A EXPERIÊNCIA DO CURSO TRANSENEM E O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR

Autores

  • Cintia Itaqui Universidade La Salle
  • Denise Macedo Ziliotto Universidade La Salle

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.12081

Resumo

O artigo analisa a experiência do curso transENEM enquanto dispositivo de acesso à Educação Superior, situando historicamente sua origem e percurso, o ingresso e permanência dos/as alunos/as, os níveis de participação e decisão institucionais, e também identificando dimensões sociais e pedagógicas desta oferta educativa. A investigação qualitativa, descritiva e com delineamento de estudo de caso teve como instrumentos entrevistas, documentos, observação participante, comunicações do coletivo e de seus membros nas redes sociais, fotos e atas das assembleias, analisados sob a perspectiva hermenêutica. Conquistas importantes foram identificadas, não somente em relação à aprovação nos exames e consequente acesso à universidade, mas relativos ao engajamento das/os alunas/os, à ampliação de oportunidades profissionais, à formação de uma rede de apoio para os discentes e ainda à participação nos espaços públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia Itaqui, Universidade La Salle

Mestre em Educação pela Universidade La Salle. Pedagoga e especialista em Direitos Fundamentais pela PUCRS.

Denise Macedo Ziliotto, Universidade La Salle

Pós Doutorado pela Universidade de Lisboa . Docente e pesquisadora no programa de Pos Graduação em Educação da Universidade La Salle.  

Referências

ANDRADE, Luma Nogueira de. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. 17/08/2012. 278f. Tese (Doutorado). Programa de Pós Graduação em Educação. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, C.E., 2012.

ANTRA. Mapa dos assassinatos de travestis e transexuais no Brasil em 2017. Brasil, 22018. Disponível em: <https://antrabrasil.files.wordpress.com/2018/02/relatc3b3rio-mapa-dos-assassinatos-2017-antra.pdf>. Acesso em: 05 de fevereiro de 2018.

ARAÚJO, Gabriela Costa; SILVA, Tamires Barbosa Rossi. Transpondo o Enem: Educação Como Prática para a Liberdade. IV Simpósio Nacional Gênero e Interdisciplinaridades. Faces e interfaces da violência de gênero. Universidade Federal de Goiás, 18 a 20 de maio de 2016.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Rev. Estud. Fem., Ago. 2011, vol.19, nº. 2, p.549-559.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Resolução n° 12, de 16 de janeiro de 2015. Diário Oficial da União, p. 3. Brasília, jan. 2015. Disponível em: <https://www.jusbrasil.com.br/diarios/87749317/dou-secao-1-12-03-2015-pg-3?ref=next_button>.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n° 1, de 19 de janeiro de 2018. Define o uso do nome social de travestis e transexuais nos registros escolares. Brasília, jan. 2018. Disponível em:

https://direito.mppr.mp.br/arquivos/File/rcp001_18.pdf

BRASIL. Ministério Público Federal. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. O Ministério Público e a Igualdade de Direitos para LGBTI: Conceitos e Legislação / Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, Ministério Público do Estado do Ceará. – 2. ed., rev. e atual. – Brasília: MPF, 2017.

DE OLIVEIRA, Itauane; ROMANINI, Moises. Sobre existências: as narrativas de vida de mulheres trans e seus modos de resistência. Diversidade e Educação, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 417 - 444, fev. 2020. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/9138>.

DESLAURIERS, Jean-Pierre; KÉRISIT, Michéle. O delineamento da pesquisa qualitativa. In: POUPART, Jean et al (org). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

FLICKINGER, H. G.; ROHDEN, L. Hermenêutica filosófica: nas trilhas de Hans-GeorgGadamer. EDIPUCRS, Porto Alegre. 2000.

FRANÇA, Rebeca de; NOGUEIRA, SayonaraNaider Bonfim; ARAÚJO, Maria Cristina Cavalcanti. A importância do uso do nome social no exame nacional do ensino médio- ENEM. Geoconexões, 2016, vol.2, p. 21-25.

FROES, Priscila. Trans Enem de Porto Alegre como alternativa para a formação de mulheres travestis e pessoas transexuais. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUIMARÃES, Gabrielle Gazapina. TransENEM POA: etnografia sobre um curso pré-vestibular de educação popular voltado à pessoas transexuais, mulheres travestis e LGB inclusivo.Trabalho de Conclusão do Curso em Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2018.

HATJE, Luis Felipe. Transformando vidas: um relato de experiência da construção de um grupo de pessoas trans. Diversidade e Educação, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 57-64, out. 2017. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/7387>.

LANZ, Letícia. O corpo da roupa: a pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. Uma introdução aos estudos transgêneros.Transgente. Curitiba, PR, 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed., Vozes, RJ, 2010.

OLIVEIRA JÚNIOR, Isaías Batista de; MAIO, Eliane Rose. Re/des/construindo in/diferenças: a expulsão compulsória de estudantes trans do sistema escolar. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 159-172, jan./abr. 2016.

POLIZEL, Alexandre Luiz. Tecnologias de poder e a narrativa de si na constituição de um “corpo negro, mulher, trans”. Diversidade e Educação, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 30-38, out. 2018. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/7876>.

RODRIGUEZ, Shay de los Santos. Um breve ensaio sobre a masculinidade hegemônica. Diversidade e Educação, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 276 - 291, fev. 2020. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/9291>. SANTOS, Dayana BrunettoCarlin dos. A biopolítica educacional e o governo de corpos transexuais e travestis. Cad. Pesqui., Set 2015, vol.45, n.157, p.630-651.

SILVA, Fernando Guimarães Oliveira da; MAIO, Eliane Rose. Sobre vulnerabilidade escolar de estudantes trans. Diversidade e Educação, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 24-31, out. 2017. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/7383/4827>.

SILVA, Joseli Maria. A cidade dos corpos transgressores da heteronormatividade. GEO UERJ. Ano 10 – nº 18 – vol. 1 – 1º semestre de 2008.

SILVA, Tamires Barbosa Rossi. Nome social: facilitador de direitos? 4º Seminário internacional de educação e sexualidade. De 19 a 21 de julho de 2016. Vitória-ES.

_____. Tamires Barbosa Rossi. Experiências Multissituadas: Entre Cursinhos Trans e Ativismos: Quais Narrativas, Que Cidadania é Essa?2017. 132 f. Dissertação. (Mestrado Ciências Sociais) - Universidade Estadual Paulista. Campus Marília, 2017.

SIMÕES, Aline Giorgis Santos; SILVA, Dulce Mari Voss. O que é dito sobre os sujeitos que escapam à norma na escola. Diversidade e Educação, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 90-98, fev. 2019. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/8492>.

TASCH, Fabiano Rosa. (Trans) Química: Ensino, Abordagens, Desafios e Possibilidades. Curso de Química. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2018.

TEDESCO, Caio; BITTENCOURT, Luiza. Livreto vermelho. Porto Alegre, 2018. Não publicado.

TRANSENEM. Coletivo pela Educação Popular. Ata da Assembleia de janeiro de 2018. Porto Alegre, 2018.

YIN, Roberto K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZINE, transENEM. Coletivo de educação popular voltado para pessoas trans binárias e não binárias, mulheres travestis e LGB inclusivo. Porto Alegre, 2018. Não publicado.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Itaqui, C., & Ziliotto, D. M. (2021). A EXPERIÊNCIA DO CURSO TRANSENEM E O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR. Diversidade E Educação, 8(2), 46–73. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.12081

Edição

Seção

Dossiê: Diversidade, gênero e sexualidade nas políticas públicas