MOVIMENTO DE HOMENS; HOMENS EM MOVIMENTO: DISSONÂNCIAS NO DEBATE SOBRE AS MASCULINIDADES

Autores

  • Helen Barbosa dos Santos UFRGS
  • Priscila Pavan Detoni Universidade do Vale do Taquari http://orcid.org/0000-0002-7436-2229
  • Flávia Luciana Magalhães Novais UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9625

Resumo

O estudo problematiza sobre homens e equidade de gênero como parte das discussões no campo dos debates feministas. O objetivo do artigo é analisar movimentos de homens, em especial alguns discursos sobre o convite do evento “Homens Libertem-se”, a fim de situar brevemente dissonâncias nos distintos posicionamentos sobre homens e equidade de gênero. Inspirado em estudos feministas sobre masculinidades numa perspectiva pós-estruturalista e queer, buscamos perceber efeitos discursivos, a partir da teoria foucaultiana, na produção subjetiva das masculinidades através de movimentos de homens. Principalmente ancoradas em autores em estudos sobre masculinidades, como Raewyn Connell, que apontam a retomada conceitual e histórica acerca do conceito, bem como as distintas iniciativas que pautam as masculinidades como parte de reinvindicações no campo das relações de gênero. Portanto, suscita-nos visualizar campos de possibilidades que incluam os homens como parte da discussão para ações pró-feministas para a equidade de gênero e coalisões entre movimentos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helen Barbosa dos Santos, UFRGS

Doutora (abril de 2019) e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da UFRGS pelo Núcleo de Estudos em Relações de Gênero e Sexualidade (NUPSEX). Em 2018 trabalhou como Orientadora do Curso de Especialização em Políticas Públicas e Socioeducação - UNB/Secretaria de Direitos Humanos. Em 2017 esteve de maio a outubro em Estágio Doutoral na Universidade de Lisboa - ISCET/IUL. Em 2016 trabalhou como Revisora do Curso EAD da Política Nacional de Saúde do Homem, promovido pelo Ministério da Saúde e UFSC/ UNASUS. De 2013 a 2015 trabalhou como Consultora UNESCO na Gestão da Política de Atenção Integral à Saúde do Homem do Estado do Rio Grande do Sul, através de Projeto de Prevenção à Violência (2013-2014) e ProgramaPrimeira Infância Melhor (2014-2015) . Especialista em Gestão de Redes de Atenção à Saúde pela FIOCRUZ em 2016. Residência em Atenção Básica em Saúde Coletiva (2006 à 2008) e em Atenção Básica em Saúde Indígena (2008 à 2009), através da Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul. É graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atualmente oferece consultorias (como profissional autônoma) na área do cuidado de si e equidade de gênero através de cursos de capacitação a profissionais de diversas áreas (educação, saúde, assistência social, segurança pública) para ações de prevenção à violência urbana e de gênero com foco nas masculinidades e saúde. Sua tese é intitulada de "Entre saúde e segurança pública: homens marcados pela violência urbana nos hospitais de trauma." 

Priscila Pavan Detoni, Universidade do Vale do Taquari

Psicóloga, Mestre e Doutora em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Membro do Núcleo de Pesquisa em Relações de Gênero e Sexualidade ( Nupsex/UFRGS) e do Centro de Referência em Direitos Humanos: Relações de Gênero, Diversidade Sexual e de Raça (CRDH/UFRGS); Docente na Universidade do Vale do Taquari de Ensino Superior (Univates). Possuí estudos nas áreas da Psicologia Social, Psicologia da Saúde, Psicologia do Trabalho, Psicologia Jurídica. Temáticas que envolvam especialmente políticas sociais públicas, direitos humanos, saúde do/a trabalhador/a, estudos feministas e teoria queer, corporalidades, interseccionalidades, imigrações, relações de gênero e sexualidade, violências intrafamiliares.

Flávia Luciana Magalhães Novais, UFRGS

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal do Maranhão (2010). Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutoranda em Psicologia Social e Institucional na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro do Núcleo de Pesquisa em Relações de Gênero e Sexualidade NUPSEX. Atua como apoio técnico na área do Serviço Social do Centro de Referência em Direitos Humanos, Relações de Gênero, Diversidade Sexual e Raça (CRDH) - UFRGS. Coordenadora Técnica na ONG SOMOS - Comunicação, Saúde e Sexualidade. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em Serviço Social, atuando principalmente nos seguintes temas: sexualidade, identidade, formação profissional, pós-modernidade e direitos humanos.

Referências

ARÁN, Márcia, & PEIXOTO JÚNIOR, Carlos Augusto. Subversões do desejo: sobre gênero e subjetividade em Judith Butler. Cadernos Pagu, (28), 129-147, 2007. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332007000100007

BATISTA, F. E. A. Masculinidades, identidade e corporalidade na revista Mwn’s Health. In.: Revista Diálogos (RevDia). Dossiê " Afinação em flores e frutos”, v. 5, n. 2, Edição comemorativa. Caderno Artigos Livres, 2017.

BOTTON, Fernando Bagiotto. As masculinidades em questão: uma perspectiva de construção teórica. Revista Vernáculo, n. 19 e 20, 2007.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cafajeste. Pagu , Campinas, n. 26, p. 329-376, junho de 2006. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332006000100014&lng=en&nrm=iso>. acesso em 03 nov. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332006000100014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

___________. "Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo". Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado. Belo Horionte: Autêntica Editora. 2001., p. 151-172.

CATRACA LIVRE. Pelo direito de broxar, falir e ser sensível, campanha pede que homens libertem-se do machismo. Rio de janeiro, Redação Catraca Livre, 8 de julho de 2014. Disponível: <https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/pelo-direito-de-broxar-falir-e-ser-sensivel-campanha-pede-que-homens-libertem-se-do-machismo/>.

CLÍMACO, D. Tráfico de mulheres, negócios de homens: leituras feministas e anti-coloniais sobre os homens, as masculinidades e/ou o masculino (Doctoral dissertation, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis), 2009.

COHEN, Marina. Ação ‘Homens, libertem-se’ lança manifesto pelo direito de brochar, falir e chorar. Rio de Janeiro: O Globo. Entrevista em 13 de julho de 2014. Disponível em: http://oglobo.globo.com/sociedade/acao-homens-libertem-se-lanca-manifesto-pelo-direitode-brochar-falir-chorar-13237298#ixzz3wwgPoT68. Acesso em 20 de dezembro de 2015.

CILLINS, P. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment. New York: Routledge, 2009.

CONNELL, R. Políticas da Masculinidade. Educação e Realidade, Porto Alegre. Vol. 20 (2), 1995.

CONNELL, R. W., MESSERSCHMIDT, J. W., & Fernandes, F. B. M. (2013). Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos feministas, 241-282. rever

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos dadiscriminação racial relativos ao gênero. Estudos feministas, 2002, 10(1), 17.

FIGUEROA-PEREA, Juan-Guillermo. (2013). Algunas reflexiones sobre el estudio de los hombres desde el feminismo y desde los derechos humanos. Estudos Feministas, v. 21, n. 1, p. 371-393.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

GLOBO. Ação ‘Homens, libertem-se’ lança manifesto pelo direito de brochar, falir e chorar. Entrevista por Cohen Marina, 2014. Jornal o Globo: Rio de Janeiro. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/sociedade/acao-homens-libertem-se-lanca-manifesto-pelo-direito-de-brochar-falir-chorar-13237298>

GIFFIN, K. A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito históric. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1), 47-57, 2005.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo soc. São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, junho de 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100005&lng=en&nrm=iso>. acesso em 03 nov. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005.

HYPNESS. Eles também sofrem: projeto desafia homens a se libertarem das amarras do machismo Redação Hypness. Rio de Janeiro: Redação Hypness. (julho, 2014). Disponível em: <http://www.hypeness.com.br/2014/07/homens-tambem-sofrem-projeto-desafia-os-a-libertarem-se-das-amarras-do-machismo>.

hooks, bell (1994). Outlaw culture: resisting representations. New York: Routledge, 1994.

____________. (1984). Feminist theory from margin to center.Boston: South End Press.

IZQUIERDO, María Jesús. (1994). “Uso y abuso del concepto de gênero”. In: VILANOVA, Mercedes (Org.). Pensar las diferencias. Barcelona: Promociones y Publicaciones Universitarias, p. 31-53.

KIMMEL, MS. A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes Antropológicos 1998; 9:103-17, 1998.

MARQUES, Antonio Manuel. Estudos da masculinidade e teoria feminista. 2017.

OLIVEIRA, J. M (ORG). Géneros e sexualidades: interseções e tangentes, p. 39-53.

Matos, Maria Izilda Santos de. (2001). Por uma História das Sensibilidades: Em Foco: A Masculinidade. História Questões & Debates, Curitiba, v. 34, pp. 45-63. p. 47.

MEDEIROS, Patrícia Flores. Políticas da Vida: entre saúde e mulher.Tese Doutorado em psicologia na Faculdade de psicologia. Porto Alegre: PUCRS. 2008.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge, Azevedo, Mariana. Princípios, diretrizes e recomendações para uma atenção integral aos homens na saúde. Recife, Instituto PAPAI, 2009.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 16, n. 3, 2008, p.809-84. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S0104026X2008000300005&lng=en&nrm=iso> Acesso em 11 de Janeiro de 2016.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias , Porto Alegre, n. 21, p. 150-182, junho de 2009. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222009000100008&lng=en&nrm=iso>. acesso em 03 nov. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222009000100008.

MOURA, T., TAYLOR, A.Y.,SCABIO, J.L, BORDE, E., AFONSO, J.S., E BARKER, G. Isso aqui não é vida para você: masculinidades e não violência no Rio de Janeiro, Brasil. Resultados do Estudo Internacional sobre Homens e Igualdade de Gênero (IMAGES) com foco na violência urbana. Washington, DC e Rio de Janeiro, Brasil: Promundo, 2016.

ODRIOZOLA, Xabier. (junho de 2015). "El hombre, por su esencia patriarcal y machista, no puede aún consolidar un movimiento por la igualdad". Entrevista realizada por MUNOZ, Patrícia Burgo. Madri, El diario norte. Disponível em: http://www.eldiario.es/norte/euskadi/patriarcal-machista-consolidar-movimiento-igualdad_0_397561161.html. Acesso em 10 de dezembro de 2015.

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. Discursos sobre a Masculinidade. (janeiro, 1998). Estudos Feministas, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 91. ISSN 0104-026X. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/12036>. Acesso em: 27 jul. 2016.

OLIVEIRA, João Manuel de. Os feminismos habitam espaços hifenizados - A Localização e interseccionalidade dos saberes feministas. Ex aequo, 2010, (22), 25-39.

OLIVEIRA, João Manuel de. (2014). A necropolítica e as sombras na teoria feminista. Ex aequo, (29), 69-82. Recuperado em 28 de setembro de 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S087455602014000100006&lng=pt&tlng=pt. Acesso em:

PARRINI, Rodrigo.¿Existe La masculinidad? Sobre un dispositivo de saber/poder. México: Colégio de México, 2006. Disponível em: http://generomexico.colmex.mx/Parrini.jsp. Acesso em: 15 de dezembro de 2015.

RODRIGUES, Cristiano. "Atualidade do conceito de interseccionalidade para a pesquisa e prática feminista no Brasil", em Seminário internacional fazendo gênero, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Centro de Comunicação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 16 a 20 de setembro de 2013. Anais. (setembro, 2013).

SEFFNER, F. Um bocado de sexo, pouco giz, e muitas provas: cenas escolares envolvendo questões de vendo questões de gênero e sexualidade. Estudos Feministas, 2011, 19(2), 561-588.

SOUZA, M. F. As análises de gênero e a formação do campo de estudos sobre a (s) masculinidade (s). Mediações-Revista de Ciências Sociais, 14(2), 2009, 123-144.

VIGOYA, M. V. Discriminación racial, intervención social y subjetividad. (2007). Reflexiones a partir de un estudio de caso en Bogotá. Revista de Estudios Sociales/Journal of Social Studies, (27), 106-121, 2007.

WAISELFISZ , José. Mapa da violência 2012. Os jovens do Brasil. São Paulo: Instituto Sangari/Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Santos, H. B. dos, Detoni, P. P., & Novais, F. L. M. (2020). MOVIMENTO DE HOMENS; HOMENS EM MOVIMENTO: DISSONÂNCIAS NO DEBATE SOBRE AS MASCULINIDADES. Diversidade E Educação, 7(2), 252–275. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9625

Edição

Seção

Diversidade em Debate