ENTRE AS BRECHAS E AS GRADES DE PEDAGOGIA: TRANSBORDAMENTOS DAS QUESTÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i1.9056

Resumo

O presente artigo objetiva compreender como os currículos de Pedagogia abordam as temáticas de gênero e sexualidades na formação docente. Como referencial teórico, adota-se as reflexões de Michel Foucault, Joan Scott, Judith Butler, além de outros/as do campo da formação docente. Enquanto opção metodológica, foi realizada análise documental e de conteúdo dos projetos político-pedagógicos dos cursos, das ementas e dos programas das disciplinas analisadas. Além disso, foram entrevistados/as oito professores/as-formadores/as pertencentes à UERJ e à UNIRIO, posto que ambas as instituições apresentam disciplinas obrigatórias cujas ementas, expressamente, pretendem trabalhar com estas temáticas. Das análises podemos extrair que múltiplas práticas e investimentos pedagógicos criativos, por vezes de abrangência interseccional, caracterizam uma noção ampliada de currículo. Como conclusão, temos que as múltiplas formações destes profissionais contribuem para uma sensibilidade enquanto competência política-pedagógica para a afirmação da diversidade em suas práticas didáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Johnny Chaves de Oliveira, PUC-Rio

Mestre em Educação (PUC-Rio)

Especialista em Gênero (UERJ)

Licenciado em Pedagogia (UFRRJ)

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO – ANFOPE. Documento Final do 9º Encontro Nacional. Brasília, 1998.

BRASIL. Parecer CNE/CP n.5/2005, de 13 de dezembro de 2005. Estabelece Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação, 15 de maio de 2006.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960a.

_______. Ministério da educação. Resolução CNE/CP nº1 , de 30 de maio de 2012. Brasília . DF: MEC, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br /dmdocuments/rcp001_12.pdf

BRZEZINSKI, I. Pedagogia, pedagogos e formação de professores: busca e movimento. 6. ed. São Paulo: Papirus, 2011.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 6. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CANDAU, V.M.F. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 118, p. 235-250, jan.-mar. 2012.

FACCHINI, R. Sopa de Letrinhas? Movimento Homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

__________, M. A Ordem do Discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronuciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

GATTI, B. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010.

HEILBORN, M.L. Gênero, Sexualidade e Saúde. In: Saúde, sexualidade e reprodução: compartilhando responsabilidades. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 1997, p.101-110.

LOURO, G. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

_______, G. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PIMENTA, S.G; ANASTASIOU, L.G. Docência no Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2014

SACRISTÁN, J. Gimeno. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In A.Nóvoa (Org.), Profissão professor. Porto: Editora, p.63-92, 1995.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.16, n.2, p. 5-22, jul./dez. 1990.

TARDIF, M; GAUTHIER, C. O saber profissional dos professores. Fundamentos e epistemologia. Anais do Seminário de Pesquisa Sobre o Saber Docente, UFCE: 1996.

Downloads

Publicado

2019-09-11

Como Citar

de Oliveira, J. C. (2019). ENTRE AS BRECHAS E AS GRADES DE PEDAGOGIA: TRANSBORDAMENTOS DAS QUESTÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADES. Diversidade E Educação, 7(1), 151–177. https://doi.org/10.14295/de.v7i1.9056