EDUCAÇÃO PARA A SEXUALIDADE A PARTIR DA BIOLOGIA:

VAMOS FALAR DE KINSEY?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i1.13052

Resumo

A educação para a sexualidade tem sido in(ex)cluída do currículo da escola brasileira, limitando-se ou ao ensino de Biologia, ou a projetos específicos, permanecendo o desafio da abordagem transversal indicada nas últimas décadas. Historicamente, tem predominado o viés higienista e biologicista, com ênfase na prevenção da gravidez na adolescência e ISTs, fugindo das questões ligadas ao desejo, afeto, prazer, gênero e identidades fora do padrão heronormativo. Ultimamente, o ataque aos estudos e políticas de gênero tem mirado as questões de sexualidade e diversidade sexual. Nesse contexto de disputa cultural em torno das concepções de sexualidade e gênero, este texto aborda a possibilidade de enfocar a educação para a sexualidade a partir da Biologia, enfatizando a diversidade sexual, com base no legado de Alfred Kinsey. O filme Kinsey, que teve pouca repercussão no Brasil, é destacado como possibilidade pedagógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Eulina Pessoa de Carvalho, Universidade Federal da Paraíba

Licenciada em Pedagogia (UFPB), Mestra em Psicologia Educacional (Unicamp). Doutora em Currículo, Ensino e Política Educacional (Michigan State University, USA), pós-doutorado na Universidade de Valencia, Espanha. Professora titular do Departamento de Habilitação Pedagógica, do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação, do Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba, Campus I, João Pessoa. Bolsista de produtividade do CNPq. Membro do NIPAM - Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Ação sobre Mulher e Relações de Sexo e Gênero. 

Edson Leandro de Almeida

Edson Leandro de Almeida é o primeiro autor.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Carvalho, M. E. P. de, & de Almeida, E. L. (2021). EDUCAÇÃO PARA A SEXUALIDADE A PARTIR DA BIOLOGIA:: VAMOS FALAR DE KINSEY?. Diversidade E Educação, 9(1), 93–123. https://doi.org/10.14295/de.v9i1.13052

Edição

Seção

Dossiê “Sexualidades, Currículos e Cinema”