A arte de viver junto: juventudes e perspectivas de futuro

Carla Lisbôa Grespan, Cleber Gibbon Ratto, Hans Gert Rottmann

Resumo


Neste ensaio, tomaremos como análise os dados da pesquisa “Agenda Juventude Brasil 2013”, relacionados ao item “Temas da Juventude e Percepções do País”, sobretudo no que diz respeito à sociabilidade, ao “viver junto”, ao “estar junto”, tendo por objetivo pensar como as perspectivas de futuro das juventudes podem constituir uma linha de ampliação das formas de vida e sociabilidade, nunca completamente
previsíveis ou garantidas. Os espaços virtuais redefinem o espaço público e político, proporcionando o reconhecimento de variadas subjetividades. Essas redes têm constituído diferenciados espaços de vida, uma multiplicidade de novas práticas de si e ações coletivas de inteligência que potencializam as sociabilidades e abrem perspectivas para um futuro que estamos a forjar a cada instante. Mas uma questão fica em aberto: o que temos, nós educador@s, a ver com isso?

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Secretaria Nacional da Juventude. Agenda Juventude Brasil: pesquisa nacional sobre perfil e opinião dos jovens brasileiros. Secretaria Nacional da Juventude. Brasília. SNJ. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2016.

BARTHES, Roland. Como viver junto: simulações romanescas de alguns espaços cotidianos: cursos e seminários no Collège de France, 1976-1977. Trad. Leyla Perrone-Moisés. Coleção Roland Barthes. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar. 2001.

BECK, Ulrich. Liberdade ou Capitalismo. São Paulo: UNESP. 2003.

FONTES, Malu. Manuel Castells: “a comunicação em rede está revitalizando a democracia”. Correio da Bahia - 11.05.2015. Disponível em: . Acesso em: 30 abril 2016. FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal. 2004.

LECCARDI, Carmen. Por um novo significado do futuro. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP. v. 17, n. 2, São Paulo: 2005.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O Futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulos. 2010.

MAFFESOLI, Michel. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

RATTO, Cleber Gibbon. Enfrentar o vazio na cultura da imagem: entre a clínica e a educação. Pró-Posições. v. 25. São Paulo: UNICAMP. 2014. p. 161-180.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. A particularidade do processo de socialização contemporâneo. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, v. 17, n. 2. São Paulo: 2005.

SIMMEL, George. Questões Fundamentais da Sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar. 2006. 118 p.

UNESCO. Redação sem Discriminação. São Paulo: Textonovo. 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


E-ISSN: 2358-8853

Indexadores

Sumários.org

Google Academico

doaj.org/toc/2358-8853