(R) EXISTIR DE UM COLETIVO DE ALUNAS: OS PRIMEIROS PASSOS

Autores

  • André Luiz Bernardo Storino Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro - SEEDUC http://orcid.org/0000-0003-4787-5069
  • Ana Carla Feijole Oliveira Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v5i2.7813

Resumo

RESUMO: Este artigo relata a experiência do surgimento e dos primeiros passos de um coletivo de meninas, Coletivo Girls Power, em uma escola da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. A pesquisa apresenta a experiência de luta para (r) existir às normalizações e normatizações, dentro e fora dos muros da escola, assim como o desenvolvimento de estratégias para lidar com os ataques que sofreram, ao propor outras configurações de organização em um ambiente escolar heteronormativo.

PALAVRAS-CHAVES: Girls Power. Coletivo. Resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luiz Bernardo Storino, Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro - SEEDUC

Mestre em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – FEBF/EURJ

Downloads

Publicado

2018-03-18

Como Citar

Storino, A. L. B., & Oliveira, A. C. F. (2018). (R) EXISTIR DE UM COLETIVO DE ALUNAS: OS PRIMEIROS PASSOS. Diversidade E Educação, 5(2), 82–90. https://doi.org/10.14295/de.v5i2.7813

Edição

Seção

Cotidiano da Escola