Agroecologia e educação ambiental: ferramentas de análise e a construção de conhecimentos

Autores

  • Fernanda Correa de Moraes
  • Rafael Falcão da Silva
  • Marcos Sorrentino

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.9730

Resumo

RESUMO No campo das pesquisas em educação ambiental e agroecologia, a observação dos fenômenos de estudos complexos e a análise de dados perpassam por diferentes ramos do conhecimento requerendo uma abordagem multidimensional aplicada ao aprimoramento de ferramentas analíticas. O artigo tece reflexões sobre propostas de métodos quali-quantitativos que contribuam no exercício de práticas de ensino, extensão e pesquisa. Desta forma, apresenta as metodologias utilizadas em dois trabalhos acadêmicos, nos quais levou-se em conta, dentre outras ferramentas, a análise de narrativas e a de redes conceituais para contribuir na construção de conhecimento através do diálogo entre diferentes saberes de práticas sociais de transformação do socioambiente. Palavras chaves: Método de pesquisa; Construção de conhecimento; Educação Ambiental ABSTRACT In the environmental education and agroecology research field, the observation of complex phenomena and data analysis permeate different branches of knowledge requiring a multidimensional approach applied to the improvement of analytical tools. The article reflects on proposals of qualitative and quantitative methods that contribute to the practice of teaching, extension and research. Thus, it presents methodologies used in two academic works, which took into account, among other tools, the analysis of narratives and conceptual networks to contribute in the construction of knowledge through the dialogue between different social practices knowledge of social environment transformation. Keywords: Research method; Knowledge building; Environmental education

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, C. P. L.; GARCÍA, L. M. C.; GONZÁLEZ, R. F. L. Estudo da estrutura cognitiva dos alunos dos 9. º (14-15 anos de idade) e 12. º anos (17-18 anos de idade) de escolaridade sobre o conceito de Probabilidade: O contributo das teorias dos Conceitos Nucleares e dos Conceitos threshold. RELIME. Revista latino americana de investigación en matemática educativa, v. 20, n. 1, p. 4, 2017. ISSN 1665-2436. Disponível em: < http://www.scielo.org.mx/pdf/relime/v20n1/2007-6819-relime-20-01-00009.pdf >. Acesso em: 23 de maio de 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradutores: Augusto Pinheiro e Luís Antero Reto. Ed.1. Edições 70. 2011. 280 páginas. ISBN: 978-85-62938-04-7.

CARSON, Rachel. Primavera silenciosa. São Paulo: Melhoramentos, 1962.

COSTA, R. C.; MOREIRA, M. A. Comparação entre a estrutura do conteúdo e a estrutura cognitiva do professor e a do aluno em um curso de Física Geral. Revista Brasileira de Física, v. 10, n. 3, 1980. Disponível em: < http://sbfisica.org.br/bjp/download/v10/v10a43.pdf >. Acesso em: 17/05/2018.

EXCELL (2010). Microsoft Excel 2010. Microsoft © Office 2010 Proofing Tools © 2010 Microsoft Corporation. All rights reserved. 2010.

FEOFILOFF, P; KOHAYAKAWA, Y; WAKABAYASHI, Y. Uma introdução sucinta à teoria dos grafos. s.d. Disponível em: <https://www.ime.usp.br/~pf/teoriadosgrafos/>. Acessado em: fevereiro de 2018.

FIORIN, J. L. Teoria dos signos. In: FIORIN, J. L. O. (Ed.). Introdução à linguística: objetos teóricos. S.L.: s.n., v.1, 2003. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3189923/mod_label/intro/NEGR%C3%83O_EstruturaDaSentenca.pdf>. Acessado em março de 2018.

______. Enunciação (1)-Conceito de enunciação. s.l: TV Cultura Digital 2011.Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=RQzJaFYiqhc>. Acessado em março de 2018.

FLORIANI, Nicolas; FLORIANI, Dimas. Saber Ambiental Complexo: aportes cognitivos ao pensamento agroecológico. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, p. 3-23, 2010

FREIRE, Paulo. Conscientização e Alfabetização – uma Nova Visão do Processo. Estudos Universitários - Revista de Cultura da Universidade de Recife. s.l.: s.n.: 19 p. 1963. Disponível em: <http://forumeja.org.br/df/sites/forumeja.org.br.df/files/est.univ_.pdf>. Acessado em março de 2018.

GEPHY. Gephy graph visualization and manipulation software licensed underdual license CDDL and GNU General Public License version 3. © Copyrigth Gephi contributors, 2008-2016. All rigth reserved. Disponível em: <https://gephi.org/>

GIL, A.; C.; Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 220p., 2008.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Revista Paidéia, n. 12 p. 149-161, 2003

HAGUETTE, T.M.F. Metodologias qualitativas na sociologia. São Paulo: Vozes, 1999.

JACOMY, M; VENTURINI, T; HEYMANN, S; BASTIAN, M. ForceAtlas2, a Continuous Graph Layout Algorithm for Handy Network Visualization Designed for the Gephi Software. PLoS ONE 9(6): e98679. <https://doi.org/10.1371/journal.pone.0098679>. 2014. 102

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2001.

LIMA, M.A.D.S; ALMEIDA, M.C.P.; CRISTIANE, C. L. A utilização da observação participante e da entrevista semi estruturada na pesquisa em enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, v. 20 p. 130-142, 1999

MACIEL, J. A Fundamentação Teórica do Sistema Paulo Freire. Estudos Universitários - Revista de Cultura da Universidade de Recife. s.l.: s.n. 4: 35 p. 1963.

MARTIN, S; BROWN, W. M.; KLAVANS, R; BOYACK, K. OpenOrd: An Open-Source Toolbox for Large Graph Layout. SPIE Conference on Visualization and Data Analysis (VDA). 2011.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 109p., 1994.

___________; PORTUGAL, Simone; RAYMUNDO, Maria Henriqueta Andrade; SILVA, Luciana Ferreira da; FRANCISCO, Ingrid Bardini; SILVA, Rafael Falcão; SORRENTINO, Marcos. Alfabetização Agroecológica Ambientalista e o Laboratório de Educação e Política Ambiental Oca/ESALQ/USP. Cadernos de Agroecologia, Seropédica, Anais do II SNEA, Vol 12, nº 1, 2017

MORAES, Fernanda Correa de. Saberes Agroecológicos: estudo de caso no Extremo Sul da Bahia. (Dissertação de Mestrado, Programa de Ecologia Aplicada) Universidade de São Paulo, 201p., 2017

MOREIRA, M. A. ¿ Al afinal, qué es aprendizaje siginificativo? Qurriculum: revista de teoría, investigación y práctica educativa. Disponível em: < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/96956 >. Acesso em: 19 de maio de 2018. La Laguna, Espanha. No. 25 (março 2012), p. 29-56, 2012a.

______. Mapas conceituais e aprendizagem significativa (concept maps and meaningful learning). Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, digramas V e Unidades de ensino potencialmente significativas. Disponível em: <https://www.if.ufrgs.br/~moreira/mapasport.pdf>. p. 41, 2012b.

______. O QUE É AFINAL APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA? (After all, what is meaningful learning?). APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA, ORGANIZADORES PRÉVIOS, MAPAS CONCEITUAIS, DIAGRAMAS V e UNIDADES DE ENSINO POTENCIALMENTE SIGNIFICATIVAS: Disponível em: <http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf> Google Acadêmico: 5 p. 2018.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

OCA. O "Método Oca" de educação ambiental: fundamentos e estrutura incremental. Ambiente&Sociedade: Revista de Educação Ambiental. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 21: 75-93 p. 2016.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 100 p, 2002.

PETTER, M. Linguagem, língua e linguística. In: (Ed.). Introdução à linguística: objetos teóricos. s.l.: s.n., v.1, s.d. cap. 2, p.11-24. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3189923/mod_label/intro/NEGR%C3%83O_EstruturaDaSentenca.pdf>. Acessado em abril de 2018.

RAYMUNDO, Henriqueta; BRIANEZI, Thaís; SORRENTINO, Marcos. (Org.) Como construir políticas Pública de Educação Ambiental para sociedades sustáveis. [livro eletrônico], São Carlos (SP): Diagrama Editorial, 2015

RIOS, L. R. Teoria da Aprendizagem Significativa - Ausubel 2016. Disponível em: <http://professor.pucgoias.edu.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/17435/material/Aula2_AS.pdf>. Acessado em abril de 2018.

SANTAELLA, L. O que é semiótica? S.N. s.l.: 18 p. s.d. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/258550/mod_resource/content/1/oquesemiotica-luciasantaella-130215170306-phpapp01.pdf>. Acessado em março de 2018.

SANTANA, M. F. Aprendizagem significativa em David Ausubel e Paulo Freire: regularidades e dispersões. 2013a. 83 (Doutorado). Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba.

SANTANA, M. F.; CARLOS, E. J. Regularidades e dispersões no discurso da aprendizagem significativa em David Ausubel e Paulo freire (Regularities and dispersions in the discourse of the meaningful learning in David Ausubel and Paulo Freire). Aprendizagem Significativa em Revista (Meaningful Learning Review). 3: 12-22 p. 2013b.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo; Editora Cortez. 637 p., 2010.

SANTOS, C. A. Aplicação da análise multidimensional e da análise de agrupamentos hierárquicos ao mapeamento cognitivo de conceitos físicos. 1978. 257 (Mestrado). Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRS, Porto Alegre, RS.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. São Paulo, SP: Cultrix, 2006. Disponível em: < http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:rcw9j2cRoC4J:paginapessoal.utfpr.edu.br/gustavonishida/disciplinas/linguistica-geral/SAUSSURE%2520-1916-%2520Curso%2520de%2520Linguistica%2520Geral.pdf/view+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br >. Acessado em março de 2018.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. Ed. Gaia, 326 p., 2003.

SILVA, Rafael Falcão. Análise quali-quantitativa de dados linguísticos apoiada pela Análise de Conteúdo de Teoria de Grafos. (Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para o título de Bacharel em Gestão Ambiental, texto não publicado), Universidade de São Paulo, 105p., 2018.

SORRENTINO, M. et al. Alfabetização agroecológica ambientalista: interpretando e transformando o socioambiente local e global. In: EDITORIAL, D. (Ed.). Como construir políticas públicas de educação ambiental para sociedades sustentáveis? São Carlos, SP: RAYMUNDO, M. H. A.; BRIANEZI, T.; SORRENTINO, M., 2015. p.172-191.

SPINK, Mary Jane Spink (org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez. 296 p. 1999.

THIOLLENT, M. Notas para o debate sobre pesquisa-ação. In: C. R. Brandão (Org.), Repensando a Pesquisa Participante, 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1999.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed: 244 p. 1998.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Como Citar

de Moraes, F. C., da Silva, R. F., & Sorrentino, M. (2019). Agroecologia e educação ambiental: ferramentas de análise e a construção de conhecimentos. Ambiente &Amp; Educação, 24(2), 211–235. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.9730

Edição

Seção

Artigos