Educação ambiental dialógico-crítica: abordagem metodológica e a ética tradicional ribeirinha pantaneira

Autores

  • Silvano carmo de souza Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - Campus Cáceres Professor Olegário Baldo http://orcid.org/0000-0001-7224-626X
  • Amadeu José Montagnini Logarezzi Universidade Federal de São Carlos
  • Erika Patricia Lacerda Dias Souza

Resumo

Resumo: este artigo faz parte de uma tese de doutorado de educação ambiental cujo objetivo foi contextualizar a atividade pesqueira profissional artesanal em Cáceres no Pantanal de Mato Grosso. Este trabalho tem como principais referências teóricas os pensamentos freiriano e habermasiano, escopo em que as ações de pesquisa estiveram fundadas na metodologia comunicativo-crítica – MCC. Neste artigo tratamos da relevância da MCC como abordagem metodológica comprometida com a coordenação de ações que objetivam a transformação da sociedade a apartir do diálogo igualitário. Também abordamos as características da ética tradicional ribeirinha pantaneira como proposta de reflexão e diálogo sobre possibilidades de superação comunicativa dos processos de colonização do mundo da vida das pescadoras/es pantaneiras/os.

Palavras chave. Comunidades tradicionais. Educação ambiental. Pescadores. Pantanal. Metodologia comunicativo-crítica. Ética.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvano carmo de souza, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - Campus Cáceres Professor Olegário Baldo

Doutor em Ciências Ambientais - UFSCar. Linha de pesquisa Ambiente e Sociedade. Graduado em Ciências Biológicas, Ciêncais Jurídicas e em Teologia. Professor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - Campus Cáceres prof. Olegário Baldo. Coordena o Laboratório de educação e gestão ambiental. 

Amadeu José Montagnini Logarezzi, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutor em sociologia, Professor titular aposentado da Ufscar e Professor no PPG em Ciências Ambientais da UfSCar

Erika Patricia Lacerda Dias Souza

Pedagoga, especialista em Psicopedagogia e em Educação Especial e Inclusiva. Professora da Rede Estadual de Educação no Estado de Mato Grosso. 

Referências

AUBERT, A.; FLECHA, A.; GARCIA, C.; FLECHA, R.; RACIONERO, S. Aprendizaje dialógico em la sociedade de la información. Barcelona: Hipatia, 2008.

BOFF, L. A águia e a galinha. Uma metáfora da condição humana. 45 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2007.BOFF, L. Ética da Vida. 2 ed. Brasília: Letra Viva, 2000.

BOFF, L. Prefácio. In: FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 22 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015. p. 9-12.

BOFF, L. Saber Cuidar: Ética do humano – compaixão pela terra. 16 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

CHAUI, M. Convite à Filosofia. 13 ed. 7 imp. São Paulo: Ática, 2008.

CHAUI, M. Desejo, paixão e ação na ética de Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DA SILVA, C. J.; SILVA, J. A. F. Estratégia de sobrevivência de comunidades tradicionais no Pantanal Mato-grossense: relatório preliminar. São Paulo: NUPAUB, 1992.

DA SILVA, C. J. No ritmo das águas do Pantanal. São Paulo: NUPAUB, 1995.

DIEGUES, A. C. S. O Mito moderno da natureza intocada. 3 ed., São Paulo: HUCITEC, 2001a.

DIEGUES, A. C. S. Repensando e recriando as formas de apropriação comum dos espaços e recursos naturais. In: DIEGUES, A. C. S.; MOREIRA, A. C. (Org.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: NAPAUB-USP, 2001b. p. 97-124.

FLECHA, R. Compartiendo palabras. Barcelona: Paidós, 1997.

FREIRE, P. Conscientização. 3 ed. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Tradução Rosisca Darcy de Oliveira.10 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. O Papel da Educação na Humanização. Revista Paz e Terra, Ano IV, nº 9, Outubro, 1969, p. 123-132. Disponível em: http://acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/bitstream/handle/7891/1127/FPF_OPF_01_0003.pdf Acesso em: 20/10/2014.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 22 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 38 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

FREIRE, P. ;NOGUEIRA, A. Que fazer: teoria e prática em educação popular. Petrópolis: Vozes, 1989.

GÓMEZ, A.; PUIGVERT, L.; FLECHA, R. Communicative Methodology: Informing Real Social Transformation Through Research Critical. Qualitative Inquiry 17(3), 2011, p. 235-245.

GÓMEZ, J.; LATORRE, A.; SÁNCHEZ, M.; FLECHA, R. Metodología comunicativa crítica. Barcelona: El Roure Editorial, 2006. 149 p.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. v. 2. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HABERMAS, J. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1990.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo. v. 1. Racionalidade da ação e racionalização social. Tradução: Paulo Astor Soethe. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012a.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo. v. 2. Sobre a crítica da razão funcionalista. Tradução: Paulo Astor Soethe. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012b.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Fenomenologia do Espírito. Parte 1. Trad. Paulo Meneses. Petrópolis: Ed. Vozes, 2002. 271 p. (Pensamento humano)

LEFF, E. Discursos Sustentáveis.1 ed. São Paulo: Cortez, 2010b.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2010a.

LEFF, E. Pensar a complexidade ambiental. In: LEFF, E. (Org.). A Complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2003.

LEFF, E. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LEFF, E. Saber ambiental. Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 4 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

LOGAREZZI, A. J. M. Fundamentos de uma educação ambiental dialógico-crítica. In: MONTEIRO, R.; SORRENTINO, M.; JACOBI P. R. (orgs.) Diálogo e transição educadora para sociedades sustentáveis. São Paulo: IEE-USP / Ed. Na Raiz, 2020. p. 121-134.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental transformadora. In: LAYRARGUES, P. P. (Coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: MMA, 2004. p. 65-84.

LOUREIRO, C. F. B.; FRANCO, J. B. Aspectos teóricos e metodológicos do circulo de cultura: uma possibilidade pedagógica e dialógica em Educação Ambiental. IN. LOUREIRO, C. F. B. TORRES, J. R. (Org.). Educação Ambiental. Dialogando com Paulo Freire. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

LOUREIRO, C. F. B.;. TORRES, J. R. (Org.). Educação Ambiental. Dialogando com Paulo Freire. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

LUKÁCS, G. As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Temas de Ciências Humanas, v. 4, p. 1-18, 1978.

LUKÁCS, G.O jovem Marx e outros escritos de filosofia. Trad. Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Neto. 2 ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009. 256 p. (Pensamento Crítico, v. 9)

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. Tradução Lya Luft e Rodnei Nascimento. 1ª ed., 1ª reimpressão (out./2011). São Paulo: Boitempo, 2010.

MARTINS, C. C. C. A exclusão sócio-econômica provocada pelo turismo na população ribeirinha de Cáceres - MT. 2003. (Especialização em Turismo e Desenvolvimento Local e Regional) - Departamento de Geografia. UNEMT, 2003.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. Jesus Ranieri. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2004. 175 p.

MARX, K.;. ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). Trad. Rubens Enderle, Nélio Schneider, Luciano Cavini Martorano São Paulo: Boitempo, 2007.

MEDEIROS, H. Q. Impactos das políticas públicas sobre os pescadores profissionais do pantanal de Cáceres, Mato Grosso. 1999. 217f. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) - Instituto de Geociências, USP, 1999.

NASCIMENTO, I. Tempo da Natureza e Tempo do Relógio- Tradição e mudança em uma comunidade pesqueira. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém, v. 11, n. 1, p. 5-18. 1995

PINHO, C. R. S.; DA SILVA, C. J.; SOUZA, S. C.; IRIGARAY, C. T. J. H. As comunidades tradicionais pantaneiras no contexto da política nacional de desenvolvimento sustentável dos povos e comunidades tradicionais. In: DA SILVA, C. J. SIMONI, J. (Org.). Água, biodiversidade e cultura no Pantanal. Estudos ecológicos do sistemas de baias Chacororé – Sinhá Mariana. Cáceres: Ed. Unemat, 2012. p. 207 - 220.

SANTOS, M. O dinheiro e o território. GEOgraphia, v. 1, n. 1, p. 7-13, 1999.

SOUZA, S. C. Educação ambiental dialógico-crítica no Pantanal de Mato Grosso: a voz e o silêncio das pescadoras e dos pescadores tradicionais. 300 p. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2017.

SOUZA, S. C.; LOGAREZI, A. J. M. Educação ambiental dialógico-crítica com comunidades tradicionais no Pantanal de Mato Grosso: a solidariedade e os enfrentamentos nas práticas sociais. Ambiente & Educação, Rio Grande, v. 22, n. 1, p. 111-131, 2017.

SOUZA, S. C.; LOGAREZZI, A. J. M. Educação Ambiental e participação comunicativa: diálogos com pescadoras/es artesanais no Pantanal de Mato Grosso. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 332-353, 2018a.

SOUZA, S. C.; LOGAREZZI, A. J. M. O exercício da liberdade na ética tradicional ribeirinha pantaneira amparado na dialogicidade e na criticidade: reflexões teóricas. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 13, n. 2, pp. 101-116, 2018b.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

carmo de souza, S., José Montagnini Logarezzi, A. ., & Patricia Lacerda Dias Souza, E. (2021). Educação ambiental dialógico-crítica: abordagem metodológica e a ética tradicional ribeirinha pantaneira. Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 167–192. Recuperado de https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/13236

Edição

Seção

Dossiê "Educação Ambiental pós-colonial e comunidades tradicionais"