VÍDEO MULHERES: UM ACONTECIMENTO PROBLEMATIZADO EM COTIDIANO EDUCATIVO

LISIANE GOETTEMS, Maria Simone Vione Schwengber

Resumo


Os cotidianos educativos possibilitam aos sujeitos experimentarem modos detalhados, dialogados de ser e estar no mundo. Nesses espaços-tempos os acontecimentos envolvendo abordagens de gêneros encontram lócus de irrupção, deixando pistas para que pensemos sobre si e o Outro, em histórias plurais. O presente relato de experiências objetiva problematizar acerca dos processos de criação e socialização do vídeo Mulheres (2018), destinado a uma mobilização pedagógica com turmas do ensino superior. Recorre a metodologia S-IVAM, com aporte em Vilaça (2006) e segue as etapas de seleção, investigação e visões acerca do problema; elaboração da ação e das reflexões. A análise dos dados considera uma das nove narrativas que compõe a íntegra do audiovisual produzido, ancorada na categoria palavras e escutas às mulheres. Os resultados acenam importância aos acontecimentos de autoafirmação feminina, do direito a viver a palavra postada que diz de si mesma, de conquistar o lugar de fala como ato político.


Texto completo:

PDF

Referências


BARENBOIM, Daniel. A música desperta o tempo. Tradução de Eni Rodrigues e Irene Aron. São Paulo: Martins, 2009.

BHABHA, Homi (1998). O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG.

BRASIL. Lei 13.104 de 09 de março de 2015. Feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio. Disponível em https://jus.com.br/artigos/62399/feminicidio-lei-n-13-104-de-9-de-marco-de-2015. Acesso em 10 de março de 2018.

_______. Lei 11340 de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em 10 de março de 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 16 ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

________. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Trad. Fernanda Siqueira Miguens. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018b.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault- um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Trad. Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CERTEAU, M. de, GIARD, L.; MAYOL, P. A invenção do cotidiano, morar e cozinhar. Petrópolis: Vozes, 2005.

CHAGAS, Juary. O ‘lugar de fala’ nos movimentos: pressupostos teóricos pós-modernos, materialização prática fragmentária. Blog. Esquerda Online, Julho de 2018. Disponível em https://blog.esquerdaonline.com/?p=8439. Acesso em 30 de novembro de 2018.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. Editora: Martins Fontes. São Paulo, 2000.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

QUÉRÉ, L. From na epistemological model of communication to a praxeological approach. Réseaux. Paris: Tekhné, v. 3, p. 111-133, 1995.

RAGO, Margareth. As Mulheres na Historiografia Brasileira. p. 81-91. SILVA, Zélia Lopes (Org.). Cultura Histórica em Debate. São Paulo: UNESP, 1995.

ROCHA, Patrícia. Mulheres sob todas as luzes: a emancipação feminina e os últimos dias do patriarcado. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2009.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. IN: Mulher e realidade: mulher e educação. Porto Alegre, Vozes, V. 16, nº 2, jul/dez de 1990.

SIQUEIRA. Camilla Karla Barbosa. As três ondas do movimento feminista e suas repercussões no direito brasileiro. p 328- 354. Poder, cidadania e desenvolvimento no estado democrático de direito. Org. CONPEDI/UFMG/FUMEC/ Dom Helder Câmara; Florianópolis: CONPEDI, 2015. Disponível em https://www.conpedi.org.br/publicacoes/66fsl345/w8299187/ARu8H4M8AmpZnw1Z.pdf Acesso em 26/11/2018

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TIBURI, Marcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. 6 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

_______. Lugar e fala e lugar de dor. Revista Cult, de 29 de março de 2017. Disponível em https://revistacult.uol.com.br/home/lugar-de-fala-e-etico-politica-da-luta/ Acesso em 20 de dezembro de 2018.

VAGO, Tarcísio Mauro. Pensar a educação física na escola: para uma formação cultural da infância e da juventude. p. 25- 42. Cadernos de Formação RBCE. v.1, n.1. Campinas: CBCE e Autores Associados, 2009.

VILAÇA, Maria Teresa. Acção e competência de acção em educação sexual: uma investigação com professores e alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário (tese de Doutoramento não publicada). Braga: Universidade do Minho, 2006.




DOI: https://doi.org/10.14295/de.v7i1.8933

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


E-ISSN: 2358-8853

Indexadores
  

PROPESQ

PROPESQ

PROPESQ PROPESQ PROPESQ