“QUERIA TER NASCIDO MENINA”: DESCUMPRINDO NORMAS E MASCULINIDADES NA ESCOLA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9611

Resumo

O texto é parte de uma dissertação de mestrado, já concluída, que investigou cenas e narrativas em uma escola pública do ensino fundamental, na cidade do Rio de Janeiro, que envolvem uma criança de 9 anos que desestabiliza concepções sobre identidades de gênero. Para este artigo, optou-se por trazer uma cena, onde, a partir das contribuições dos estudos de gênero, objetivou-se compreender como as crianças constroem suas representações acerca dos papéis de gênero nas relações com seus pares. A metodologia considerou aspectos da pesquisa etnográfica e da análise de narrativas em uma perspectiva socioconstrucionista, possibilitando-nos a compreensão do processo de construção das identidades sociais dos sujeitos, na qual as conclusões apontaram que, mesmo em um espaço normativo como a escola, a relutância irrompe e inscreve, nos corpos, outras possibilidades de dizer e dar sentidos aos gêneros, às sexualidades e outros processos identitários que estão em jogo/disputa nas relações sociais.

PALAVRAS-CHAVE: papéis de gênero. representações. identidades. escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Jorge de Freitas, Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro - SMERJ

Mestra pelo Programa de Pós-Graduação de Ensino em Educação Básica do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (PPGEB/CAp-UERJ). Professora de Ensino Fundamental (Anos Iniciais) da SME/RJ. Pedagoga. Psicopedagoga. Membro do Grupo de Pesquisa Formação em Diálogo – GPFORMADI. Área de Pesquisa: Estudos de Gênero, Diferenças e Cotidiano Escolar.

Jonê Carla Baião, Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (PPGEB/CAp-UERJ).

Doutora em Letras – PUC-Rio. Professora Adjunta da UERJ no Programa de Pós Graduação de Ensino em Educação Básica no Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (PPGEB/CAp-UERJ). Membro do Grupo de Pesquisa Formação em Diálogo – GPFORMADI. Áreas de Pesquisa: Identidades de Gênero e Ensino, Formação de Professores e Ensino da Língua Materna.

Referências

ANDRADE, Marcelo.; CÂMARA, Luiz. Diferenças silenciadas e diálogos possíveis: A pesquisa em educação como superação de silenciamentos. In: ANDRADE, Marcelo. (Org.) Diferenças silenciadas: pesquisas em educação, preconceitos e discriminações. Rio de Janeiro: 7 letras, p. 8 – 28, 2015.

AMARO, Ivan. A docência no armário: o silenciamento das relações de gênero nos planos de educação. Revista Espaço Pedagógico. v. 24, n. 1, Passo Fundo, p. 139-159, jan./abr. 2017. Disponível em:

< http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/6998>. Acesso em 18 mar.2018.

BAIÃO, Jonê Carla. Tia existe mulher bombeira? Meninas e meninos co-construindo identidades de gênero no contexto escolar. Tese de doutorado em Letras – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em:

. Acesso em: 10 set. 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão de identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

FERRARI, Anderson. Diferenças, igualdade e formação de identidade no contexto escolar. IN: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação/Colégio de Aplicação João XXII, Juiz de Fora. v. 2, n. 1, 2000. p 87-100. Disponível em:

. Acesso em: 16 dez. 2017.

FINCO, Daniela. Os perigos da naturalização das relações sociais na educação infantil. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, ano XI, n. 36, 2013.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GONÇALVES, Rafael Marques.; RODRIGUES, Allan.; GARCIA, Alexandra. A conversa como princípio para pensar a pesquisa e a formação docente. IN: Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Org. Tiago Ribeiro, Rafael de Souza, Carmem Sanches Sampaio – Rio de Janeiro: Ayvu, p. 119-139, 2018.

GUERRA, Judite. Dos “segredos sagrados”: gênero e sexualidade no contexto de uma escola infantil. Dissertação do mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, UFGRS, Porto Alegre. 2005. Disponível em:

< https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/7146>. Acesso em: 27 jun. 2019.

JORGE DE FREITAS, Claudia. “Tia, não aguento mais sofrer tanta humilhação”: Narrativas Tensionadoras de Gênero nos Anos Iniciais. 2019. 121fs. Dissertação de Mestrado. Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Corpo, Gênero e Sexualidade. Um debate contemporâneo na educação. 9ª ed. Editora Vozes. Petrópolis: 2010.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. 16ª ed. Editora Vozes. Petrópolis: 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://michaelis.uol. com.br/moderno/portugues/index.php>. Acesso em: nov. 2018

PRECIADO, Paul Beatriz. Quem defende a criança queer? Jangada, Viçosa, n. 1, p. 96-99, jan./jun.2013. Disponível em: <https://www.revistajangada.ufv.br/index.php/Jangada/article /view/17>. Acesso em: 10.nov.2018.

RODRIGUES, Alexsandro. et al. Deslocamentos crianceiros, conversas transviadas: coisas da educação e de afirmação de uma vida que importa. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 14, n. 30, p. 407-426 maio-ago. 2018. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/ejemplar/499806>. A,cesso em: 02.nov. 2018.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres. Notas sobre a “Economia Política” do sexo. Tradução de Christine Rufino Dabat. Recife: SOS Corpo, 1993. Disponível em: <https://scholar.googleusercontent.com/scholar?q=cache:CO4KBeKxZ9kJ:scholar.google.com/&hl=pt-BR&as_sdt=0,5>. Acesso em, 11. jan. 2019.

SABAT, Ruth. Gênero e sexualidade para o consumo. In: Louro, G. L. Corpo, gênero e sexualidade. São Paulo: Editoras vozes, 2003.

SILVA, Rodrigo Gonçalves Borges da; Bezerra, Waldez Cavalcante; Queiroz, Sandra Bonfim de. Os impactos das identidades transgênero na sociabilidade de travestis e mulheres transexuais. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 26(3), p. 364-372, 2015. Disponível em:

<https://doi.org/10.11606 /issn.2238-6149.v26i3p364-372>. Acesso em: 24 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Jorge de Freitas, C., & Baião, J. C. (2020). “QUERIA TER NASCIDO MENINA”: DESCUMPRINDO NORMAS E MASCULINIDADES NA ESCOLA. Diversidade E Educação, 7(2), 292–309. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9611

Edição

Seção

Cotidiano da Escola