“A MULHER MAIS LINDA DO MUNDO POR ACASO ERA UM HOMEM.”: EDUCANDO SOBRE OUTRAS MASCULINIDADES ATRAVÉS DOS ARTEFATOS CULTURAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9633

Resumo

O presente artigo tem como objetivo problematizar aquilo que aprendemos a ver como o “homem de verdade” e a potência pedagógica, social, estética e política dos artefatos culturais como, por exemplo, filmes, séries, novelas, documentários, etc. Para tal serão analisadas diferentes passagens do documentário I am Divine, que conta a história de Harris Glenn Milstead – intérprete da drag queen Divine, famosa por suas músicas e filmes do cinema underground estadunidense. Através das entrevistas, fotos, registros audiovisuais pessoais e jornalísticos da produção podemos refletir sobre questões como, por exemplo, gênero, sexualidade, sucesso, entre outras. Dessa forma, a obra cinematográfica nos permite descolar de concepções essencialistas e binárias sobre o “ser homem”, entender que há outras opções para além daquilo que está posto como “sucesso” e que artefatos culturais podem fomentar debates, ensinar e fazer repensar sobre modos de ser e estar nas relações sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Rodolfo Lopes da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Especialista em Gênero e Sexualidade pela mesma instituição.

Referências

CONNELL, Raewyn. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade. Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, jul./dez.. 1995. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/1224> Acesso em: 02/11/2019.

________. Masculinities. 2° ed. Berkeley: University of California Press, 2005. 324 p.

ELLSWORTH, Elizabeth. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 07-76.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 151-162, jan./jun. 2002.

________. Quando os Meninos de Cidade de Deus nos olham. Educação & Realidade, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 33, n.1, p. 193-208, jan./jun. 2008.

FOUCAULT, Michel. Sobre a genealogia da ética: uma visão do trabalho em andamento. In: FOUCAULT, Michel. O dossier/ últimas entrevistas. Org. de Carlos Henrique Escobar. Rio de Janeiro: Taurus, 1984. p. 41-70.

________. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis/RJ: Vozes, 1999.

FRANÇA, Isadora Lins. Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade, consumo e subjetividades na cidade de São Paulo. 2010. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Área de Estudos de Gênero, IFCH/Unicamp, 2010.

JANUÁRIO, Soraya Barreto. Masculinidades em (RE)construção: gênero, corpo e publicidade. Covilhã, Ed. LabCom.IFP, 2016. 408 p.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. 179 p.

________. Conhecer, pesquisar, escrever... In: V Anped Sul, 2004a. Disponível em: <http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2004/Painel/Painel/12_11_02_CON HECER,_PESQUISAR,_ESCREVER.pdf> Acesso em: 01/11/2019.

________. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004b. 90 p.

________. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições (Unicamp). Campinas, SP, v. 19, n. 2, p. 17-23, 2008.

NOLASCO, Sócrates. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro, RJ: Rocco, 1993. 187 p.

SABAT, Ruth. Pedagogia cultural, gênero e sexualidade. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, SC, v. 09, n. 01, p. 09-21, 2001.

SEFFNER, Fernando; NUNES, Cláudio. O corpo a ser estudado, a pedagoga e a classe de alunos: encenando reiterações da masculinidade heterossexual. In: CAETANO, Marcio; SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço da. (Orgs.). De guri a cabra-macho. Rio de Janeiro: Lamparina, 2018. P. 65-85.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Gênero, masculinidade e poder: revendo um caso do sul de Portugal. Anuário Antropológico, v. 95, pp. 161-190, 1996.

VEIGA-NETO, Alfredo. Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da Modernidade. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). A escola tem futuro? Rio de Janeiro: Lamparina, 2003. p. 97 - 118.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Lopes da Silva, J. R. (2020). “A MULHER MAIS LINDA DO MUNDO POR ACASO ERA UM HOMEM.”: EDUCANDO SOBRE OUTRAS MASCULINIDADES ATRAVÉS DOS ARTEFATOS CULTURAIS. Diversidade E Educação, 7(2), 341–356. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9633

Edição

Seção

Espaços Educativos