TECNOLOGIAS DE PODER E A NARRATIVA DE SI NA CONSTITUIÇÃO DE UM “CORPO NEGRO, MULHER, TRANS”

Alexandre Luiz Polizel

Resumo


Este trabalho tem por objetivo traçar considerações acerca da constituição de relatos formativos de um corpo negro, mulher trans e pedagogo em sua trajetória nos espaços educacionais. Faz-se isto sob a perspectiva heterautobiográfica, reconhecendo as narrativas de si como um modo de presentificação da memória no fazer-se corpo e na exposição de tecnologias de poder e de resistência em atuação na constituição do eu. A produção da narrativa deu-se com uma estudante de Pedagogia, mulher, trans, negra, da Universidade Estadual de Maringá, Paraná. Neste manuscrito discorre-se sobre a tecnologia de poder da expropriação de perspectiva, bem como das tecnologias de resistência da reatividade a expropriação, desenvolvimento de alianças e afirmação de si

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica à violência ética. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2015

CATANI, Denice Barbosa. Autobiografia como saber e a educação como invenção de si. In SOUZA, E.C.; ABRAHÃO, M.H.M.B. (Orgs) Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EdiPUCRS, p.77-87, 2006

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a analise de discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, (114), p.197-223, 2001

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. 3 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015

__________. Vigiar e punir: Nascimento da prisão. 42 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2014

NIETZSCHE, Friedrich. Obras incompletas. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: Feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Unicamp, 2013




DOI: https://doi.org/10.14295/de.v6i1.7876

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


E-ISSN: 2358-8853

Indexadores

Sumários.org

Google Academico

doaj.org/toc/2358-8853