. 9 -15.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENDES, José Manuel. Prefácio. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENDES, José Manuel (Orgs.). Demodiversidade: imaginar novas possibilidades democráticas. Belo Horizonte: Autêntica editora. 2018b. p. 17 -50.

SANTOS, Caio Floriano; MACHADO, Carlos RS. Extremo Sul do Brasil – uma grande "zona de sacrifício" ou "paraíso de poluição". In: MACHADO, Carlos RS; SANTOS, Caio Floriano; ARAÚJO, Claudionor F.; PASSOS, Wagner V. (Orgs). Conflitos ambientais e urbanos: debates, lutas e desafios. Porto Alegre: Evangraf, 2013. p. 181-204.

SANTOS, Caio Floriano; ARAÚJO, Claudionor Ferreira; PASSOS, Wagner Valente; MACHADO, Carlos RS. Conflitos no centro da Educação Ambiental. In: MACHADO, Carlos RS; SANTOS, Caio Floriano; ARAÚJO, Claudionor F.; PASSOS, Wagner V. (Orgs). Conflitos ambientais e urbanos: debates, lutas e desafios. Porto Alegre: Evangraf, 2013. p. 181-204.

SANTOS, Caio Floriano dos, O porto e a desigualdade ambiental em Rio Grande (RS/Brasil): a educação ambiental na gestão "empresarial dos riscos sociais" e "social do território". Tese (Doutorado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2016. 256 p.

SANTOS, Caio Floriano dos. Desenvolvimento e meio ambiente: a construção do município de Rio Grande (RS/Brasil) como uma zona de sacrifício. Revista PerCursos, Florianópolis, v. 19, n.41, 2018b. p. 50 - 78. http://dx.doi.org/10.5965/1984724619412018050

SANTOS, Caio Floriano; GONÇALVES, Leonardo Dorneles; MACHADO, Carlos RS.Educação ambiental para justiça ambiental: dando mais uns passos. In: REMEA. v. 32. n. 1. 2015. p. 189 - 208.

SATO, M; GAUTHIER, Jacques Zanidê; PARIGIPE, Lymbo. Insurgência do grupo-pesquisador na educação ambiental sociopoiética, In: Michele Sato e Isabel carvalho (org.). Educação Ambiental. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 99-118.

SOUZA, Jessé. A elite do Atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya. 2017.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes (trad. Eloisa Araújo Ribeiro). São Paulo: Cosaic Naify. 2015.

STENGERS, Isabelle. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Editora 34, 2002.

THIESEN, Juares da Silva. O que há no “entre” teoria curricular, políticas de currículo e escola? In: Educação. v.35, n.1. 2012. p. 129-136.

TORRES GARCIA, Joaquín. Universalismo Constructivo. Buenos Aires: Poseidón, 1944.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Como Citar

Santos, C. F. dos, Martins, M. S. L., & Mascarello, M. de A. (2019). Oceanografia socioambiental: O que queremos com isso?. Ambiente &Amp; Educação, 24(2), 42–67. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.9462

Edição

Seção

Dossiê “A Educação Ambiental em uma perspectiva da Oceanografia Socioambiental”