A INTERSECCIONALIDADE DE RAÇA E GÊNERO NO ACESSO AO MERCADO DE TRABALHO: UMA BREVE ANÁLISE DOS DADOS DO IBGE ANO BASE 2016.

Elaine Cristina do Nascimento

Resumo


A intersecção de raça, gênero e classe social condicionam estruturalmente determinados grupos, em especial as mulheres negras, a produção e reprodução de desigualdades sociais no Brasil. Essa segregação se revela de diferentes formas nas relações sociais, culturais e políticas no país. Esse estudo tem por finalidade possibilitar uma reflexão sobre a interseccionalidade de raça e gênero a partir dos dados secundários coletados sobre o mercado de trabalho no Brasil a partir dos dados do IBGE. Trata-se de um estudo exploratório e introdutório sobre um fenômeno histórico, mas que carece de reflexões constantes pelas invisibilidades que alguns grupos estão submetidos. Os resultados apontam que a mulher negra ocupa mais posições de emprego não formal, com menor exigência de qualificação e má remuneração. 


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO L. Desigualdades de gênero e raça no mercado de trabalho brasileiro. Cienc Cult. 2006.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

BORGES, Rovênia Amorim. A interseccionalidade de gênero, raça e classe no Programa Ciência sem Fronteiras: um estudo sobre estudantes brasileiros com destino aos EUA. (Dissertaçao de mestrado). Programa de Pós-Graduaçao em Educação da Universidade de Brasília (UnB), 2016.

BUTLER, Judith. Gender trouble. Continental feminism reader, p. 29-56, 2003.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003.

COLLINS, Patricia H. (2000). Gender, black feminism, and black political economy. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 568(1), 41-53.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, vol.10, n.1, p.171-188. 2002.

COSTA, Bernardino Joaze. Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil. Revista Sociedade e Estado - Volume 30 Número 1 Janeiro/Abril 2015.

DAVIS, Angela. (2016). Mulheres, raça e classe. Boitempo Editorial.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, v. 2, n. 1, p. 223-244, 1984.

HENNING, Carlos Eduardo. Interseccionalidade e pensamento feminista: As contribuições históricas e os debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença. 2015. Mediações, Londrina. V.20 N.2, P.97-128, jul./Dez. 2015.

LIMA, M. et. al. Articulando gênero e raça: a participação das mulheres negras no mercado de trabalho (1995-2009). In: Marcondes, M.M; et. al. (Org.). Dossiê das mulheres negras: Retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: IPEA, 2013, p.53-80. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2019.

LIMA, Márcia. "Trajetória educacional e realização sócio-econômica das mulheres negras brasileiras". Revista Estudos Feministas. IFCS/UFRJ, vol. 3, n. 2, 1995.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MADEIRA, Zelma e GOMES, Daiane Daine de Oliveira. Persistentes desigualdades raciais e resistências negras no Brasil contemporâneo. Serv. Soc. Soc. [online]. 2018, n.133, pp.463-479. ISSN 0101-6628. http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.154.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estatística Geral e Aplicada, editora Atlas, 2ª edição, 2002, p.157 – 200, São Paulo.

NETO, Pedro Luiz de O. Costa. Estatística; 2ª edição, editora Edgard Blücher, 2002; p. 1 – 54; São Paulo/SP.

PISCITELLI, Adriana. (2008). Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e cultura, 11(2), 263-274.

PONS, Claudia. Outras Falas: Feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. 2012. 2012. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Gênero, Mulher e Feminismo–UFBA). Mimeo, Salvador.

VIECELI, Cristina Pereira. Economia e relações de gênero e raça: uma abordagem sobre o emprego doméstico no Brasil. Dissertação (Mestrado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 2015.

TABELA 1: Ocupação por cargos. Rio de Janeiro: IBGE, [2019]. Disponível em: .Acesso em: 10/mai/2019.

TABELA 2: Ocupação por cargos. Rio de Janeiro: IBGE, [2019]. Disponível em: .Acesso 10/em:mai/2019

TABELA 3: Renda. Rio de Janeiro: IBGE, [2016]. Disponível em: .Acesso em:10/mai/2019.




DOI: https://doi.org/10.14295/de.v7iEspecial.9493

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


E-ISSN: 2358-8853

Indexadores
  

PROPESQ

PROPESQ

PROPESQ PROPESQ PROPESQ