O TRABALHO DOCENTE E AS QUESTÕES DE GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS NO NORTE DE MINAS GERAIS

Autores

  • Amanda Emanuele Pereira Gonçalves Universidade Estadual de Montes Claros
  • Carla Chagas Ramalho Universidade Estadual de Montes Claros https://orcid.org/0000-0002-6263-2498
  • José de Andrade Matos Sobrinho Universidade Estadual de Montes Claros

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11247

Resumo

O gênero e suas expressões ocorrem através de construções sociais em diversos espaços, incluído a escola. Com este entendimento, esta pesquisa teve como objetivo analisar como professoras(es) de Educação Física encaram as estruturas de gênero no contexto das suas aulas no Ensino Médio, em três escolas do norte de Minas Gerais. Utilizamos como metodologia a observação livre e a entrevista semi-estruturada. Categorizamos o resultado em cinco campos: Gênero e sexo biológico; Desigualdade de gênero na sociedade; Desigualdade de gênero nas aulas de Educação Física; Gênero como conteúdo nas aulas de Educação Física no Ensino Médio e Aulas mistas ou co-educativas. Concluímos que se os(as) professores(as) não trabalharem com um olhar crítico em relação às questões de gênero, suas aulas são capazes de gerar e reforçar desigualdades que colocam homens e mulheres em posições diferentes socialmente. Assim, compreendemos como o trabalho docente deve ser permeado por debates críticos sobre gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Emanuele Pereira Gonçalves, Universidade Estadual de Montes Claros

Licenciada em Educação Física pela Universidade Estadual de Montes Claros.

Professora da Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais. 

Carla Chagas Ramalho, Universidade Estadual de Montes Claros

Mestre em Educação pela Universida Federal do Rio de Janeiro

Professora do Departamento de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros 

José de Andrade Matos Sobrinho, Universidade Estadual de Montes Claros

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Professor do Departamento de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros. 

Referências

ALTMANN, H. Rompendo fronteiras de gênero: Marias (e) homens na Educação Física. 1998. 110 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.

ALTMANN, H; AYOUB, E; AMARAL, S. C. F. Gênero na prática docente em Educação Física: “Meninas não gostam de suar, meninos são habilidosos ao jogar?” Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 491-501. Maio/Ago.2011.

ALTMANN, H; AYOUB, E; GARCIA, E. F; RICO, E. R; POLYDORO, S. A. J. Gênero e cultura corporal de movimento: práticas e percepções de meninas e meninos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 1. Abr. 2018.

ARAÚJO, G. M; MOURA, T. N. B. Divisão de gênero nas aulas de educação física. Revista Do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica. Teresina, v. 4, n. 1, p.18-21, Jan. /Jun. 2016.

BETTI, M; ZULIANI, L, R. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 1, n. 1, p. 73-81, 2002.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília, DF, 2013.

______. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Trabalho e rendimento. Brasília, DF, 2018a. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18314-trabalho-e-rendimento.html. Acesso em: 20 nov. 2019.

______. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Quantidade de homens e mulheres. Brasília, DF, 2018b. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18320-quantidade-de-homens-e-mulheres.html. Acesso em: 20 nov. 2019.

______. MDH divulga dados sobre feminicídio. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. 2018c. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/todas-as-noticias/2018/agosto/ligue-180-recebe-e-encaminha-denuncias-de-violencia-contra-as-mulheres . Acesso em 19 abr. 2019.

______. IBGE -Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diferença cai em sete anos, mas mulheres ainda ganham 20,5% menos que homens. Brasília, DF, 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/23924-diferenca-cai-em-sete-anos-mas-mulheres-ainda-ganham-20-5-menos-que-homens. Acesso em 20 nov. 2019.

BRAUNER, V. L. Desafios emergentes acerca do empoderamento da mulher através do esporte. Movimento,Rio Grande do Sul, vol. 21, n. 2, p. 521-532. Abr./Jun. 2015.

BUTLER, J.. “Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo”. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

______. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembléia, tradução de Fernanda S. Miguens, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018

CARBALLO, F. P; FONSECA, A. P. M; FERREIRA, P. S. S; NETO, J. A. R. “Coisa de menino, coisa de menina” – O papel da Educação Física na compreensão das relações de gênero como base para uma educação inclusiva. REVES - Revista Relações Sociais, vol. 1, n. 4, p. 673-689. Dez. 2018.

CORSINO, L. N. Relações de gênero na educação física: a construção dos corpos de meninas e meninos nas “misturas” e nas separações da escola. Seminário Internacional Fazendo Gênero, 9, 2010, Santa Catarina, anais: Universidade de Santa Catarina, p. 1-7. 2010.

CORSINO, L. N. Educação física escolar e relações de gênero: entre desigualdades e silenciamentos. SEMINÁRIO DE METODOLOGIA DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA USP – SEMEF, 4, São Paulo, 2012.

COSTA, M. R. F. SILVA, R. G. Educação Física e a co-educação: igualdade ou diferença? Revista Brasileira Ciências do Esporte, Campinas, v. 23, n. 2, p. 43-54. Jan. 2002

COSTA, R. G; SILVEIRA, C. M. H; MADEIRA, M. Z. A. Relações de gênero e poder: tecendo caminhos para a desconstrução da subordinação feminina. 17º Encontro Nacional da Rede Feminista e Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher e Relações de Gênero. Dez. 2012. Disponível em: <http://www.ufpb.br/evento/index.php/17redor/17redor/paper/view/56>. Acesso: 12 out. 2019.

CROCETTA, R. R. Coeducação e relaçôes de gênero na Educação Física com estudantes do ensino médio. In: Simpósio sobre Formação de Professores, ed. 5, 2013, Tubarão. Anais... Tubarão, Unisul, 2013. p. 01-08. Disponível em: http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/eventos/simfop/artigos_v%20sfp/Renata_Crocetta.pdf. Acesso em 24 nov. 2019.

CRUZ, M. M. S; PALMEIRA, F. C. C. Construção de identidade de gênero na Educação Física Escolar. Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p.116-131. Jan./Mar. 2009.

DORNELLES, P. G.; FRAGA, A. B.. Aula mista versus aula separada? uma questão de gênero recorrente na educação física escolar. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física – ISSN 2175-8093 – Vol. 1, n. 1, p.141-156, Ago., 2009.

GIL, A. C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GOELLNER, S. V. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Cadernos de Formação RBCE, v. 1, n. 2, p. 71-83. 2010.

GROSSI, M. P. Identidade de Gênero e Sexualidade. Coleção Antropologia em Primeira Mão. PPGAS/UFSC, 1998.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. 2. ed. Brasília: Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional. 2012.

LOURO, G. L. Pedagogias da sexualidade. In LOURO, G. L. (Org). O corpo Educado: pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2011.

MACHADO, A.P. Meninas e meninos e sua relações de gênero nas aulas de Educação Física. Salão do Conhecimento: Ciências Alimentando o Brasil. Jornada de Pesquisa. Relatório Técnico-Cientifico, 2016.

MADUREIRA, A. F. A.; BRANCO, A. U. Gênero, Sexualidade e Diversidade na Escola a partir da Perspectiva e Professores/as. Trends in Psychology - Temas em Psicologia, v. 23, n. 3, p. 577-59, 2015.

MICHELS, E. Mortes violentas de lgbt + no Brasil relatório 2018. Grupo Gay da Bahia. Pelourinho, BA, p. 01-25. 2018. Disponível em: https://tribunahoje.com/wp-content/uploads/2019/01/Popula%C3%A7%C3%A3o-LGBT-morta-no-Brasil-relat%C3%B3rio-GGB-2018.pdf?x69597. Acesso em: 20 Nov. 2019.

MONTEIRO, M. V. P. A. A construção identitária nas aulas de Educação Física. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 69, p. 339-59. Abr/Jun. 2017.

OLIVEIRA, M. C; JAEGER, A. A; ROTH, V. J. S. Estereótipos de gênero e educação física: diálogos com estudantes de ensino médio. Arquivos em Movimento, v.15, n.1, p. 75-96. Jan/Jul. 2019.

PEREIRA, A. S; OLIVEIRA, E. M. B. Brincadeiras de meninos e meninas: cenas de gênero na Educação infantil. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 273-288. Jan./Abr. 2016.

PINTO, C. R. J. Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 18, n. 36, p. 15-23. Jun. 2010.

PRADO, V. M; ALTMANN, H; RIBEIRO, A. I. M. Condutas naturalizadas na educação física: uma questão de gênero? Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 1, p. 59-77. Jan./Abr. 2016.

RIBEIRO, A. L. Q; RODRIGUEZ, V. B. C. A feminilidade e a masculinidade dos indivíduos nas Organizações: a teoria queer e as funções ditas como femininas e masculinas. Seminário Estudantil de Produção Acadêmica - UNIFACS, v. 17, p. 162-178. 2018.

REIS, N; PINHO, R. Gêneros não-binários: identidades, expressões e educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 7-25, Jan./Abr. 2016.

SILVA, A. C. L. F; ANDRADE, M. M. Mito e gênero: Pandora e Eva em perspectiva histórica comparada. Cadernos Pagu, n. 33, p. 313-342, Jul./Dez. 2009.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de analise histórica. Revista Educação e Realidade. V. 15, n. 02, p. 71-109, jul/dez. 1995.

SMITH, A. do S. P. de O.; SANTOS, J. L. O. dos. Corpos, identidades e violência: o gênero e os direitos humanos. Rev. Direito e Práx., Rio de Janeiro, v. 08, n. 2, p.1083-1112, 2017.

SOUZA, L. A. B. Gênero e educação: a implantação das políticas públicas. X ANPED Sul, Florianópolis. Out. 2014.

SOUZA, E. S; ALTMANN, H. Meninos e meninas: Expectativas corporais e implicações na educação física escolar. Cadernos Cedes, n. 48, Ago. 1999.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WIELECOSSELES, L. M. Questões de gênero na educação física escolar: educação física um espaço de relações. 2016. 60 p. Monografia (especialização EaD Gênero e Diversidade na Escola) – Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2016.

Downloads

Publicado

2020-08-16

Como Citar

Gonçalves, A. E. P., Ramalho, C. C., & Matos Sobrinho, J. de A. (2020). O TRABALHO DOCENTE E AS QUESTÕES DE GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS NO NORTE DE MINAS GERAIS. Diversidade E Educação, 8(1), 96–126. https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11247

Edição

Seção

Dossiê: Gênero, sexualidade e trabalho docente