A UNIVERSIDADE E OS CORPOS INVISIBILIZADOS: PARA SE PENSAR O CORPO LGBT

Autores

  • Cristine Jaques Ribeiro UCPel
  • Camila de Freitas Moraes UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS
  • Nino Rafael Medeiros Kruger UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9305

Resumo

Objetivo deste artigo é problematizar o lugar da população LGBT e, especialmente da LGBTfobia enquanto manifestação de poder à qual violenta e subjuga corpos, evidenciando a negação do direito destes tanto na cidade, quanto no espaço universitário. Para tanto, será considerado aqui, que os conceitos de disciplinarização e normatização do corpo, atitudes e modos de existência enquanto resultantes da construção social. Construção está, que merece ser denunciada frente as relações de poder. Ao fim, para a compreensão desta análise se utilizou dos entendimentos a partir de Michel Foucault, Judith Butler, Daniel Borrillo e Achille Mbembe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristine Jaques Ribeiro, UCPel

Docente no Curso de Serviço Social e no Pós-graduação em Politica Social e Direitos Humanos

Coordenadora do GEP Questão agrária, urbana e ambiental/ Observatório dos conflitos da cidade

Camila de Freitas Moraes, UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS

Mestranda em Política Social e Direitos Humanos. Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Componente do GEP Questão agrária, urbana e ambiental/ Observatório dos Conflitos da Cidade.

Nino Rafael Medeiros Kruger, UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS

Doutorando em Política Social e Direitos Humanos. Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Componente do GEP Questão agrária, urbana e ambiental/ Observatório dos Conflitos da Cidade.

Referências

ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: Desmanchando consensos. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. 192 p.

ARTAUD, A. Para acabar com o julgamento de Deus. In: WILLER, C. (Org.). Escritos de Antonin Artaud. Porto Alegre: LP&M, 1983, p. 145-162.

BORRILLO, D. A homofobia. In: LIONÇO, T.; DINIZ, D. Homofobia e educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Editora UnB, 2009, p. 15-46.

______. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. 1. ed. 3. reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. 144 p.

BERGER, P. Perspectivas sociológicas. Petrópolis: Vozes, 1986. 202 p.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. 160 p.

BUTLER, J. Corpos que importam: sobre os limites materiais e discursivos do sexo. Buenos Aires: Paidos, 2005. NÚMERO DE PAGINAS NÃO ACHEI

CARVALHO, S. de; DUARTE, E. P. Criminologia do preconceito: racismo e homofobia nas ciências criminais. São Paulo: Saraiva, 2017. 262 p.

CHAUÍ, M. Repressão sexual: essa nossa (dês) conhecida. São Paulo: Brasiliense, 1985. 211 p.

DE ASSIS CÉSAR, M. R.; DUARTE, A.; SIERRA, J. C. Governamentalização do Estado, movimentos LGBT e escola: capturas e resistências. Educação, v. 36, n. 2, p. 192-200, 2013. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84827901007>. Acesso em: 08 mar. 2019.

DELEUZE G, GUATTARI F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 3. São Paulo: Editora 34, 1996. 715 p.

FREUD, S. (1905). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: ______. Um caso de Histeria, Três Ensaios Sobre a Sexualidade e outros Trabalhos (1901-1095). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p. 119-209. (Edição standart brasileira das obas psicológicas completas de Sigmund Freud, 7).

FOUCAULT, M. (1971). A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collége de France pronunciada em 02 de dezembro de 1970. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio revista por Nuno Nabais. Lisboa: Relógio D’água Editores, 1997. 80 p.

______. (1972). História da Loucura na Idade Clássica. Tradução José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978. 608 p. (Coleção Estudos).

______. (1975). Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Tradução Raquel Ramalhete. Petrópolis: Editora Vozes, 2004. 296 p.

______. (1984). Em defesa da sociedade: curso no College de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 382 p. (Coleção Tópicos).

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: Cartografias do Desejo. 6. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. 327 p.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero. 1987. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

MBEMBE, A. Necropolitica: seguido de sobre el gobierno privado indirecto. Traducción y Edición Elisabeth Falomir Archambault. Santa Cruz de Tenerife: Melusina, 2019. 120 p.

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 159-177. (Coleção estudos culturais em educação).

SANTOS, B. de S.; CHAUÍ, M. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2013. 136 p.

SCOTT, P.; LEWIS, L.; QUADROS, M. T. de. Gênero, diversidade e desigualdades na Educação: interpretações e reflexões para a formação docente. Recife: Editora Universitária UFPE, 2009. 200 p.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Ribeiro, C. J., de Freitas Moraes, C., & Medeiros Kruger, N. R. (2020). A UNIVERSIDADE E OS CORPOS INVISIBILIZADOS: PARA SE PENSAR O CORPO LGBT. Diversidade E Educação, 7(2), 357–372. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9305

Edição

Seção

Artigos - Demanda contínua