SOBRE EXISTÊNCIAS: AS NARRATIVAS DE VIDA DE MULHERES TRANS E SEUS MODOS DE RESISTÊNCIA

Autores

  • Itauane de Oliveira Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)
  • Moises Romanini Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) http://orcid.org/0000-0003-3288-4763

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9138

Resumo

Atualmente, a transexualidade é compreendida como um fenômeno que causa intenso sofrimento ao indivíduo, tendo em vista que há um sentimento de pertença a um determinado gênero que está em desacordo com o seu sexo biológico. A cirurgia transgenitalizadora, dessa maneira, é considerada a indicação terapêutica mais adequada. Diante desse contexto, em que a transexualidade é tomada como uma experiência universal e patológica, realizou-se uma pesquisa cujo objetivo geral foi o de compreender a forma como vão se construindo as trajetórias das pessoas transgêneros nas políticas públicas de saúde em um município do interior do Rio Grande do Sul. A partir da realização de 6 entrevistas narrativas com mulheres trans, nesse artigo buscamos reconstruir os aspectos cronológicos ou indexados de tais narrativas, apresentando suas histórias e experiências, fragmentos de vida que nos mostram que o corpo também é político, e que sendo construído sob relações de poder, pode sim resistir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Itauane de Oliveira, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Psicóloga (UNISC), Residente em Saúde Mental (UNISINOS)

Moises Romanini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Psicólogo (UFSM), Doutor em Psicologia Social e Institucional (UFRGS), Professor Adjunto do Departamento de Psicologia Social e Institucional da UFRGS

Referências

ARÁN, Márcia; ZAIDHAFT, Sérgio; MURTA, Daniela. Transexualidade: corpo, subjetividade e saúde coletiva. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 70-79, 2008 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822008000100008> Acesso em: 08 dezembro 2017.

BENEVIDES, Regina. A psicologia e o sistema único de saúde: quais interfaces?. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 21-25, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822005000200004&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 08 de dezembro 2017.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro : Garamond, 2006.

_______________. Brasil: País do transfeminicídio. Centro Latino Americano em Sexualidade e Direitos Humanos. UERJ. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: < http://www.clam.org.br/uploads/arquivo/Transfeminicidio_Berenice_Bento.pdf> Acesso em: 8 de dezembro de 2017.

BENTO, Berenice; PELUCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 569-581, 2012 . . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2012000200017>. Acesso em: 8 dezembro 2017

BRANDÃO, C. R.; BORGES, M. C. A pesquisa participante: um momento da educação popular. Rev. Ed. Popular, Uberlândia, v.6, p. 51-62, 2007. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/19988> Acesso em: 5 dezembro de 2017.

BUTLER, Judith. Desdiagnosticando o gênero. Physis, Rio de Janeiro, v.19, n.1, p. 95-126, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312009000100006&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 08 dezembro 2017.

________ Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

FERIGATO; Helena Sabrina; CARVALHO, Sérgio Resende. Pesquisa Qualitativa, cartografia e saúde: conexões. Interface (Botucatu), São Paulo, v.15, n. 38, p.663-675, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832011000300004&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 08 dezembro 2017.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames (1977). In: Ditos e Escritos IV: Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

__________________. Prefácio - Anti-Édipo: introdução à vida não-fascista (1977). In: Ditos e escritos: Repensar a Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

__________________. A ética do cuidado de si como prática de resistência (1984). In: Ditos e escritos V: Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GALEANO. Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 2016.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre a população transgênero: conceitos e termos. Brasília, 2012. Disponível em: <https://www.sertao.ufg.br/up/16/o/ORIENTA%C3%87%C3%95ES_POPULA%C3%87%C3%83O_TRANS.pdf?1334065989> Acesso em 08 dezembr0 2017.

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. W. Entrevista narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

LAQUEUR, T. Inventando o sexo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LEMINSKI, Paulo. Melhores poemas de Paulo Leminski. São Paulo: Global, 1996.

LIMA, Fátima. Corpos, Gêneros, Sexualidades: políticas de subjetivação: textos reunidos. Porto Alegre: Rede Unida, 2014.

LIONÇO, Tatiana. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n.1, p. 43-63, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312009000100004> Acesso em: 05 dezembro 2017.

ROSA. Guimarães João. Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2008.

______. Guimarães João. Grande sertão: veredas. Rio de Jairo: Nova Aguilar, 1994.

SIMPSON, Keila. Transexualidade e travestilidade na saúde.. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Transexualidade e travestilidade na saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. p.9-16.

TAGLIAMENTO, Grazielle. Direitos Humanos e a saúde: a efetivação de políticas públicas voltadas à saúde integral da população trans. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Transexualidade e travestilidade na saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. p.65-80.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temática, Campinas, v.44 nº 22, p. 203-220, 2014.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2020-02-20

Como Citar

de Oliveira, I., & Romanini, M. (2020). SOBRE EXISTÊNCIAS: AS NARRATIVAS DE VIDA DE MULHERES TRANS E SEUS MODOS DE RESISTÊNCIA. Diversidade E Educação, 7(2), 417–444. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9138

Edição

Seção

Artigos - Demanda contínua