MEMÓRIAS DE UMA CRIANÇA VIADA, REFLEXÕES DE UM PROFESSOR GAY: UM DEBATE SOBRE MASCULINIDADES HEGEMÔNICAS NO ESPAÇO ESCOLAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i1.9792

Resumo

Neste artigo busco, entre tantas coisas, propor uma nova perspectiva sobre as múltiplas formas em que as masculinidades se apresentam no ambiente escolar. Dando corpo ao texto e a discussão a partir de uma autoetnografia, dialogo com estudos sobre o fazer/estar docente na educação brasileira ao passo que resgato memórias e relatos de experiência de minhas práticas e vivências pela/para a educação nas cidades de Porto Alegre/RS, Canoas/RS e Pelotas/RS. Assim, com um especial olhar para questões de diversidade e debates na perspectiva dos estudos de gênero, utilizo de uma metodologia autoetnográfica para rascunhar os caminhos que percorri até a disciplina de Estágio Docente II (UFPEL, 2019/01) do curso de Ciências Sociais – Licenciatura, onde dei meus primeiros passos como professor. Neste exercício, a vulnerabilidade é sobreposta à escrita para que às reflexões sobre masculinidade hegemônica na escola apareçam junto a outras performatividades por muitas vezes esquecidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Aurélio Euzébio, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado em Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas. Estudante de bacharelado em Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ex-bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência  (PIBID/UFPel, 2016-2018) e, atualmente, colaborador do  Grupo de Estudos Etnográficos Urbanos (GEEUR/UFPel). Curriculo Lattes:http://lattes.cnpq.br/6083331178955669

Referências

BORTOLINI, Alexandre. Diversidade sexual e de gênero na escola. Revista Eletrônica Espaço Acadêmico, v. 11, p. 27-37, ago. 2011. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/13953/7591. Acesso em: 25 dez. 2019.

BRILHANTE, Aline Veras Morais ; MOREIRA, Cláudio. Formas, fôrmas e fragmentos: uma exploração performática e autoetnográfica das lacunas, quebras e rachaduras na produção de conhecimento acadêmico. Interface (Botucatu),v. 20, n. 59, p. 1099-1113, Dec. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832016000401099&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 jun. 2020.

BRITZMAN, Deborah P.. O que é esta coisa chamada amor - Identidade homossexual, educação e currículo. Educação & Realidade, v. 21, n. 1, p. 71-96 , 1996.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. 288 p.

CAETANO, Marcio Rodrigo Vale; GOULART, Treyce Ellen Silva; SILVA, Marlon Silveira. ENSAIOS SOBRE A HETERONORMATIVIDADE: MODOS CURRICULARES DE APRENDIZAGEM DAS SEXUALIDADES E DO GÊNERO. Atos de Pesquisa em Educação, v. 11, n.2, p. 634-655, ago./nov. 2016.

CARDOSO, Frederico Assis. Homens fora de lugar? A identidade de professores homens na docência com crianças. In: ANPEd: 30 anos de pesquisa e compromisso social, 2007, Caxambu. Anais. Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação / ANPEd, 2007.

CONNELL, Robert W.; MESSERSCHMIDT, James W.. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis , v. 21, n. 1, p. 241-282, Jan./Abr. 2013 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2013000100014&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 dez. 2019.

DAUSTER, Tania. Um saber de fronteira entre Antropologia e a Educação. In: Tania Dauster. (Org.). Antropologia e Educação. 1ed.Rio de Janeiro: Forma e Ação, 2007, p. 13-35.

FERRARI, Anderson; CRUZ, Elizabete Franco. "Lidando com as Homossexualidades"- a formação de professores em debate. Instrumento (Juiz de Fora) , v. 12, n. 2, p. 9-20, 2010.

FONSECA, Claudia. "Quando cada caso NÃO é um caso: pesquisa etnográfica e educação". Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 10, p. 58-78, jan/abr. 1999.

GAMA, Fabiene. A autoetnografia como método criativo: experimentações com a esclerose múltipla. Anuário Antropológico [Online], v. II, 2020. Disponível em: http://journals.openedition.org/aa/5872. Acesso em: 30 mai. 2020.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G. L. ; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 9ªed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013, p. 29-42.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz . Pedagogia do Armário: heterossexismo e vigilância de gênero no cotidiano escolar. Annual Review of Critical Psychology (Online), v. 11, p. 189-203, 2014.

LATOUR, Bruno. Regregando o social: uma introdução à Teoria Ator-Rede. Bauru, SP; Salvador, BA, Edusc; EDUFBA, 2012. p. 400.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p. 7-34.

MOTT, Luiz. Relatório parcial por ocasião do Dia Internacional contra a Homofobia. GGB – Grupo Gay da Bahia. Salvador, 2019.

KESSLER, Sandra et al.. Ockers and Disco-maniacs: A Discussion of Sex, Gender and Secondary Schooling. Sydney, Australia: Inner City Education Center, 1982.

RODRIGUES, Alexsandro ; ALVIM, Davis Moreira. ; ZAMBONI, Jésio; BRASILEIRO, Castiel Vitorino; ROCON, Pablo Cardozo. ; ROSEIRO, Steferson Zanoni. No entre-lugar da criança (des)viada e (des)avisada: a língua afiada corta e nos faz criançar. REVISTA PERIÓDICUS , v. 1, n. 9, p. 192-2018, 2018.

RODRIGUES, Alexsandro; ROSEIRO, Steferson Zanoni; ZAMBONI, Jésio; BRASILEIRO, Castiel Vitorino; SANTANA, Mariamma Fonseca. Crianças Bichas demasiadamente fabulosas. REVISTA INTERINSTITUCIONAL ARTES DE EDUCAR, v. 3, n.1, p. 10-25, mar./jun. 2017.

RODRIGUES, Alexsandro; OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de; ROCON, Pablo Cardozo; ROSEIRO, Steferson Roseiro. Precárias experiências em dissidências: crianças que não cabem em si. Pro-Posições, v. 30, p. 1-21, 2019.

SEFFNER, Fernando. Um bocado de sexo, pouco giz, quase nada de apagador e muitas provas: cenas escolares envolvendo questões de gênero e sexualidade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 561-572, mai. /ago. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2011000200017. Acesso em: 25 dez. 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, pp. 71-99, jul./dez. 1995.

Downloads

Publicado

2020-08-16

Como Citar

Euzébio, F. A. (2020). MEMÓRIAS DE UMA CRIANÇA VIADA, REFLEXÕES DE UM PROFESSOR GAY: UM DEBATE SOBRE MASCULINIDADES HEGEMÔNICAS NO ESPAÇO ESCOLAR. Diversidade E Educação, 8(1), 473–491. https://doi.org/10.14295/de.v8i1.9792