PRECISAMOS VERDADEIRAMENTE DE UM VERDADEIRO SEXO?

O DOMÍNIO ÉTICO (SER-CONSIGO) NO DOCUMENTÁRIO LAERTE-SE

Autores

  • Adalberto Ferdnando Inocêncio Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0002-2659-3073
  • Fabiana Aparecida de Carvalho https://orcid.org/0000-0002-6746-4200

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i1.12969

Resumo

Apresenta-se uma análise do documentário “Laerte-se” a partir da problematização da necessidade de um sexo verdadeiro e de modos de afirmação da identidade transgêneras da cartunista em questão. Para tal, com base em teorizações foucaultianas e feministas, discute-se: a) o verdadeiro sexo como tática de governamento; b) as disputas narrativas; e, c) e o domínio ético da transgeneridade na vida como obra de arte em “Laerte-se”. Espera-se, com a discussão, visibilizar a existência das pessoas trans e a vida da cartunista a partir de seu processo de construção de uma nova feminilidade para si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adalberto Ferdnando Inocêncio, Universidade Estadual de Londrina

Doutor em Ensino de Ciências pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Professor colaborador na Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Inocêncio, A. F., & de Carvalho, F. A. (2021). PRECISAMOS VERDADEIRAMENTE DE UM VERDADEIRO SEXO? : O DOMÍNIO ÉTICO (SER-CONSIGO) NO DOCUMENTÁRIO LAERTE-SE. Diversidade E Educação, 9(1), 45–65. https://doi.org/10.14295/de.v9i1.12969

Edição

Seção

Dossiê “Sexualidades, Currículos e Cinema”