O tempo de exceção do riso no reisado: a cartografia da performance de brincantes transviados e o terreiro do mestre como espaço educativo

Autores

  • Ribamar José de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) https://orcid.org/0000-0002-5607-2818
  • Lore Fortes Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v6i2.8378

Resumo

A partir do pensamento de Albuquerque Junior (2013) sobre a comemoração como a experiência de um tempo fronteiriço e diante das reflexões de Barroso (2018) sobre o riso do brincante nas cenas de Reisado nordestino, o trabalho propõe realizar uma cartografia da performance de pessoas LGBTT+ nos grupos de Reisado do Congo em Juazeiro do Norte, interior do Ceará, para pensar a construção do território existencial no plano cartográfico (ALVAREZ; PASSOS; 2009) como espaço educativo na tessitura da cultura popular na região do Cariri cearense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ribamar José de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Mestrando do Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é especialista em Língua Portuguesa e Literatura pela Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN) e graduado em Jornalismo pela Universidade Federal do Cariri (UFCA). Foi proponente do Projeto de Cultura Sertão Transviado: Outros Cariris apoiado pelas Pró-Reitoras de Cultura (PROCULT) e de Extensão (PROEX) e pesquisador do Núcleo de Estudos Comparados em Corporeidade, Alteridade, Ancestralidade, Gênero e Gerações (NEGACE). Anteriormente, foi proponente do projeto Ânus Livres - Mídias Radicais e Histórias Marginais e bolsista no âmbito de Coordenadoria de Políticas Culturais na Pró-Reitoria de Cultura (PROCULT), tem experiência como editor-adjunto da Revista Charm, jornalista do Jornal Classificados da Hora e repórter na Cariri Revista. Autor do livro O Amor é uma Cãibra, publicado pela Editora Multifoco.

Lore Fortes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Paraná (1971), mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1981), doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília (2000) e Pós-Doutorado no CSIC-Espanha. Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, atuando principalmente nos seguintes temas: análise socioantropológica, sociologia da saúde, turismo, representação social e sociologia. Atualmente coordena o Grupo de Pesquisa do CNPq ?Saúde, Gênero, Trabalho e Meio Ambiente?, colabora com o Grupo de Pesquisa ?Discurso do Sujeito Coletivo? (USP). Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, Sociologia, Avaliação Institucional e Turismo, atuando principalmente nos seguintes temas: análise socioantropológica, sociologia da saúde, turismo, representação social e sociologia e gênero.

 

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. Conferência - Ritual de Aurora e de Crepúsculo: a comemoração como a experiência de um tempo fronteiriço e multiplicado ou as antinomias da memória. Rev. Bras. Hist. Vol.33, n. 65, junho, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882013000100016&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 8 de outubro de 2018.

ALVAREZ, Johnny; PASSOS, Eduardo. Cartografar é habitar um território existencial. In: Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, 131-150.

BARROSO, Oswald. Teatro como encantamento: bois e reisados de caretas. Fortaleza: Armazém da Cultura, 2013, 436 p.

_________, Oswald. O riso brincante do Nordeste. Rebento, n. 7, dezembro, 2017. Disponível em: <http://www.periodicos.ia.unesp.br/index.php/rebento/article/view/237/161>. Acessado em: 2 de outubro de 2018.

BARROS, L. P. & Kastrup, V. Cartografar é acompanhar processos. In: Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, 52-76.

BENTO, Berenice. Prefácio, in: PELÚCIO, Larissa. Abjeção e Desejo: Uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: Annablume, 2009, 264 p.

DA ESCÓSSIA, Liliana; TEDESCO, S. In: O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, 92-109.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol.1. São Paulo: Ed. 34, 1995, 94 p.

GUATTARI, Félix. Caosmose. Editora 34, 1992, 208 p.

KASTRUP, Virgínia; BARROS, RB de. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, p. 76-92.

________, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, p. 32-52.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Proposições, v. 19, n. 2, p. 17-23, 2008.

MOMBAÇA, Jota. Rastros de uma Submetodologia Indisciplinada. Revista Concinnitas, v. 1, n. 28, p. 334-354, 2016.

PASSOS, Eduardo; BARROS, RB de. Por uma política da narratividade. In: Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 150-172.

SILVA, Francisca da. Entrevista concedida a Ribamar José de Oliveira Júnior. Juazeiro do Norte, 6 de janeiro de 2018.

Downloads

Publicado

2019-02-07

Como Citar

Oliveira, R. J. de, & Fortes, L. (2019). O tempo de exceção do riso no reisado: a cartografia da performance de brincantes transviados e o terreiro do mestre como espaço educativo. Diversidade E Educação, 6(2), 53–61. https://doi.org/10.14295/de.v6i2.8378

Edição

Seção

Diversidade em Debate