Atividade prática de educação ambiental em espaço não formal: aspectos da bacia hidrográfica como tema gerador

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.8212

Palavras-chave:

Educação ambiental, Ensino, Interdisciplinaridade, Crítico-reflexiva.

Resumo

Este trabalho apresenta uma experiência pedagógica e, também, uma pesquisa realizada com estudantes em uma saída de campo utilizando-se aspectos da bacia hidrográfica como tema gerador e continuada, em termos reflexivos, na sala de aula. A dimensão epistemológica adotada na atividade prática foi pautada na concepção freireana, por meio do diálogo e da problematização crítico-reflexiva dos problemas socioambientais vivenciados pelos estudantes. Por meio da análise quali e quantitativa da dinâmica de grupo focal, questionário e registros em campo, identificou-se, em um primeiro momento, uma visão predominantemente individualista e antropocêntrica da natureza. Constatou-se que ao longo das atividades didático-pedagógicas, no campo e em sala de aula, a discussão se ampliou de maneira crítico-reflexiva e os relatos foram ao encontro da construção do conhecimento. O corpo discente também destacou a importância dos espaços não formais nesse processo. Practical environmental education activity in the non-formal space: aspects of the hydrographic basinas a generator theme This work presents a pedagogical experience and, also, a research done with students on a field trip using aspects of the hydrographic basin as a generator theme and continued, in reflective terms, in the classroom. The epistemological dimension adopted in the practical activity was ruled on the Freirean conception, through dialogue and critical-reflective problematization of the socio-environmental problems experienced by the students. Through the qualitative and quantitative analysis of the focus group dynamics, field questionnaire and records, identified himself at first, a predominantly individualistic and anthropocentric view of nature. It was found that throughout the didactic-pedagogical activities, in the field and in the classroom, the discussion expanded in a critical-reflective way and the reports met the construction of knowledge. The student body also highlighted the importance of non-formal spaces in this process. Keywords: Environmental education. Teaching. Interdisciplinarity. Critical-reflective.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benjamin Carvalho Teixeira Pinto, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutor em Ciências Biológicas. Professor lotado no Departamento de Teoria e Planejamento de Ensino (DTPE), Instituto de Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Professor Pesquisador no Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática.

Geysa da Silva Camilo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Mestre em Ciências pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Tem experiência em ecologia de riachos.

Referências

AB’SABER. A. Zoneamento ecológico e econômico da Amazônia: questões de escala e métodos. Seminar on Technology for Human Settlements in the Humid Tropics. CEPAL/IPEA (Economic Commission for Latin América/Caribean Institute of Economic and Social Planning), 1987, p. 25.

ALCÂNTARA, L.A.; SILVA, M.C.A.; ARAÚJO, R.K.; NISHIJIMA, T. Práticas de Educação Ambiental na gestão de recursos hídricos. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v.5, n.5, p.741-748, 2012.

BACCI, D. DE LA C.; PATACA, E. M. Educação para a água. Estudos Avançados, v. 22, p. 211–226, 2008.

BERGMANN, M.; PEDROZO, C.S. Explorando a bacia hidrográfica na escolar: contribuições à Educação Ambiental. Ciência & Educação, v.14, n.3, p.537-553, 2008.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27.4.1999. Dispõe sobre Educação Ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. DOU 28.4.1999. Disponível em < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321 > Acesso em: 03 de agosto de 2018.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Parecer CNE/CP nº 14/2012. DOU. 15.6. 2012. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao13.pdf > Acesso em: 02 de agosto de 2018.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 562 p. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file > Acesso em: 02 de agosto de 2018.

BUSS, D. F., BAPTISTA, D. F., NESSIMIAN, J. L. Bases conceituais para a aplicação de biomonitoramento em programas de avaliação da qualidade da água de rios. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, p. 465-473. 2003.

CACHAPUZ, A; PRAIA, J e JORGE, M. Da Educação em Ciências às Orientações para o Ensino das Ciências: Um repensar Epistemológico. Ciência e Educação, v.10, n.3,p.363-381, 2004.

CALLISTO, M.; MORETTI, M.; GOULART, M. Macroinvertebrados Bentônicos como Ferramenta para Avaliar a Saúde de Riachos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.6, n.1, p.71-82, 2001. `

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P. Metodologia do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 1991.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

FREINET, C. As técnicas Freinet da escola moderna. Lisboa: Estampa, 1975.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. A sombra desta mangueira. 2. ed. São Paulo: Olho d’água, 1995.

GOHN, G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: avaliação e políticas Públicas em Educação, v. 14, p. 27–38, 2006.

GUIMARÃES, M.; VASCONCELLOS, M. M. N. Relações entre educação ambiental e educação em ciências na complementaridade dos espaços formais e não formais de educação. Educar, v. 27, p. 147-162, 2006.

GUIMARÃES, M. Caminhos da educação ambiental da forma à ação. 4º ed. São Paulo: Papirus. 2006. 112 p.

IORIS, A. A. R.; COSTA, M. A. M. The challenge to revert unsustainable trends: Uneven development and water degradation in the Rio de Janeiro metropolitan area. Sustainability, v. 1, p. 133-160, 2009.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Governo Federal Brasileiro. 2015. Disponível em < www.ipea.gov.br/> Acesso em 10 de maio de 2018.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em extensão, v.7, p. 55-66, 2008.

KRASILCHIK, M. Inovação no ensino de ciências. In: GARCIA, W.E. (Coord.). Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas. 3.ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1995. P. 177-194.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade. v.17, n.1, p.23-40, 2014.

LOPES, A. C. Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: Eduerj, 1999.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas teóricas para uma educação ambiental transformadora. Ambiente e Educação, v. 8, p. 37–54, 2003.

LOUREIRO, C. F. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez. 2010. 150 p.

LOUREIRO, C. F.; LAYRARGUES, P. P. Ecologia Política, Justiça e Educação Ambiental Crítica: Perspectivas de Aliança Contra-hegemônica. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, p. 53-71, 2013.

LOUREIRO, C. F.; TORRES, J. R. Educação ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014.

LUCATTO, L.G.; TALAMONI, J.L.B. A construção coletiva interdisciplinar em Educação Ambiental no Ensino Médio: a microbacia hidrográfica do Ribeirão dos Peixes como tema gerador. Ciência & Educação, v.13, n.3, p.389-398, 2007.

MARANDINO, M.; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Ensino de Biologia histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2010.

MUGNAI, R.; NESSIMIAN, J.L.; BAPTISTA, D.F. Manual de Identificação de Macroinvertebrados Aquáticos do Estado do Rio de Janeiro. 1. ed. Rio de Janeiro: Technical Books Editora, 2010.

PEREIRA, M.A.O.C. Percepção de ambiente e Educação Ambiental: diagnosticando as concepções dos estudantes do campus colorado do Oeste – IFRO. Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2014.

PINTO, B. C. T.; BORGES, J. L. C. Uma atividade de educação ambiental em espaço não formal: potencialidades do uso de bacias hidrográficas. Revista Tempos e Espaços em Educação, v.8, p.109-124, 2015.

PRAXEDES, G.C. A utilização de espaços de educação não formal por professores de biologia de Natal – RN. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

QUEIROZ, R.M.; TEIXEIRA, H.B.; VELOSO, A.S.; TERÁN, A.F.; QUEIROZ, A.G. A caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 4, n. 7, p. 12-23, 2011.

REIGOTA, M. Meio Ambiente e representação social. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RICKLEFS, R.E. A economia da natureza. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

RODRIGUES, A. S. L., MALAFAIA, G., CASTRO, P. T. A. A importância da avaliação do habitat no monitoramento da qualidade dos recursos hídricos: uma revisão. SaBios: Rev. Saúde e Biol., v. 5, p. 26-42, 2010.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005.

SHEPARDSON, D. P.; WEE, B.; PRIDDY, M.; HARBOR, J. What is a watershed? Implications of student conceptions for environmental science education and the national science education standards. Science Education, v. 91, p. 554-578. 2007.

SILVA, A. F. G. A construção do currículo na perspectiva popular crítica: das falas significativas às práticas contextualizadas. Tese (Doutorado em Educação e Currículo) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2004. Disponível em: <https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22098>. Acesso em 10 de janeiro de 2019.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO JR. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.

STAPP, W. B. Watershed Education for Sustainable Development. Journal of Science Education and Technology, v. 9, p. 183–197, 2000.

TORRES, J. R. Educação ambiental crítico-transformadora e abordagem temática freireana. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – CFM/CED/UFSC, Florianópolis, 2010. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/93568> . Acesso em: 13 de fevereiro de 2020.

TOZONI-REIS, M. F. C. Temas ambientais como “temas geradores”: contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar, n. 27, p. 93-110, 2006.

TREVISOL, J. V.; FILIPINI, G. T. R.; BARATIERI, R. C. A educação ambiental em bacias hidrográficas: uma experiência nas escolas públicas do rio do Peixe (SC). Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. especial, p. 139–155, 2010.

TRILLA, J. El universo educativo y los adjetivos de la educación. En La educación fuera de la escuela. [S.l: s.n.], 1997. p. 21–30.

UNESCO. The United Nations World Water Development Report 4. 2012. 866 p. Disponível em < http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/HQ/SC/images/00_WWAP_A4_FLYER_PICA_WEB_290212_01.pdf > Acesso em: 02 de agosto de 2018.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Pinto, B. C. T., & Camilo, G. da S. (2020). Atividade prática de educação ambiental em espaço não formal: aspectos da bacia hidrográfica como tema gerador. Ambiente &Amp; Educação, 25(2), 536–558. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.8212

Edição

Seção

Artigos