A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COMO PROTAGONISTA DE UMA EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA: EXPERIÊNCIAS DO PROJETO DE EXTENSÃO DIREITO INTERGERACIONAL E TRANSVERSALIDADE DA UNIVALI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11525

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo apresentar o papel da extensão universitária na educação emancipatória das(os) acadêmicas(os) e na disseminação de conhecimentos na comunidade. Para tal, foi feita a análise qualitativa dos dados coletados a partir das atividades realizadas pelo projeto de Extensão Direito Intergeracional e Transversalidade, do campus São José (SC), da Universidade do Vale do Itajaí, no segundo semestre de 2019, em que se trabalhou a temática intitulada o enfrentamento à violência de gênero, por meio de oficinas, palestras e cine debates realizados com a comunidade.  A partir da análise dos dados foi possível refletir a importância do papel da extensão no diálogo entre universidade e comunidade, apresentando os impactos para os sujeitos envolvidos nas ações extensionistas realizadas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Pereira Labiak, Universidade do Vale do Itajaí

Graduada em Psicologia - Licenciatura, Bacharelado e Formação de Psicólogo pela Universidade Federal de Uberlândia. Pós-graduada no MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade de Gestão e Negócios da Universidade Federal de Uberlândia. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Professora na Universidade do Vale do Itajaí. Coordenadora do Projeto de Extensão Direito Intergeracional e Transversalidade.

Melissa Mendes de Novais, Universidade do Vale do Itajaí

Graduada em Direito pela FADISA. Pós-graduada em Direito Público pela FIP-MOC. Mestra em Teoria e História do Direito pela UFSC. Doutoranda em Direito pela UFSC. Professora na Universidade do Vale do Itajaí. Coordenadora do Projeto de Extensão Direito Intergeracional e Transversalidade.

Ariella Cappellari Nunes, Universidade do Vale do Itajaí

Graduada em Design de Moda pela UDESC. Graduanda em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí.

Matheus Oliveira da Silva, Universidade do Vale do Itajaí

Graduando em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí.

Referências

ARRUZZA, C.. Considerações sobre gênero: reabrindo o debate sobre patriarcado e/ou capitalismo. Revista Outubro, n. 23, 2015, pp. 33-58.

ARRUZZA, C.; BHATTACHARYA, T; FRASER, N.. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

ATLAS DA VIOLÊNCIA. ATLAS da Violência 2019; organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/190605_atlas_da_violencia_2019.pdf. Acesso em outubro de 2019.

BARDIN, L.. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BEAUVOIR, S. de. O Segundo Sexo: Fatos e mitos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2 v., 2016.

BEIRAS, A.. La (de)construcción de Subjetividades em um Grupo Terapêutico para Hombres Autores de Violência em Sus Relaciones Afectivas. 352p. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Departamento de Psicologia Social, Universitat Autónoma de Barcelona. Barcelona, 2012.

BERTH, J.. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BORGES, R; MAIA, K.. A distância que nos une: um retrato das desigualdades brasileiras: relatório. São Paulo: OXFAM, 2017. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/sites/default/files/arquivos/Relatorio_A_distancia_que_nos_une.pdf. Acesso em setembro de 2019.

BOURDIEU, P. A.. Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BRASIL. LEI Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. In:BRASIL. Presidência da República. Casa Civil: Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Maria da Penha. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em agosto de 2019.

BUTLER, J.. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARBONARI, M. E. E.; PEREIRA, A. C. A.. Extensão Universitária no Brasil, do Assistencialismo à Sustentabilidade. Revista de Educação, Itatiba, v. 10, n. 10, p. 23-28, 2007.

DAVIS, A.. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Visível e Invisível: A vitimização de mulheres no Brasil. 2ª edição. Datafolha Instituto de Pesquisas. Março, 2019. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/02/relatorio-pesquisa-2019-v6.pdf. Acesso em outubro de 2019.

GOMES, R. B.; LOPES, P. H.; GESSER, M.; TONELI, M. J. F. et al.. Novos Diálogos dos Estudos Feministas da Deficiência. Revista Estudos Feministas, v. 27, p. 48155, 2019.

GOMES, R. M.. Mulheres Vítimas de Violência Doméstica e Transtorno de Esresse Pós-Traumático: Um enfoque cognitivo comportamental. Revista de Psicologia da IMED, vol.4, n.2, p. 672-680, 2012.

HIRIGOYEN, M. F.. A Violência no Casal: Da coação psicológica à agressão física. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HOOKS, b.. O Feminismo é Para Todo Mundo: Políticas arrebatadoras. Tradução Ana Luiza Libânio. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 2018.

LEÓN, M.. Empoderamiento: relaciones de las mujeres com el poder. Estudos Feministas. v. 8, n. 2, p. 191-207, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11935/11201. Acesso em: 02 abr. 2020.

MENDONÇA, S. G. L.; SILVA, P. S.. Extensão Universitária: Uma nova relação com a administração pública. Rev. Extensão Universitária: ação comunitária em universidades brasileiras. São Paulo, v. 3, p. 29-44, 2002.

MINAYO, M. C. de S.. Violência e Saúde. Rio de Janeiro, Ed. Fiocruz, 2006.

MONTE, A. F.. Reflexões Sobre Extensão e Universidade no Contexto Atual. 2005. Monografia (Especialização em Docência do Ensino Superior) -Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2005.

OXFAM. BRASIL. Tempo de cuidar: O trabalho de cuidado não remunerado e mal pago e a crise global da desigualdade. Brasília. 2020

PASINATO, W.; LEMOS, A. K.. Lei Maria da Penha e Prevenção da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. In VIZA, B; SARTORI, M. C.; ZANELLO, V. (Org.). Maria da Penha Vai à Escola: Educar para prevenir e coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: TJDFT, 2017.

PETRONE, T.. Prefácio à edição brasileira. In: ARRUZZA, C; BHATTACHARYA, T; FRASER, N.. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

PIMENTA, S. G.. O Estágio na Formação de Professores: Unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez, 2010.

SABADELL, A. L.; PAIVA, L. de M. L.. Diálogos entre feminismo e criminologia crítica na violência doméstica: justiça restaurativa e medidas protetivas de urgência. Revista Brasileira de Ciências Criminais. Vol. 153, mar. 2019. p. 173 – 206.

SOUSA, A. L. L.. A História da Extensão Universitária. 1. ed. Campinas: Ed. Alínea, 2000.

SSP/SC. Indicadores de Violência Contra a Mulher em Santa Catarina. Santa Catarina, 2019. Disponível em: http://www.ssp.sc.gov.br/index.php/component/content/article/87-noticias/356-feminicidio. Acesso em junho de 2019.

TELES, Mª A. A.; MELO, M. de. O Que É Violência contra a Mulher. São Paulo, Brasiliense, 2002.

VALENTE, J. A.. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, n. 4, p. 79-97, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/nspe4/0101-4358-er-esp-04-00079.pdf. Acesso em novembro de 2019.

VIZA, B.; SARTORI, M. C.; ZANELLO, V. (Org.). Maria da Penha Vai à Escola: Educar para prevenir e coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: TJDFT, 2017.

WAISELFISZ, J. J.. Mapa da Violência 2015: Homicídios de mulheres no Brasil. São Paulo, Instituto Sangari, 2015. Disponível em https://dossies.agenciapatriciagalvao.org. br/feminicidio/pesquisa/mapa-da-violencia-2015-homicidio-de-mulheres-no-brasil-flacsoopas-omsonu-mulheresspm-2015/. Acesso em junho de 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Labiak, F. P., Novais, M. M. de, Nunes, A. C., & Silva, M. O. da. (2021). A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COMO PROTAGONISTA DE UMA EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA: EXPERIÊNCIAS DO PROJETO DE EXTENSÃO DIREITO INTERGERACIONAL E TRANSVERSALIDADE DA UNIVALI. Diversidade E Educação, 8(2), 286–312. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11525

Edição

Seção

Dossiê: Diversidade, gênero e sexualidade nas políticas públicas