O OBJETO JOGADO DO QUARTO ANDAR ERA UM CORPO – DE MULHER

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i1.8681

Resumo

Neste artigo, problematizamos a notícia do G1 sobre o feminicídio da advogada de Guarapuava, no Paraná, Tatiane Sptizner, em 22 de julho de 2018. Objetivamos relacionar a violência cometida contra de Tatiane às discussões feministas que visualizam o silêncio como um dos muitos tentáculos do machismo. Discutimos de modo teórico e crítico para ressalvar as vozes femininas que são jogadas no esquecimento quando outro caso semelhante de violência contra a mulher ganha repercussão midiática. Entendemos que a violência contra a advogada é um resquício do machismo estruturado nesta realidade, e que a repercussão sobre seu caso está diretamente atrelada à sua condição de mulher.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Amorim Accorsi, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Professora do curso de Comunicação e Multimeios (UEM))
Doutora em Educação (UEM)
Mestra em Educação (UEM)
Especialista em Comunicação e Educação (FCV)
Pedagoga (UEM)
Jornalista (Faculdade Maringá)

Eliane Rose Maio, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (1984), Mestrado em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista - UNESP/Assis (2002), Doutorado em Educação Escolar - UNESP/Araraquara (2008), Pós-doutorado em Educação Escolar na UNESP/Araraquara, com a temática da Trajetória da Educação Sexual no Brasil. É professora da Universidade Estadual de Maringá, no Departamento de Teoria e Prática da Educação.

Referências

ACCORSI, Fernanda Amorim. Professoras, levem mulheres à sala de aula: do jornalismo violento à prática pedagógica filógina. 2018. 159 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Maringá. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2018. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/teses/2018/2018%20-%20Fernanda%20Accorsi.pdf. Acesso em: 12 de set. 2018.

BIROLI, Flávia. O debate sobre pornografia. In: MIGUEL, Luis Felipe. BIROLI, Flávia. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014, p. 131-138.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 09 de março de 2015, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm. Acesso em 12 de agos de 2018.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, Dez. 2003 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 28 Set. 2018.

G1. Monitor da Violência. Disponível em https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/. Acesso em 22 de set 2018.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira Lopes. NECKEL,Jane Felipe. GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis/RJ: Vozes, 2003, p. 28-40.

hooks, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n. 16, p. 193-210, Abr. 2015. Disponível em/www.scielo.br/pdf/rbcpol/n16/0103¬3352¬rbcpol¬16¬00193.pdf. Acesso em 12 de jan de 2018.

MAIO, Eliane Rose. O Nome da Coisa. Maringá/PR: Unicorpore, 2011.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: embusca de chaves de leitura e de um vocabulárioestratégicodescolonial. E-cadernos ces, 18, 2012. Disponível em: http://journals.openedition.org/eces/1533. Acesso em 12 de set de 2018.

SOLNIT, Rebecca. A mãe de todas as perguntas: reflexões sobre os novos feminismos. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

VALENTI, Jessica. Objeto sexual: memórias de uma feminista. São Paulo: Cultrix, 2018.

Downloads

Publicado

2019-09-11

Como Citar

Accorsi, F. A., & Maio, E. R. (2019). O OBJETO JOGADO DO QUARTO ANDAR ERA UM CORPO – DE MULHER. Diversidade E Educação, 7(1), 27–38. https://doi.org/10.14295/de.v7i1.8681