MULHERES QUILOMBOLAS E POLÍTICAS PÚBLICAS: UMA ANÁLISE SOBRE O RACISMO INSTITUCIONAL

Patrícia Krieger Grossi, Simone Barros de Oliveira, Eliane Moreira de Almeida, Ana Caroline dos Santos Ferreira

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar como ocorre o processo de efetivação das Políticas Públicas voltadas às mulheres quilombolas no Estado do Rio Grande do Sul, destacando o racismo institucional vivenciado por esse segmento. Foram entrevistadas mulheres e lideranças quilombolas do RS e as entrevistas foram analisadas com base na análise de discurso de Bardin. Nesse contexto, pode-se observar as formas de resistência pelas mulheres quilombolas, pois essas assumem um protagonismo na reivindicação de melhorias para suas comunidades e reinventam no seu cotidiano, estratégias de sobrevivência, mas também de mobilização política para pressionar gestores na busca de acesso aos seus direitos de cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições Lisboa, 1977.

COSTA, Eliane Silvia; SCARCELLI, Ianni Regia. Psicologia, política pública para a população quilombola e racismo. Psicol. USP, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 357-366, ago. 2016. GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e antirracismo no Brasil. 3. ed. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo, 2009.

COORDENAÇÃO NACIONAL DE ARTICULAÇÃO DAS COMUNIDADES NEGRAS RURAIS QUILOMBOLAS (CONAQ). Racismo e violência contra quilombos no Brasil. Curitiba: Terra de Direitos, 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2019.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Ano 10. Estudos Feministas, 2002, p.171-188 http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf

GROSSI, Patricia Krieger e AGUINSKY, Beatriz. “Por uma nova ótica e uma nova ética na abordagem da violência contra as mulheres nas relações conjugais”. In: Patricia K. Grossi e Graziela Werba (orgs.) “Violências e Gênero: Coisas que a Gente não Gostaria de Saber. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

HARVEY, David. Para entender o capital. São Paulo: Loyola, 2013.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço social em tempos de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA, Simone Barros. Mulheres Quilombolas e o Acesso aos Direitos de Cidadania: Desafios para as Políticas Públicas. Relatório de Pós-Doutorado em Serviço Social, PUCRS: Porto Alegre, 2018.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 1996. 78p.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 27. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. (Coleção temas sociais).

MINAYO, M. C. de S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 5º Edição.Hucitec-Abrasco: São Paulo-Rio de Janeiro, 1998.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez. 2008. p. 263 a 274.

RISCADO, Jorge Luís de Souza, OLIVEIRA, Maria A. Batista, BRITO, Ângela M. Benedita Bahia. Vivenciando o Racismo e a Violência: um estudo sobre as vulnerabilidades da mulher negra e a busca de prevenção do HIV/aids em comunidades remanescentes de Quilombos, em Alagoas. Saúde Soc. São Paulo, v.19, supl.2, p.96-108, 2010.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, Simone Ritta dos. Comunidades quilombolas: as lutas por reconhecimento de direitos na esfera pública brasileira. 2012, Tese (Doutorado em Serviço Social)-Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: .

SILVA, José Fernando S. da. O método em Marx e o estudo da violência estrutural. Revista Serviço Social e Realidade, v. 13, n. 2, Franca/SP, 2004.

SOUZA, C. L. F.; ANTUNES, L. B.; NUNES, G. H. N. Mulheres Quilombolas e Educação. Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 3, ed. esp. | p. 382-386 | dez. 2013 | ISSN 2178-0437X Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/identidade Acesso em 13 de maio de 2016.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. FLACSO. Brasilia, DF, 1ª edição, 2015. Disponível em www.mapadaviolencia.org.br. Acesso em 30/09/2018.

WERNECK, Jurema. Racismo Institucional: uma abordagem conceitual. Trama Design, 2013. Disponível em:. Acesso em: 16 jul. 2018

YAZBEK, Maria Carmelita. Classes subalternas e assistência social. São Paulo: Cortez, 1993.




DOI: https://doi.org/10.14295/de.v7iEspecial.9522

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


E-ISSN: 2358-8853

Indexadores
  

PROPESQ

PROPESQ

PROPESQ PROPESQ PROPESQ