O que dizem as políticas e pesquisas brasileiras (2015 -2020) em educação ambiental e educação do campo?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.11295

Palavras-chave:

Educação ambiental, Educação do campo, Pesquisas científicas brasileiras, Teses, Dissertações.

Resumo

As políticas públicas nacionais de Educação Ambiental e da Educação do Campo determinam o desenvolvimento de pesquisas no âmbito acadêmico. Neste contexto, o que as teses e as dissertações brasileiras têm pesquisado e publicado sobre Educação Ambiental e Educação do Campo no país no período de 2015 a 2020? Realizou-se a metodologia quanti-qualitativa para o mapeamento de produções na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações utilizando as palavras educação ambiental e educação do campo. Constatou-se nas pesquisas brasileiras que movimentos sociais, formação, percepção e cultura dos povos do campo, políticas públicas e os processos formativos no âmbito formal representam os assuntos investigados. What do brazilian poli-cies and research (2015-2020) say in environmental educa-tion and rural education? The national public policies on environmental education and rural education determine the development of research in academia. In this context, what have brazilian theses and dissertations researched and published about environmental education and rural education in the country in the period from 2015 to 2020? The quanti-qualitative methodology was used to map productions at the Brazilian Digital Library of Theses and Dissertations using the words environmental education and rural education. It was found in brazilian research that social movements, formation, perception and culture of the people from countryside, public policies and the training processes in the formal sphere represent the subjects investigated. Keywords: Environmental Education; Rural Education; Brazilian scientific research; theses; dissertations.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDREOLI, Vanessa Marion; MELLO, Lilian Medeiros. “Educação ambiental como articuladora dos saberes e fazeres do mar nas escolas do campo das ilhas do litoral do Paraná”. Ambiente & Educação Dossiê a Educação Ambiental em uma perspectiva da Oceanografia Socioambiental. Rio Grande, n.2: 162-182, julho-dezembro/2019.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 1981.

______. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

______. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, 1999.

______. Resolução n°1, de 03 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, 2002.

______. Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo – PROCAMPO. Brasília, 2007.

______. Edital nº 02, de 23 de abril de 2008. Chamada pública para seleção de projetos de instituições públicas de ensino superior para o Procampo. Brasília, 2008a.

______. Resolução n° 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Brasília, 2008b.

______. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília, 2010a.

______. Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. Brasília, 2010b.

______. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília, 2012.

______. Portaria nº 86, de 1 de fevereiro de 2013. Institui o Programa Nacional de Educação do Campo - PRONACAMPO, e define suas diretrizes gerais. Brasília, 2013.

______. Lei nº 12.960, de 27 de março de 2014. Altera a Lei nº 9.9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para fazer constar a exigência de manifestação de órgão normativo do sistema de ensino para o fechamento de escolas do campo, indígenas e quilombolas. Brasília, 2014.

______. Resolução nº 2, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para formação continuada. Brasília, 2015.

______. Portaria nº 391, de 10 de maio de 2016. Estabelece orientações e diretrizes aos órgãos formativos dos sistemas de ensino para o processo de fechamento de escolas do campo, indígenas e quilombolas. Brasília, 2016.

CALDART, Roseli Salete. Por Uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Monica Castagna (org). Por uma educação do campo. Petrópolis, Vozes, 2004.

DICIONÁRIO INFORMAL. São Carlos, 2006. Disponível em: https://www.dicionarioinformal.com.br/diferenca-entre/estudo/pesquisa/. Acesso em: 02 mar. 2020.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Diretrizes de Uma Caminhada. In CALDART, Roseli Salete; CERIOLI, Paulo Ricardo; KOLLING, Edgar Jorge (org). Educação do Campo: Identidade e Políticas Públicas. Brasília, Articulação Nacional por Uma Educação do Campo, 2002.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. “As pesquisas denominadas estado da arte". Educação e Sociedade. Campinas, Vol.23, n.79: 257-272, agosto/2002.

GATTI, Bernadete Angelina. “Pesquisar em educação: considerações sobre alguns pontos-chave”. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, Vol. 6, n. 19: 25-35, setembro-dezembro/2006.

GHEDIN, Evandro. Educação do campo: epistemologia e práticas. São Paulo, Cortez, 2012.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, Atlas, 2008.

GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. Campinas, Papirus, 1995.

GUIMARÃES, Mauro. Educação Ambiental Crítica. In LAYRARGUES, Philippe Pomier (org). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 2004.

HAGE, Salomão Antônio Mufarrej; SILVA, Hellen do Socorro de Araújo; BRITO, Márcia Mariana Bittencourt. “Educação superior do Campo: desafios para a consolidação da licenciatura em Educação do Campo”. Educação em Revista. Belo Horizonte, n.04: 147-174 outubro-dezembro/2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). Portal da Informação. Brasília, 2020. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/. Acesso em: 04 mar.2020.

MACIAS-CHAPULA, Cesar Augusto. “O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional”. Ciência da informação. Brasília, n. 2:134-140, maio-agosto/1998.

MENDONÇA, Francisco. “Geografia socioambiental”. Terra Livre. São Paulo, n.16:139-158, janeiro-junho/2001.

MOLINA, Mônica Castagna; FREITAS, Helana Célia de Abreu. “Avanços e desafios na construção da educação do campo”. Em Aberto. Brasília, n. 85: 17-31, abril/2011.

______. Mônica Castagna; HAGE, Salomão Antônio Mufarrej. “Política de formação de educadores do campo no contexto da expansão da educação superior”. Revista Educação em Questão. Natal, n. 37: 121-146, janeiro-abril/2015.

SATO, Michèle. “Debatendo os desafios da educação ambiental”. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande, sem nº: 14-33, janeiro-junho/2001.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Tozato, M. de O. (2020). O que dizem as políticas e pesquisas brasileiras (2015 -2020) em educação ambiental e educação do campo?. Ambiente &Amp; Educação, 25(2), 393–416. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.11295

Edição

Seção

Dossiê: Pesquisas e Práticas em Educação Ambiental e Educação do Campo