Educação ambiental, educação do campo e ambientalização escolar: diálogos entre diversas paisagens escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.11521

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Ambientalização Escolar, Educação do Campo, Territórios Escolares, Paisagens Escolares.

Resumo

A educação ambiental tem sido uma oportunidade de aproximar os diversos campos dos conhecimentos, saberes e vivências como a ambientalização escolar e a educação do campo. A ambientalização escolar é aqui discutida como um possível caminho metodológico para trabalhar a dimensão socioambiental na gestão, currículo e espaço nos processos educadores que objetivam constituir territórios sustentáveis para a percepção, valoração e transformação das paisagens escolares. Assim, para que possam ser fortalecidas escolas vivas, sistêmicas e socioambientais, a ambientalização, precisa ser abordada a partir da interdisciplinaridade e da interculturalidade, possibilitando um caminho vivencial dos temas transversais e socioambientais. Ainda, pode integrar processos formativos, a partir de recursos pedagógicos, como as ecotecnologias, a exemplo trazido pelo grupo de Ambientalização Escolar da UFPR. Environmental education, rural education and school environmentalization: dialogues between diverse school landscapes Abstract The Environmental Education has been an opportunity to approximate knowledges and experiences from various school landscapes. This article proposes reflexions about school environmentalization like a linking between Rural Education and Environmental Education. From this perspective, the School Environmentalization is discussing like a methodological possibility to work with a management, a curriculum, and a structure in the educative processes. Some of the reflections are exemplified from the activity of the Environmental Education and School Environmentalization group at UFPR and partners. It is also discussed about the consolidation of living, systemic and socio-environmental schools. In this process, the school environmentalization enables an approach that values and encourages interdisciplinarity and interculturality. Keywords: Environmental Education. School Environmentalization. Rural Education. School Territories. School Landscapes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yanina Micaela Sammarco, Docente UFPR

Graduação em Ciências Biológicas (UFRGS) Mestrado em Engenharia Ambiental (UFSC) Doutorado em Educação Ambiental (Universidad Autônoma de Madri e USP) Docente UFPR/area Biologia da Educação/DTFE/Setor de Educação Docente PPGMADE

Ivan Borroto Rodriguez, Pós-doutorando (UFPR)

Graduação em Ciências Biológicas (Universidad de la Habana/Cuba) Mestrado Biotecnologia Vegetal (Universidad Central "Martha Abreus" de las Villas/Cuba) Doutorado em Educação (UFPR) Pós-doutorando (UFPR)

Carina Catiana Foppa, Docente UFPR

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade do Vale do Itajaí (2003) Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2009) Doutorado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande. Docente PPGMade Docente PROFBio

Referências

ALBAGLI, 1998. Geopolítica da Biodiversidade. Brasília: Ibama, 1998.

ALMEIDA, A. W. B. de. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, faixinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Alfredo Wagner Berno de Almeida. – 2.a ed, Manaus: pgsca–ufam, 2008.

ARRUDA, A. (Org.) Representando a alteridade. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BERNARDES, M. B. J.; PRIETO, É. C. Educação Ambiental: disciplina versus tema transversal. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 24, 2010.

BERQUE, A. Paisagem-marca, paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In: CORRÊA , R. L e ROSENDAHL, Z. (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, p 84-91, 1998.

BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria geral dos sistemas. Rio de Janeiro: Vozes, 2008

BRASIL; BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999: Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, v. 79, 1999.

BUCZENKO, G., L.; ROSA, M. A. A. Educação ambiental critica e educação do campo: caminhos em comum. In: ANPED, 28, São Luis, Maranhão, p. 1-16, 2017.

CABRAL, O. L. & BUSS, M. D. A paisagem como campo de visibilidade e de significação: um estudo de caso. Espaço e Cultura, UERJ, RJ, N 13, p 47-62, jan/jul, 2002.

CALFART, R. S. Por uma educação do campo traços de uma identidade em construção. In: Kolling, E. J;Cerioli, P. R; Caldart, R. S. Educação do campo: identidades e politicas publicas. Brasilia, DF: articulação nacional por uma educação do campo, 2002. p.18-25.

______Elementos para construção do projeto político e pedagógico da educação do campo. Revista Trabalho Necessário, V. 2, N. 2, p. 1-16, 2004

______Educação do Campo: notas para análise de percurso. In: CRUZ, J., J.,D. Educação profissional e tecnológica do campo: proposta para o IF Sertão-PE no território da Reforma agrária do município de Santa Maria da Boa Vista Cruz. Santa Maria da Boa Vista/PE, 2010, p. 15-40.

CANTER, D. The Facets of Place. In: G T Moore & R W Marans (Eds.) Advances in Environment, Behavior, and Design: Towards the Integration of Theory, Methods, Research and Utilization. New York: Plenum, 1997.

CARVALHO, I. C. M. Em direção ao mundo da vida: interdisciplinaridade e educação ambiental. IPÊ, 1998.

______Qual educação ambiental: elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Revista Agroecologia e Desenvolvimento RuralSustentável, v.2, n.2, p. 43-51, abr./jun. 2001.

______. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez Editora, 2004

______. A invenção do sujeito ecológico: identidades e subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: Sato, M. & Carvalho, I. C. M. (orgs) Educação Ambiental; pesquisa e desafios. Porto Alegre, Artmed, 2005.

CARNEIRO, S. M. M., KNECHTEL, M. D. R., MORALES, A. G. M., NOGUEIRA, V., &SOUZA-LIMA, J., E., D. Novas Perspectivas Epistemológicas em Educação Ambiental: Multiculturalismo, Globalização e Formação de Educadores. In: Associação Nacional de Pos-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, III, 2006, Brasília, p 1-12.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, ed. 6, v. 2, 1999.

COPPETE, M. C., FLEURI, R. M., & STOLTZ, T. Educação para a diversidade numa perspectiva intercultural. Revista Pedagógica, V. 14, N. 28, p. 231-262. 2012

COPELLO, M., I. Fundamentos teóricos e metodológicos de pesquisas sobre ambientalização da escola. Pesquisa em educação ambiental, v. 1, n. 1, p. 93-110, 2006.

COSGROVE, D. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, R. L. e ROSENDAHL, Z. (Orgs.) Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, p 92-123, 1998.

EYNG, D. J. e SAMMARCO, Y. M. Um estudo da percepção dos alunos de licenciatura sobre a ambientalização universitária na UFPR. In: Educação Ambiental - o desenvolvimento sustentável na economia globalizada / Giovanni Seabra (Organizador). Ituiutaba: Barlavento, 2020. 1.927 p.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade na formação de professores. Ideação, V. 10, N. 1, p. 93-104, 2008.

FEIJÓ, L. F., & SILVA, A. S. D. Agroecologia e Educação do Campo In: CRUZ, J., J.,D. Educação profissional e tecnológica do campo: proposta para o IF Sertão-PE no território da Reforma agrária do município de Santa Maria da Boa Vista Cruz. Santa Maria da Boa Vista/PE, 2010, p. 59-72.

FLEURI, R.,M. Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, n 23, p. 16-35, 2003.

______ Educação intercultural: a construção da identidade e da diferença nos movimentos sociais. PERSPECTIVA, p.405-423, jul./dez. 2002.

FLORIANI, D. Disciplinaridade e construção interdisciplinar do saber ambiental. Desenvolvimento e Meio Ambiente, V. 10, p. 9-31, 2004.

FLORIANI, D. Nuevos sentidos para una ciencia socioambiental desde la perspectiva del pensamiento complejo: algunas reflexiones. Revista Lider, V. 24. 2014.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade. Inclusão Social. Brasília, v. 3, n. 1, p. 75-78, 2008.

GONZÁLEZ-GAUDIANO, E. Otra lectura a la historia de la educación ambiental en América Latina y el Caribe. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 3, p. 141-158jan./jun, 2001.

______. La ambientalización del currículum escolar: breve recuento de una azarosa historia. 2012. Revista de Currículum y Formación del Profesorado, p. 15-24, 2012a.

GONZÁLEZ MUÑOZ, M. C. Informe sobre el proyecto “La educación ambiental en Iberoamérica en el nivel medio”. Balance provisional. Revista Iberoamericana de Educación. n. 11, p. 171-194, 1996.

GUERRA, A. F. S.; FIGUEREDO, M. L. (2014). Ambientalização curricular na Educação Superior: desafios e perspectivas. Educar em Revista, (SPE3), p. 109-126. 2014

GUIMARÃES, M. Educação ambiental crítica. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 25-34, 2004.

JACOBI, P. Meio ambiente urbano e sustentabilidade: alguns elementos para a reflexão. In: CAVALCANTI, C. (org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São Paulo: Cortez, p.384-390, 1997.

KITZMANN, D. Ambientalização de espaços educativos: aproximações conceituais e metodológicas. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Fundação Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande, v. 18, 2007.

______; ASMUS, M. L. Ambientalização sistêmica – do currículo ao socioambiente. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 269-290, jan./abr. 2012.

HOLMGREN, D. Permacultura: princípios e caminhos além da sustentabilidade. Porto Alegre: Via Sapiens, 2013.

LAYRARGUES, P. P. Crise Ambiental e suas Implicações na Educação. In: QUINTAS J. S. (Org.): Pensando e praticando educação ambiental na gestão do meio ambiente.2 ed. Brasília: Edições IBAMA, p. 159-196, 2002.

______; LIMA, G. F. D. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n.1, p. 23-40, 2014.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de professor, v. 14, n. 2, p. 309-335, 2011.

LIMA, G., F., da, C. Educação, emancipação e sustentabilidade: em defesa de uma pedagogia libertadora para a educação ambiental. In: LAYRARGUES, P. P. A (org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 85-111, 2004.

LOUREIRO, C., F. ,B. Educação ambiental e epistemologia crítica. REMEA-Revista Eletrônica do MestradoemEducação Ambiental, v. 32, n. 2, p. 159-176, 2015.

MAIMON, D. Passaporte verde - gestão ambiental e competitividade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996.

MATURANA, H. & VARELA, F. AutopoiésisandCognition. Dordrecht, Ho: D. Reidel, 1980.

MATURANA, H. Transdisciplinaridade e Cognição. In: NICOLESCU, B. (Org.). Educaçao e transdisciplinaridade. Brasília: UNESCO, p. 83-114, 2000.

MOLLISON, Bill; SLAY, R., M. Introdução à permacultura. Brasília: MA/SDR/PNFC, 1998.

MORRIN, E. O método: a Natureza da natureza. Volume I. 3ed. Lisboa, Publicações Europa-América, 1997.

ORSI, R. F. M.; FIGUEIREDO, M. L.; GUERRA, A. F. S. Obstáculos e estratégias para inserção das dimensões da sustentabilidade na Ambientalização Curricular de Instituições de Educação Superior. EA nasEscolas e Universidades: Ambientalmente sustentable, v. 2, n.20, p. 1271-1289, 2015.

RUSCHEINSKY, A. et al. (Orgs.) Ambientalização nas instituições de educação superior no Brasil: caminhos trilhados, desafios e possibilidades. São Carlos: EESC/USP, 2014

SACHS, I. Desarrollo sustentable, bio-industrialización descentralizada y nuevas configuraciones ruralurbanas. Los casos de India y Brasil. PensamientoIberoamericano. Madrid, v. 46, p. 235-256, 1990.

SAMMARCO, Y.M; FOPPA C.C; EYNG, D. J.; SILVA, B. M. Ambientalização escolar nas escolas públicas de Curitiba. In: Educação Ambiental - o desenvolvimento sustentável na economia globalizada / Giovanni Seabra (Organizador). Ituiutaba: Barlavento, 2020. 1.927 p.

SAMMARCO, Y. M. et al. Projetos Ambientalização Escolar e Escolas Vivas: pesquisas e ações das escolas como territórios socioambientais. Anais VIII CongresoIberoamericano de EstudiosTerritoriales y Ambientales. Unioeste, Foz de Iguaçu, Paraná. 2018.

SANTOS, B.S. A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SAQUET, M. A. Os tempos e os territórios da colonização italiana. EST Edições. Porto Alegre, 2003.

______Campo-território: considerações teórico-metodológicas. Revista de Geografia Agrária. Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 60-81, 2006.

SANMARTI, N.; PUJOL, R. M. ¿Que comporta capacitar para la acción? Investigaciónen La Escuela. Sevilla, n. 46, p. 49-54, 2002.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. Educação Ambiental: pesquisa e desafios, p. 17-44, 2005.

SAUVÉ, L. Perspectivas curriculares para la formación de formadores en educación ambiental. Carpeta informativa CENEAM, España, 2004.

SILVA, R. & SATO, M. Territórios e Identidades: Mapeamento dos grupos sociais do Estado de Mato Grosso – BRASIL. Ambiente & Sociedade. Campinas v. XIII, n. 2, 2010.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO Jr., L. A. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, maio/ago, 2005.

STRASKRABA, M. Ecotechnology as a new means for environmental management. EcologicalEngineering. Amsterdam: Elsevier SciencePublishers B.V., p. 311-331, 1993.

TOZZONI-REIS, M., F., de C. Educação Ambiental: referências teóricas no ensino superior. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, p. 33-50, 2001.

VAZ, A. C.; ANDRÉ, B. P. O sentimento de pertencimento de alunos do bairro da Rasa em Armação dos Búzios/RJ. Revista InterSciencePlace. Campos dos Goytacazes, v. 11, n. 4, p. 170-194, 2016.

VASCONCELLOS, Maria José Esteves de (2002). Pensamento Sistêmico - O Novo Paradigma da Ciência. SP, Campinas: Papirus, 2003.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Sammarco, Y. M., Borroto Rodriguez, I., & Foppa, C. C. (2020). Educação ambiental, educação do campo e ambientalização escolar: diálogos entre diversas paisagens escolares. Ambiente &Amp; Educação, 25(2), 310–340. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.11521

Edição

Seção

Dossiê: Pesquisas e Práticas em Educação Ambiental e Educação do Campo