A subjetividade contemporânea: uma nova fronteira para a educação ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.9494

Palavras-chave:

Sofrimento, Violência, Psicanálise, Educação Ambiental, Oceanografia Socioambiental.

Resumo

Este trabalho propõe uma discussão sobre as questões de violência e sofrimento , assim como as suas consequências nas comunidades tradicionais, especialmente aquelas localizadas em ambientes das regiões costeiras. Dadas as condições de intenso sofrimento psíquico geradas por situações de injustiça ambiental, julgamos importante que a Educação Ambiental também partilhe da responsabilidade na reorganização do campo simbólico destes sujeitos. Por isto, propomos que estes elementos também sejam observados na construção de uma Educação Ambiental, enquanto instrumento de intervenção coletiva em esferas públicas. Palavras chave: Sofrimento, Violência, Psicanálise, Educação Ambiental, Oceanografia Socioambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lizete Farias, UFPR

Geóloga pela UFRGS, Mestre em Geologia Ambiental , pela UFPR e Doutoranda em Meio Ambiente e Desenvolvimento, UFPR.Construiu uma carreira trabalhando em estudos ambientais em diversas áreas, como consultora e coordenadora de planos de manejo de áreas protegidas, avaliações de impacto ambiental, relatórios de especialistas técnicos e auditorias ambientais. Trabalhou para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) , Banco Interamericano de Desenvolvimento (IABD), agências federais como Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA). Além disso, possui experiência em estudos socioambientais para instituições do terceiro setor como a The Nature Conservancy ; setor financeiro, como especialista em risco socioambiental (BANCO REAL e GRUPO SANTANDER), além de indústrias (como gestora de sustentabilidade). Atua também como professora de cursos de pós-graduação .

Maria do Rosário Knechtel, Universidade Federal do Paraná

Socióloga e Pedagoga PHD em Sociologia da Educação e Meio Ambiente Pesquisadora do Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento UFPR - MADE

Referências

ADORNO, Theodor. Dialética negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2009.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Trad. Henrique Burigo, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

______. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó. Argus, 2009. p. 55-76.

ANDRIGUETTO FILHO, José Milton. Das “dinâmicas naturais” aos “usos e conflitos”: uma reflexão sobre a evolução epistemológica da linha do “costeiro”. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 10, p. 187-192, 2004.

AZEVEDO, Natália Tavares. A vulnerabilidade social dos municípios do litoral do Paraná: construção do Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) com base nos dados dos setores censitários IBGE 2010. Revista Guaju, v. 2, 2016.

BIRMAN, Joel. A economia do gozo e os impasses da justiça. Uma leitura psicanalítica da justiça. Physis [online], vol.6, n.1-2, pp.121-134, 1996. http: //dx.doi.org/10.1590/S0103-73311996000100006. Acesso em 15 outubro de 2017.

CHEMAMA, Roland. (Org.) Dicionário de Psicanálise. Porto Alegre: Larousse-Artes Médicas Sul. 1995.

CHEREM, Maria Fernanda; AZEVEDO, Natália. Conflitos socioambientais e processos de resistência de pescadores artesanais no litoral do Paraná. In: 40 Encontro Anual da ANPOCS, 2016, Caxambu. Anais do 40 Encontro Anual da ANPOCS, 2016.

CEZAR JUNIOR, Gervásio. Organização do projeto neoliberal no anos 1970: Revista Visão e sua ação orgânica partidária. In: VI Simpósio Nacional Estado e Poder: Cultura, 2010. Disponível em http: //www.eeh2010.anpuh-rs.org.br/resources/anais/9/1279397247_ARQUIVO_TextoparaAnais.pdf

DUNKER, Christian Ingo Lenz. Mal-estar, sofrimento e sintoma: releitura da diagnóstica lacaniana a partir do perspectivismo animista. Tempo Social, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 115-136, jan. 2011. Disponível em http: //www.revistas.usp.br/ts/article/view/12654. Acesso em 28 de agosto de 2019.

__________ Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. 1ªed.São Paulo: Boitempo. 2015

___________Clínica e diagnóstico na era neoliberal. 2016. Disponível em https: //www.youtube.com/watch?time_continue=860&v=3noUnc0emC8 Acesso em 28 de agosto de 2019.

DUNKER, Christian Ingo Lenz; FRAGELLI, Ilana Katz Zagury. A clínica do cuidado: intervenção com a população ribeirinha do Xingu atingida por Belo Monte. Anais.. São Paulo: Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo, 2018.

FARACO, Luís; ANDRIGUETTO FILHO, José Milton; DAW; Tim; LANA, Paulo da Cunha; TEIXEIRA, Cristina. Vulnerability Among Fishers in Southern Brazil and its Relation to Marine Protected Areas in a Scenario of Declining Fisheries. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 38, p. 51-76, 2016.

FARIAS, Ana Lizete. A emergência do saber ambiental numa perspectiva psicanalítica. In: EPEA 2017- Encontro Paranaense de Educação Ambiental, 2017, CURITIBA. Anais do XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental, 2017.

FARIAS, Ana Lizete; KNECHTEL, Maria do Rosário. Uma perspectiva psicanalítica para a Educação Ambiental. Ambiente & Educação: Revista de Educação Ambiental, v. 23, p. 322-338, 2018.

FREUD, Sigmund. A pulsão e seus destinos. 1914-1915. Obras incompletas de Sigmund Freud. Tradução de Pedro Heliodoro Tavares. Belo Horizonte.Ed.Autentica. 2013.

__________Luto e Melancolia. (1915-1917). Tradução de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

________Psicologia das Massas e Análise do Eu e outros textos .1920-1923.; tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras 2011.

________. O mal-estar na civilização, novas conferencias introdutórias à psicanálise e outros textos .1930-1936. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Memória, história, testemunho. In J. M. Gagnebin, Lembrar, escrever, esquecer (pp. 49-57). São Paulo: Editora 34, 2006.

GIONGO, Carmen Regina . Futuro roubado: banalização da injustiça e do sofrimento social e ambiental na construção de hidrelétricas.Tese de doutorado .Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós- Graduação em Psicologia Social e Institucional, Porto Alegre, 2017.

KATZ , Ilana. Psicanálise nos espaços públicos. Emília Broide e Ilana (org.). São Paulo : IP/USP, 2019.

KEHL, Maria Rita. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

__________Melancolia e criação. Resenha de Freud, Sigmund Carone, Modesto e Carone, Marilene (tradução de Marilene Carone). São Paulo: Cosac Naify, 2011.

LACAN, Jacques. Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In J. Lacan, Escritos (pp. 238-324). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. (Trabalho original publicado em 1953).

LAYRARGUES, Philippe Pomier; LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. “As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira”. Revista Ambiente e Sociedade. São Paulo, v. XVII, nº 1, p. 23-40, jan-mar/2014.

LEFF,Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petropolis, RJ: Ed. Vozes, 2011.

LOSEKANN, Cristiana. “Não foi acidente!” o lugar das emoções na mobilização dos afetados pela ruptura da barragem de rejeitos da mineradora Samarco no Brasil. In: Zhouri, Andréa (Org); R. Oliveira et al. Mineração: violências e resistências: um campo aberto à produção de conhecimento no Brasil. Marabá-PA: Iguana, 2018.Disponível em : http: //www.scielo.br/scielo.php?pid=S1809-43412017000200303&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em 10 de setembro de 2019.

MORAES, Maria Esmeralda. A ocupação antrópica e as questões ambientais no ecossistema restinga – O caso do perímetro urbano do município de Paranaguá. In: Meio Ambiente e Desenvolvimento do Litoral do Paraná: Diagnóstico – Curitiba: Editora UFPR – NIMAD/CNPq, 1998. P 145-153.

MORAES, Antônio Carlos Robert. Bases da formação territorial do Brasil. O território colonial brasileiro no “longo” século XVI. São Paulo: Hucitec, 2000. 431 p.

MULLER, Marcelo. Análise das variações da linha de costa nas margens do mar do Ararapira como subsídio ao planejamento do uso e ocupação. Monografia apresentada ao curso de Graduação em Oceanografia, Setor de Ciências da Terra da Universidade Federal do Paraná, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Oceanografia. Universidade Federal do Paraná, 2007.

NASCIMENTO, Evandro; SILVA, Hugo Juliano Hermógenes da; SILVA, Maria Fernanda C.C. Bezerra; DENKEWICZ, Patrícia; VIEIRA, Raquel dos Santos.; CORBARI, Sandra Dalila. Diagnóstico e problematização do litoral do paraná vetores de produção socioespacial - porto e indústria, turismo e políticas e ações de conservação e gestão ambiental - e conflitos, resistências e alternatividades. Trabalho coletivo Linha de Pesquisa Usos e Conflitos em Ambientes Costeiros. Curitiba: PPGMade/UFPR, 2017.

NASIO, Juan-Davi. O livro da dor e do amor. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1997.

PIERRI, Naína; ANGULO, Rodolfo Jose; SOUZA, Maria Cristina de; KIM, Minela. A ocupação e o uso do solo no litoral paranaense: condicionantes, conflitos e tendências. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v.13, p. 137-167, 2006.

RAINHO, Ana Paula. 2015. A gente vive no mar: saberes oceanográficos na comunidade tradicional Barra da Ararapira. Dissertação (mestrado em Antropologia Social). Universidade Federal do Paraná, 171 p.

ROSA, Miriam Debieux. A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo: Escuta/Fapesp, 2016.

ROUDINESCO, Elisabeth. Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2000.

TOLEDO, Adilson do Rosário. ; GASPARINI, Bruno . Conflitos socioambientais nas áreas de proteção ambiental do litoral do Paraná. Revista Direito à Sustentabilidade , v. V. 2, p. 9-31, 2015.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

___________ Melancolia do poder .Café Filosófico, 2017. Disponível em https: //www.youtube.com/watch?v=LLLxyYgWzQA Acesso em 20 de setembro de 2019.

_____________ Dar corpo ao impossível: o sentido da dialética a partir de Theodor Adorno. Belo Horizonte. Autentica, Editora. 2019.

ZHOURI, Andréa; VALENCIO ,Norma; OLIVEIRA ,Raquel; ZUCARELLI, Marcos; LASCHEFSK, Klemens; SANTOS, Ana Flávia. O desastre da Samarco e a política das afetações: classificações e ações que produzem o sofrimento social. Cienc. Cult., São Paulo, v. 68, n. 3, p. 36-40, Sept. 2016 . Available from . access on 22 Oct. 2017. http: //dx.doi.org/10.21800/2317-66602016000300012.Acesso em: 20 de agosto de 2019.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Como Citar

Farias, A. L., & Knechtel, M. do R. (2019). A subjetividade contemporânea: uma nova fronteira para a educação ambiental. Ambiente &Amp; Educação, 24(2), 68–97. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i2.9494

Edição

Seção

Dossiê “A Educação Ambiental em uma perspectiva da Oceanografia Socioambiental”