ENTRE SILENCIAMENTOS E INVISIBILIDADES: AUSÊNCIA DE DISCUSSÕES CURRICULARES E POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA UNIVERSIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i1.9000

Resumo

Esse texto tem como objetivo refletir os processos de silenciamentos e invisibilidades das questões de gênero e sexualidade nos currículos oficiais dos cursos de graduação e nas políticas institucionais de permanência e assistência estudantil da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. A abordagem ao tema foi qualitativa, e adotou-se a perspectiva da etnometodologia, através da realização de uma etnopesquisa implicada. A compreensão de universidade posta pelas estudantes, dão conta de um lugar que ao mesmo tempo em que apresenta-se como um terreiro de diversidades, propício para a saída do armário, vivência e expressão das sexualidades e gêneros não-binários e normativos, é também um espaço marcado por práticas de silenciamento e invisibilização, em especial nos espaços formais de aprendizagem, a exemplo da sala de aula. A instituição universitária tem permanecido inerte, e continua reforçando os discursos hegemônicos sobre gênero, sexualidade, sexo e corpo, sendo espaço de constante produção e reprodução lgbtfobias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elder Luan dos Santos Silva, Universidade Federal da Bahia

Doutorando em Estudos Interdisciplinares Sobre Gênero, Mulheres e Feminismo e Mestre em Estudos Interdisciplinares Sobre a Universidade na Universidade Federal da Bahia. Graduado em História pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Referências

AMARAL, Julião Gonçalves. Coletivos Universitários de Diversidade Sexual e a crítica à institucionalização da militância LGBT. Século XXI–Revista de Ciências Sociais, v. 4, n. 2, p. 133-179, 2014.

BOTTON, Fernando Bagiotto. A construção discursiva dos sexos e da sexualidade na modernidade a partir de Butler e Foucault. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 9, n. 13, 2016

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Editora Record, 2003

CARVALHO Maria Eulina Pessoa de; RABAY, Glória. Usos e incompreensões do conceito de gênero no discurso educacional no Brasil. Revista Estudos Feministas. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/37466

DUARTE, A. Vidas em Risco: crítica do presente em Heidegger, Arendt e Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ELLSWORTH, Elizabeth. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, p. 7-76, 2001.

FOSTER, David William. Consideraciones sobre el estudio de la heteronormatividad en la literatura latinoamericana. Letras, n. 22, p. 49-53, 2001.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. v. 1. A vontade de saber. In: História da sexualidade. v. 1. A vontade de saber. 1988.

FRY, Peter. O que é homossexualidade, São Paulo, Editora Brasiliense, 1983.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, p. 28-40, 2003.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016.

HOOKS, B. Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, 2. sem. 1995

JESUS, Rita de Cassia Dias Pereira et al. De como torna-se o que se é: narrativas implicadas sobre a questão étnico-racial, a formação docente e as políticas para equidade. 2007.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Homofobia: limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 1, n. 01, 2012.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.

LARROSA, Jorge; SKLIAR, O nome dos outros. Narrando a alteridade. In.: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (Orgs.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, p. 119-128, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, v. 46, p. 201-218, 2007.

_________. Um corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

_________. Pedagogias da sexualidade. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p. 7-34, 1999.

LORDE, Audre. As ferramentas do mestre nunca vão desmantelar a casa-grande. The Master’s Tools Will Never Dismantle the Master’s House]. In: Sister outsider: essays and speeches. New York: The Crossing Press Feminist Series, p. 110-113, 1984.

LOURO, Guacira Teoria queer-uma política pós-identitária para a educação. Red Revista Estudos Feministas, vol.9, n.2, p. 541-553, 2001.

LOURO. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petropólis: Vozes, 2003.

LOURO. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petropólis: Vozes, 2003.

MAGALHÃES, Selma Reis, Homossexualidade na escola: de onde parte a discriminação? In: MESSEDER, Suely Aldir, and Marco Antônio Matos Martins. Enlaçando sexualidades. Salvador, EDUNEB, p. 169-188, 2013.

MEYER, Dogmar Estermann. DORNELES, Priscila Gomes. Corpos, Gêneros e Sexualidades na escola: cenas contemporâneas, políticas emergentes e teorias potenciais. In: Givigi, Ana Cristina Nascimento, et al. O recôncavo baiano sai do armário: universidade, gênero e sexualidade. Cruz das Almas, EDUFRB, p. 21-52, 2013.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, v. 11, n. 21, 2009.

NASCIMENTO, Cláudio Orlando Costa do. JESUS, Rita de Cássia Dias Pereira de. Currículo e Formação: diversidade e educação das relações étnico-raciais. Curitiba: Progressiva, 2010

OLIVEIRA, Rosana Medeiros de; DINIZ, Debora. Materiais Didáticos Escolares e Injustiça Epistêmica: sobre o marco heteronormativo. Educação & Realidade, v. 39, n. 1, 2014

OLIVEIRA, Rosana Medeiros de; DINIZ, Debora. Materiais Didáticos Escolares e Injustiça Epistêmica: sobre o marco heteronormativo. Educação & Realidade, v. 39, n. 1, 2014.

PARKER, Richard. Abaixo do Equador. Culturas do Desejo, Homossexualidade Masculina e Comunidade Gay no Brasil. Rio de Janeiro. Editora Record. 2002.

SAFFIOTI, Heleieth, “Rearticulando Gênero e Classe. ” In: Costa, A. O & Bruschini, C. (orgs.), Uma Questão de Gênero, Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fund. Carlos Chagas, 1992, p. 183- 215.

SANTOS, Dyane Brito Reis. Para além das cotas: a permanência de estudantes negros no ensino superior como política de ação afirmativa. Tese de doutorado, 2009.

UNBEHAUM, Sandra G. et al. As questões de gênero na formação inicial de docentes: tensões no campo da educação. 2014.

VALE, Maísa Maria; DE LIMA, Maria Nazaré Mota. A QUEM PODE SER ATRIBUÍDO O STATUS DE SUJEITO DO CONHECIMENTO? Desafios para o debate teórico-crítico feminista sobre gênero. Caderno Espaço Feminino, v. 28, n. 2

VEIGA-NETO, Alfredo. Incluir para excluir. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, p. 105-118, 2001

WOOLF, Virginia. Um Teto Todo Seu'. Tordesilhas, 2014

Downloads

Publicado

2019-09-11

Como Citar

Silva, E. L. dos S. (2019). ENTRE SILENCIAMENTOS E INVISIBILIDADES: AUSÊNCIA DE DISCUSSÕES CURRICULARES E POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA UNIVERSIDADE. Diversidade E Educação, 7(1), 39–63. https://doi.org/10.14295/de.v7i1.9000