A MULHER E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL, RELAÇÕES DE GÊNERO E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO

uma revisão sistemática em bases de dados nacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v29i2.8730

Palavras-chave:

Teto de vidro, mulheres, gênero, trabalho.

Resumo

Este estudo caracteriza-se como uma revisão sistemática da produção acadêmica realizada a partir de levantamento em base de dados, sendo priorizadas as publicações divulgadas pela Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), no GT23 intitulado “Gênero, Sexualidade e Educação”; banco de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e na biblioteca eletrônica de periódicos científicos Scientific Electronic Library Online (SciELO). Mediante investigação de natureza bibliográfica, foram analisadas as produções acadêmicas sobre os seguintes descritores: “mulher” + “teto de vidro”; “mulher” + “relações de gênero”; “mulher” + “divisão sexual do trabalho”; “mulher” + ”atuação profissional”. Este estudo justifica-se como relevante no sentido de reunir informações que possam contribuir para um maior aprofundamento sobre questões inerentes à relações de gênero, carreira e atuação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Correa-Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus do Pantanal (UFMS/CPAN). Atuou como Bolsista CAPES. Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação (GEPDGE).

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus do Pantanal (CPAN/UFMS) e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação (FAED/UFMS). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação (GEPDGE).

Referências

ARAUJO, A. M. C.; OLIVEIRA, E. M. de. Reestruturação produtiva e saúde no setor metalúrgico: a percepção das trabalhadoras. Soc. Estado, v. 21, n.1, p.169-198 (2005).

AUAD, D. Relações de gênero nas práticas escolares e a construção De um projeto de co-educação, ?. 27ª Reunião Nacional da ANPEd – 21 a 24 de novembro de 2004, Caxambu-MG.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa/Portugal: Edições 70, 1977.

BRITO, J. C.; D'ACRI, V. Referencial de análise para a estudo da relação trabalho, mulher e saúde. Cad. Saúde Pública, v. 7, n. 2, p.201-214, 1991.

CASAGRANDE, M. A., Mulheres policiais : formação e atuação profissional das primeiras alunas da Academia da Polícia Civil de Santa Catarina (1967-1977) orientadora: Giani Rabelo. – Criciúma : Ed. do Autor, 2013.

CHÁVEZ, N. M.; RÍOS, H. Discriminación salarial por género “efecto techo de cristal”. Caso: siete áreas metropolitanas de Colombia. Revista Dimensión Empresarial, v. 12, n. 2, p. 29-45, 2014.

CORREA, V.S.A. A visão androcêntrica do mundo: elemento facilitador para o acesso dos homens às funções da gestão escolar, JORNAL DE POLITICAS EDUCACIONAIS. N° 7 | Janeiro–junho de 2010 | PP. 53–60.

CORONEL, M. C. V. K. Pesquisas sobre gênero e sindicalismo docente: o que dizem a respeito da participação sindical das mulheres?. 37ª Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015, UFSC – Florianópolis.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas "estado da arte. Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago., 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000300013>. Acesso em: 25 out. 2017.

FERREIRA, T.de S. Modos de Ver, Sentir, e Questionar: A Presença do Gênero e Da Sexualidade no Curso de Pedagogia. 36ª Reunião Nacional da ANPEd – 29 de setembro a 02 de outubro de 2013, Goiânia-GO.

HIGA, F. da C. Assédio sexual no trabalho e discriminação de gênero: duas faces da mesma moeda?. Rev. direito GV, v. 12, n. 2, p. p.484-515, ago. 2016.

KALIL I. R., AGUIAR, A. C. Trabalho feminino, políticas familiares e discursos pró-aleitamento materno: avanços e desafios à equidade de gênero. Saúde Debate, v. 110, n. 40, p. 208-223, 2016.

LOSADA, B. L., ROCHA-COUTINHO, M. L. Redefinindo o significado da atividade profissional para as mulheres: O caso das pequenas empresárias. Psicologia em Estudo, v. 12, n. 3, p. 493-502, 2007.

MADALOZZO, R. CEOs e composição do conselho de administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil?. Rev. Adm. Contemp., Curitiba , v. 15, n. 1, p. 126-137, fev., 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552011000100008>. Acesso em: 18 nov. 2017.

NAHES S. A imagem da mulher no Estado Novo (1937-1945). São Paulo: Arte & Ciência, 2007.

NASCIMENTO, Silvana de Souza. Homem com homem, mulher com mulher: paródias sertanejas no interior de Goiás. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 39, p. 367-402, abr. 2016.

NEVES, M. A. Anotações sobre trabalho e Gênero, Cadernos de Pesquisa v.43 n.149 p.404-421 maio/ago. 2013.

PINTO, C. R. J. Uma mulher "recatada": a deputada Suely de Oliveira (1950-1974), Topoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 15, n. 29, p. 565-587, jul./dez. 2014.

QUIRINO, R. Relações de Gênero, Tecnologia EeFormação Profissional de Mulheres no Segmento de Mineração, 37ª Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015, UFSC – Florianópolis.

RAMOS, D. P. A família e a maternidade como referências para pensar a política, Revista Brasileira de Ciência Política, nº16. Brasília, janeiro - abril de 2015, pp. 87-120.

RICOLDI, A; ARTES, A. Novos lugares da desigualdade? Caracterização do Ensino superior sob a interface gênero e raça/cor na atualidade Relatorio de pesquisa apresentado ao CNPq (mimeo) 2014.

SILVA, M. R. Canteiro de obras, lugar de mulher? Um estudo sobre as relações de gênero e trabalho no âmbito da construção civil de Fortaleza-CE. 2013. 140 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Sociedade) – Centro de Estudos Sociais e Aplicados, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2013.

VAZ, D. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil, Economia e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 3 (49), p. 765-790, dez. 2013.

VIEIRA, A; AMARAL, G A. A arte de ser Beija-Flor na tripla jornada de trabalho da mulher. Saude Soc., São Paulo, v. 22, n. 2, p. 403-414, jun. 2013.

ZIBETTI, M. L. T. O que qensam professoras de Educação Infantil sobre a

feminização da profissão docente? 30ª Reunião Nacional da ANPEd – 07 de outubro a 10 de outubro de 2007, Caxambu-MG.

ZIMMERMAN, D. E. Psicanálise, perguntas e respostas: verdades, mitos e tabus. Porto Alegre: Artmed, 2005.

ZUZZI, R. P. Gênero na formação de professores/as de Educação Física: da escolha à atuação profissional. 2016. 212 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Correa-Silva, A. M., & Peres Gonçalves, J. (2020). A MULHER E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL, RELAÇÕES DE GÊNERO E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO: uma revisão sistemática em bases de dados nacionais. Momento - Diálogos Em Educação, 29(2), 278–294. https://doi.org/10.14295/momento.v29i2.8730

Edição

Seção

Artigos